Benefícios dos Peixes

Salmão selvagem e salmão de cativeiro: Quais são as diferenças?

Salmão selvagem e salmão de cativeiro: Quais são as diferenças?

Salmão selvagem e salmão de cativeiro: Quais são as diferenças? O Salmão é um dos peixes mais populares. Tanto pelo sabor como pelas propriedades nutricionais.

No entanto, nos últimos anos, a produção de um tipo de salmão – criado em fazendas – questionou seus benefícios para a saúde.

Este artigo aborda as propriedades nutricionais da carne de salmão e quais são as diferenças entre o Salmão selvagem e salmão de cativeiro.

O que é salmão selvagem?

Salmão selvagem e salmão de cativeiro: Quais são as diferenças?
Salmão selvagem e salmão de cativeiro: Quais são as diferenças?

O Salmão selvagem é um termo abrangente para espécies de salmão que não foram criadas em fazendas.

Estes são agrupados como salmão do Pacífico Atlântico. Como o nome indica, as espécies desses salmões diferem em sua origem.

No Atlântico existe apenas uma espécie e no Pacífico existem cinco.

Para distinguir entre uma espécie e outra, o mais simples é observar a cor da carne.

A carne do salmão do Pacífico é rosa e o do Atlântico é marrom acinzentado.

O que é salmão de viveiro ou de fazenda?

Salmão de viveiro ou fazenda é o tipo de salmão criado artificialmente em fazendas oceânicas ou marinhas.

Neste caso, as espécies de salmão do Atlântico são criadas para desempenho.

Portanto, sua cor original é cinza.

O salmão selvagem que vemos no supermercado é rosa porque foi modificado pela inclusão de crustáceos e alimentos ricos em carotenos e astaxantina.[1]http://www.renc.es/imagenes/auxiliar/files/RENC%202012-3_art%206.pdf

O salmão de viveiro também é geralmente modificado geneticamente.

E embora hoje a tendência seja de queda, antibióticos e hormônios ainda são usados em sua produção.

O método de criação de salmão de viveiro foi criado pela multinacional farmacêutica Hoffman-LaRoche e ainda oferece uma paleta de cores em sua produção.

Embora a astaxantina seja uma substância inofensiva à saúde, é uma estratégia utilizada por multinacionais para ganhar maior apelo ao consumidor.

Salmão selvagem e salmão de cativeiro: Quais são as diferenças?
Salmão selvagem e salmão de cativeiro: Quais são as diferenças?

O salmão de viveiro também é modificado geneticamente. Embora a tendência seja de queda, os antibióticos ainda são usados em sua produção.

Propriedades nutricionais e benefícios do salmão para saúde

É do conhecimento geral que o salmão é uma carne com excelentes propriedades nutricionais.

Em particular, a carne de salmão é rica em proteínas e gorduras saudáveis.

O consumo de ácidos graxos ômega-3 presentes no salmão está relacionado a um melhor índice de colesterol e à prevenção de doenças neurodegenéticas e cardiovasculares crônicas.

Além disso, o salmão é uma carne neutra que vai bem gastronomicamente com uma grande quantidade de especiarias e acompanhamentos.

As propriedades e benefícios do salmão para saúde são:[2]http://www.fen.org.es/mercadofen/pdfs/salmon.pdf

1. Melhora saúde da pele:

De acordo com um estudo realizado na Coréia em 2005, o EPA, um dos ácidos graxos ômega-3, é um agente potencial para a prevenção e tratamento do envelhecimento da pele.

De acordo com este estudo, consumir salmão pode ajudar a melhorar a saúde da pele.

2. Pode acelerar os processos de recuperação muscular:

Um dos benefícios do Omega-3 é acelerar os processos de recuperação muscular.

Aparentemente o ácido graxo n-3PFUA participa dos processos de reparo que ocorrem após intensa atividade física.

Os resultados positivos foram relatados na redução do tempo de recuperação de microdanos na fibra muscular.

3. Regula a pressão arterial:

Um alto nível de ácidos graxos EPA e DHA está diretamente relacionado a uma melhora na pressão arterial.

Um dos benefícios do ômega-3 no sistema cardiovascular é a redução da inflamação, ataques cardíacos e atuação como anticoagulante.

4. Pode prevenir doenças neurodegenerativas:

O consumo regular de DHA e EPA tem um efeito positivo na melhoria das funções cognitivas.

Foi comprovado que os benefícios do Omega-3 do salmão previnem distúrbios psicológicos como o Alzheimer.

5. Reduzir o colesterol LDL (ruim):

Existem vários estudos que afirmam que um dos benefícios dos ômega-3 no salmão é reduzir o colesterol LDL ruim.

Os ácidos graxos n-3 PUFA são aqueles que participam do metabolismo do colesterol no corpo.

Esses compostos são aparentemente capazes de reverter o transporte de colesterol e promover sua eliminação no corpo.

Diferenças entre salmão de viveiro e selvagem

Quando se trata de salmão, a primeira coisa que vêm em mente é que é melhor comer qualquer tipo de salmão do que não comer nenhum.

Adicionar salmão na dieta pelo menos duas vezes por semana é um conselho que qualquer nutricionista irá apoiar. Fornece proteínas, vitamina B12, colesterol, iodo, selênio e fósforo.

No entanto, é verdade que o salmão de viveiro e o salmão selvagem têm diferenças nutricionais.

Em primeiro lugar, os dois tipos de salmão são ricos em ômega-3.

Ao contrário do que pensa, o salmão de viveiro tem mais. Isso pode ser verificado na tabela a seguir:

Espécies de salmão –
produção
Gordura
total
(g)
Ácidos graxos
Ômega- 3 (mg)
Colesterol
(mg)
Atlântico – Fazenda10.51,80054
Rei, selvagens11.31,70072
Coho, selvagens3.790047
Sockeye, selvagens5.780054
Chum, selvagens4.180081
Rosa, selvagens4.570055

A principal desvantagem do salmão de viveiro é que foram encontradas outras gorduras que podem ser prejudiciais à saúde.

Essas gorduras derivam da dieta que recebem: farinha de peixe. Esta farinha é composta por outros tipos de peixes menores.

É nesse tipo de gordura que tendem a se acumular produtos químicos que podem ser prejudiciais à saúde.

Essa é uma das diferenças que não só provoca um maior teor calórico e menor quantidade de proteínas, mas também a uma maior probabilidade de intoxicação.

Além disso, o boom na produção de salmão cultivado está causando todos os tipos de mudanças virtualmente irreversíveis na ecologia marinha.

De acordo com ecologistas, nas fazendas de criação de salmão, a tendência é eliminar o restante das espécies de salmão selvagem.

Salmão de viveiro: quanto isso afeta a ecologia?

salmão
salmão

A American Heart Association [3]https://www.heart.org/en/healthy-living/healthy-eating/eat-smart/fats/fish-and-omega-3-fatty-acidsrecomenda que a maioria dos adultos coma duas porções de peixes gordurosos, como salmão, por semana.

Essa recomendação se deve ao alto nível de ômega-3 em peixes como o salmão e aos benefícios à saúde que podem advir de um consumo ideal.

Embora o salmão de viveiro e o salmão selvagem sejam semelhantes em termos de benefícios gerais para a saúde, o salmão de viveiro pode ter mais antibióticos adicionados.

Também é possível que tanto o salmão de viveiro quanto o selvagem possam conter poluentes orgânicos, como PCBs, além de mercúrio.

Se você está tentando minimizar a ingestão de certos contaminantes, pode ser uma boa ideia buscar o salmão em áreas que tenham diretrizes mais rígidas ou simplesmente comer menos.

No entanto, devido ao seu alto teor de ômega-3, proteína de qualidade e nutrientes benéficos, qualquer tipo de salmão ainda é uma escolha alimentar nutritiva.

Referências:

Referências:
1http://www.renc.es/imagenes/auxiliar/files/RENC%202012-3_art%206.pdf
2http://www.fen.org.es/mercadofen/pdfs/salmon.pdf
3https://www.heart.org/en/healthy-living/healthy-eating/eat-smart/fats/fish-and-omega-3-fatty-acids
Formado em Comunicação Social, especialista em jornalismo digital e SEO, responsável por criar diversos projetos na internet, afim de levar conhecimento à todos sobre saúde, beleza, bem estar, natureza e entretenimento.

Deixe um comentário