Dieta Nórdica: Funciona? Cardápio? Benefícios e Receitas!

Revisado por

Nutrição - CRN6-MA 16199

Dieta Nórdica: Funciona? Cardápio? Benefícios e Receitas!
4.8 (96.11%) 293 votos

A é uma ótima maneira de perder peso de forma rápida e sem sofrimento, pois como o nome já diz, a Dieta Nórdica foi inspirada na cultura nórdica que é de uma civilização que habita as regiões frias do norte da Europa. Além disso, certamente você já ouviu falar da dieta mediterrânea como referência de alimentação saudável. Mas você conhece a Dieta Nórdica? Uma revisão de estudos feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS) comprovou as evidências de que tanto a dieta mediterrânea quanto a nórdica podem ajudar a reduzir o risco de doenças não transmissíveis como o câncer, o diabetes e os problemas cardiovasculares, frequentemente associados à obesidade.

  • O legado de muçulmanos que se rebelaram na Bahia antes do fim da escravidão
  • A pergunta que foi proibida em entrevistas de emprego nos EUA

Dieta Nórdica

 

 

De acordo com a OMS, as duas têm características semelhantes, mas a Dieta Nórdica se baseia em alimentos tradicionais do norte da Europa: Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia. Vários países europeus têm promovido, com resultados positivos, essa dieta como modelo alimentar que traz benefícios para a saúde.

O que é a Dieta Nórdica?

Como o próprio nome já diz, o método é baseado nos alimentos tradicionalmente encontrados nos países nórdicos como Finlândia, Dinamarca, Noruega, Suécia, Islândia. Ela foi criada no ano de 2004 por uma equipe formada por cientistas, nutricionistas e chefes de cozinha com o objetivo de controlar a taxa de obesidade nesses locais.

Além da perda de peso, entre os benefícios prometidos pela Dieta Nórdica, que também é conhecida pelo nome de dieta Viking, estão a diminuição da pressão arterial, redução de doenças cardiovasculares, prevenção de diabetes do tipo 2 e diminuição dos níveis de triglicerídeos.

Dieta Nórdica

Dieta Nórdica Ajuda a Emagrecer?

Uma pesquisa feita com 147 homens e mulheres obesos revelou que enquanto aqueles que seguiram uma típica alimentação dinamarquesa perderam 1,5 kg, os participantes que fizeram suas refeições baseando-se na Dieta Nórdica perderam 4,7 kg.

Outro estudo mostrou que depois de seguir o método ao longo de seis semanas, um grupo de pessoas foi capaz de perder 4% de seu peso corporal e emagrecer mais do que indivíduos que comeram de acordo com uma dieta padrão.

Por outro lado, o acompanhamento da primeira pesquisa que citamos aqui, com os 147 participantes, identificou que no ano seguinte após a perda dos 4,7 kg, os participantes já tinham recuperado o peso perdido. No entanto, como não se sabe se eles continuarem a se alimentar conforme os critérios da Dieta Nórdica , não dá para afirmar se ela é ineficiente ou não em relação à manutenção da perda de peso. De qualquer forma, o que esses trabalhos científicos nos mostram que ela pode ajudar sim a perder peso.

Dieta Nórdica

Experimentos também já mostraram que a Dieta Nórdica realmente ajuda a reduzir a pressão arterial e algumas pesquisas indicaram que o método ajuda a diminuir os níveis de triglicerídeos. Outros estudos identificaram uma diminuição moderada nas taxas de colesterol, além de uma redução pequena nos níveis de açúcar no sangue associada à Dieta Nórdica.

Há ainda a hipótese de que ela pode diminuir a inflamação no corpo. Entretanto, as evidências científicas ainda não são conclusivas, visto que enquanto um estudo já comprovou tal efeito, outros verificaram que essa redução não acontece de maneira significativa.

Benefícios da Dieta Nórdica:

A substituição dos ácidos graxos saturados (presentes na carne vermelha, leite de vaca e derivados) pelos insaturados (encontrados no óleo de colza, muito utilizado pelas nações ao Norte do globo) pode reduzir o desenvolvimento de aterosclerose, formação de placas nas paredes das artérias.

A nutricionista explica que esses ganhos são aumentados por outras características da Dieta Nórdica, como o baixo consumo de carboidratos simples e a introdução de alimentos antioxidantes no cardápio. “Em indivíduos obesos, a inflamação deve ser controlada com a restrição de carboidratos simples (açúcares e farinhas) e gorduras saturadas, e o aumento do consumo de antioxidantes, a fim de se evitar um quadro de resistência à insulina”.

