Scroll Top

Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Como Conquistar o homem dos seus Sonhos

Dicas de Saúde

Síndrome de Brugada – O que é, Sintomas e Tratamentos

Síndrome de Brugada – O que é, Sintomas e Tratamentos que muitos desconhecem. Além disso, a Síndrome de Brugada (brew-GAH-da) é um distúrbio do ritmo cardíaco potencialmente fatal que às vezes é herdado. Pessoas com Síndrome de Brugada têm um risco aumentado de ritmos cardíacos anormais das câmaras inferiores do coração (arritmias ventriculares). Muitas pessoas que sofrem de Síndrome de Brugada não apresentam nenhum sintoma e, portanto, desconhecem sua condição. Uma anormalidade reveladora – chamada padrão de ECG Brugada de tipo 1 – é detectada por um teste de eletrocardiograma (ECG).

A Síndrome de Brugada é muito mais comum nos homens. A Síndrome de Brugada é tratável com medidas preventivas, como evitar medicamentos agravantes, reduzir a febre e, quando necessário, usar um dispositivo médico chamado cardioversor-desfibrilador implantável (ICD).

Causas de Síndrome de Brugada: A Síndrome de Brugada é um distúrbio do ritmo cardíaco. Cada batida de seu coração é desencadeada por um impulso elétrico gerado por células especiais na câmara superior direita do seu coração. Pequenos poros, chamados de canais, em cada uma dessas células direcionam essa atividade elétrica, o que faz seu coração bater.

Na Síndrome de Brugada, um defeito nesses canais pode fazer com que seu coração vença anormalmente e gire eletricamente fora de controle em um ritmo anormalmente rápido e perigoso (fibrilação ventricular). Como resultado, seu coração não bombeia de forma eficaz e não há sangue suficiente para o resto do corpo. Isso causará desmaios se esse ritmo durar apenas um curto período de tempo ou morte cardíaca súbita se o coração permanecer nesse ritmo ruim.

A Síndrome de Brugada é muitas vezes herdada, mas também pode resultar de uma anormalidade estrutural difícil de detectar em seu coração, desequilíbrios em produtos químicos que ajudam a transmitir sinais elétricos através do seu corpo (eletrólitos) ou os efeitos de certos medicamentos prescritos ou uso de cocaína. A Síndrome de Brugada geralmente é diagnosticada em adultos e, às vezes, em adolescentes. Raramente é diagnosticado em crianças pequenas.

Sintomas de Síndrome de Brugada: Muitas pessoas que têm Síndrome de Brugada não são diagnosticadas porque a condição geralmente não causa sintomas visíveis. O sinal mais importante da Síndrome de Brugada é um padrão anormal em um eletrocardiograma (ECG) chamado padrão de ECG Brugada de tipo 1.

Você não pode sentir um sinal de Brugada – só é detectado em um ECG. É possível ter um sinal de Brugada, ou padrão, sem Síndrome de Brugada. No entanto, os sinais e sintomas que podem significar que você tem Síndrome de Brugada incluem:

  • Desmaio (síncope)
  • Batimentos cardíacos irregulares ou palpitações
  • Batimento cardíaco extremamente rápido e caótico (parada cardíaca súbita)

Os sinais e sintomas da Síndrome de Brugada são semelhantes a alguns outros problemas do ritmo cardíaco, por isso é essencial que você veja seu médico para descobrir se a Síndrome de Brugada ou outro problema do ritmo cardíaco está causando seus sintomas.

Quando Consultar um Médico: Se você tem palpitações cardíacas ou batimentos cardíacos irregulares (arritmia), faça uma consulta para consultar o seu médico. Seu problema pode ser causado por um problema de ritmo cardíaco, mas os testes podem determinar se a causa subjacente do seu problema cardíaco é a síndrome de Brugada.

Se você desmaiar e suspeita que seja por causa de uma condição cardíaca, procure atendimento médico de emergência. Se o seu pai, irmão ou filho tiver sido diagnosticado com Síndrome de Brugada, você pode querer marcar uma consulta com seu médico. Ele ou ela pode discutir se você deve ter testes genéticos para ver se você está em risco de Síndrome de Brugada.

Fatores de Risco de Síndrome de Brugada: Os fatores de risco para a Síndrome de Brugada incluem:

  • História familiar da síndrome de Brugada: Se outros membros da família tiveram Síndrome de Brugada, você está com maior risco de ter a condição.
  • Ser masculino: Os homens adultos são mais freqüentemente diagnosticados do que as mulheres. Em crianças pequenas e adolescentes, no entanto, meninos e meninas são diagnosticados na mesma proporção.
  • Corrida: A Síndrome de Brugada ocorre mais freqüentemente nos asiáticos do que em outras raças.
  • Febre: Apesar de ter febre não causa a Síndrome de Brugada por si só, a febre pode irritar o coração e estimular uma parada cardíaca fraca ou súbita desencadeada por Brugada, especialmente em crianças.

Complicações de Síndrome de Brugada: As complicações da Síndrome de Brugada requerem cuidados médicos de emergência. Eles incluem:

  • Parada Cardíaca Súbita: Se não for tratada imediatamente, essa perda súbita de função cardíaca, respiração e consciência, que geralmente ocorre durante o sono, é fatal. Com cuidados médicos rápidos e adequados, a sobrevivência é possível. Administrando a ressuscitação cardiopulmonar (CPR) – compressões rápidas no peito – e um choque externo de um desfibrilador externo automático (AED) pode melhorar as chances de sobrevivência até o pessoal de emergência chegar.
  • Desmaio (síncope): Se você tem Síndrome de Brugada e se desmaia, procure atendimento médico de emergência.

Testes e Diagnóstico de Síndrome de Brugada: Além de um exame físico típico, ouvindo seu coração com um estetoscópio e o ECG padrão de 12 derivações, outros testes para ver se você possui Síndrome de Brugada incluem:

  • Eletrocardiograma (ECG) com Medicação: Neste teste não-invasivo, um técnico coloca sondas em seu peito que registram os impulsos elétricos que fazem seu coração bater. Um ECG registra esses sinais elétricos e pode ajudar o seu médico a detectar irregularidades no ritmo e na estrutura do seu coração. No entanto, como seu ritmo cardíaco pode mudar, um eletrocardiograma por si só pode não detectar um ritmo cardíaco anormal. O seu médico pode dar-lhe uma medicação que pode desmascarar o padrão de ECG Brugada de tipo 1 em pessoas com Síndrome de Brugada. A medicação geralmente é injetada por uma linha intravenosa (IV).
  • Teste de Eletrofisiologia (EP): Se o seu ECG sugere que você tenha Síndrome de Brugada, seu médico também pode recomendar um teste de EP em um esforço para ver como é fácil fazer com que o coração entre no ritmo anormal de Brugada. Em um teste de EP, um cateter é encadeado através de uma veia na sua virilha para o seu coração, semelhante ao cateterismo cardíaco. Os eletrodos são então passados ​​através do cateter para diferentes pontos em seu coração. Os eletrodos então mapeiam os batimentos cardíacos irregulares. Os eletrodos não chocam o coração – eles apenas detectam os sinais elétricos que atravessam seu coração.
  • Teste Genético: Embora o teste genético não seja necessário para diagnosticar a Síndrome de Brugada, seu médico pode recomendar testes genéticos para outros membros da família se você for diagnosticado com síndrome de Brugada.

Tratamentos de Síndrome de Brugada: O tratamento da Síndrome de Brugada depende do risco de batimentos cardíacos anormais (arritmia). Aqueles considerados em alto risco têm:

  • Uma história pessoal de graves problemas de ritmo cardíaco
  • Uma história pessoal de desmaios
  • Uma história pessoal de surto cardíaco súbito sobrevivido

Devido à natureza da anormalidade do ritmo cardíaco, os medicamentos geralmente não são usados ​​para tratar a Síndrome de Brugada. Um dispositivo médico chamado cardioversor-desfibrilador implantável é o principal tratamento.

Desvibrilador-desfibrilador implantável (ICD): Para indivíduos de alto risco, o tratamento pode incluir um cardioversor-desfibrilador implantable (ICD). Este pequeno dispositivo monitora continuamente seu ritmo cardíaco e entrega choques elétricos quando necessário para controlar batimentos cardíacos anormais.

Para colocar um ICD, um fio flexível e isolado (chumbo) é inserido em uma veia principal sob ou perto da clavícula e guiado, com a ajuda de imagens de raios-X, para o seu coração. As extremidades dos cabos são fixadas nas câmaras de bombeamento do fundo do seu coração (ventrículos), enquanto as outras extremidades estão ligadas ao gerador de choque, que geralmente é implantado sob a pele abaixo da clavícula. O procedimento para implantar um ICD requer hospitalização por um dia ou dois.

Os ICDs podem causar complicações, algumas com risco de vida, por isso é importante pesar os benefícios e os riscos. As pessoas que têm um ICD implantado como um tratamento para a Síndrome de Brugada relataram ter recebido choques de seu ICD, mesmo quando seus batimentos cardíacos eram regulares.

O seu médico irá programar o ICD para reduzir esse risco. Se você tiver um ICD implantado como parte do tratamento da Síndrome de Brugada, fale com seu médico sobre maneiras de evitar choques inadequados.

Terapia de Droga: Às vezes, medicamentos como a quinidina são usados ​​para evitar que o coração entre em seu ritmo potencialmente perigoso. Também pode ser útil como uma terapia suplementar para pessoas que já possuem uma ICD. No entanto, se o paciente estiver em alto risco por causa de uma parada cardíaca prévia ou um episódio de desmaio relacionado, o principal tratamento é a implantação do ICD.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.