Dieta Nórdica

Alimentos da Dieta Nórdica:

A lista a seguir mostra alguns dos alimentos que podem aparecer no cardápio da Dieta Nórdica:

  • Frutas e vegetais: Maçã, mirtilo, pera, ameixa seca, brócolis, espinafre, repolho, couve de Bruxelas, cebola, couve, cenoura, funcho, alho-poró, nabo, pastinaca e beterraba;
  • Batatas: na maioria das vezes cozidas;
  • Nozes: na maioria dos casos amêndoas;
  • Feijão-castanho;
  • Ervilhas verdes e amarelas;
  • Carnes: Bife, porco, cordeiro, rena, linguiça, frango e peru;
  • Produtos laticínios: Leite com baixo teor de gorduras, leite fermentando e queijo;
  • Peixes: Salmão, arenque, sarda e peixes brancos;
  • Ovos cozidos;
  • Cereais:Pão de centeio integral, rosca de farelo de aveia, muesli, mingau de aveia, massa de grão integral, flocos de cevada, aveia e cevada pérola, sementes de linhaça, sementes de psyllium e sementes de girassol;
  • Gorduras e óleos: Óleo de girassol e óleo de linhaça;
  • Ervas, pimentas, molhos e bebidas: Mostarda, salsinha, endro, vinagrete, rábano, molho de soja, todas as pimentas, creme feito à base de aveia sem produtos laticínios, fécula de batata, fermento, sal com baixo teor de sódio, café, chá e suco de frutas ou vegetais.

Dieta Nórdica

Cardápio Completo da Nórdica:

Agora, vamos conhecer algumas sugestões de cardápio para o café da manhã, almoço, lanche e jantar baseadas na Dieta Nórdica.

Café da Manhã

Sugestão 1: Cevada pérola (cevadinha) e mingau de aveia integral com leite orgânico e canela;
Sugestão 2: Iogurte orgânico com sementes de girassol;
Sugestão 3: Panqueca de aveia ou cevada preparadas com leite orgânico, um pouco de açúcar, sal e manteiga orgânica.

Dieta Nórdica

Almoço

Sugestão 1: Pesto (molho italiano) com sementes de girassol, queijo orgânico e alho. Salmão ou frango para acompanhar;
Sugestão 2: Sopa de cenoura feita com vinagre de maçã, cebola, ervas e iogurte orgânico.

Lanche

Sugestão 1: Lentilhas cozidas misturadas com cebola torrada;
Sugestão 2: Pão de centeio preto com manteiga de amêndoa;
Sugestão 3: Batida de nozes ou sementes com iogurte orgânico e couve ou espinafre.

Jantar

Sugestão 1: Mix de vegetais preparado com cenouras grelhadas, batatas, abobrinha, cebola e funcho;
Sugestão 2: Lombo de porco alimentado no pasto (retirar a gordura que estiver aparente). Acompanhamento: cebola, cenoura, alcachofra e salsinha. Temperar com sal e vinagre de maçã;
Sugestão 3: Truta ou outro tipo de peixe branco, acompanhado de cenouras, batatas, ovo e pedacinhos de pão de centeio.

Atenção: esses cardápios são apenas alguns exemplos de refeições baseadas na Dieta Nórdica. Antes de montar o seu, é recomendado que você consulte um nutricionista para definir um plano que contemple o número de calorias que você precisa oferecer ao seu organismo diariamente, assim como os nutrientes que ele precisa para funcionar bem.

Dieta Nórdica

Dicas de Boa Forma

Potencialize os efeitos da Dieta Nórdica com mais estas sugestões da nutricionista Carolina Baliere:

  • Os vegetais de cor roxa estão entre os mais indicados no método, mas prefira os da época de safra.
  • Reserve o suco verde para o café da manhã, quando o nosso corpo concentra uma quantidade maior de radicais livres.
  • Deixe os grãos (feijões, lentilha, grão-de-bico e quinoa) mergulhados na água no mínimo por oito horas antes de cozinhar. Ativa as enzimas (facilitam a digestão) e neutraliza o ácido fítico (prejudica a absorção dos nutrientes) presentes nesses alimentos.
0/5 (0 Reviews)

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Ana Karolynne Goncalve

Sou graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal do Maranhão(UFMA), CRN6-MA 16199, com Mestrado na área da Nutrição Clínica com relação ao metabolismo, prática e terapia nutricional, realizado também na Universidade Federal do Maranhão(UFMA), Atualmente trabalho no campo de pesquisa sobre a Qualidade e Inovação em Alimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *