Dicas de Saúde Doenças e Tratamentos

Os 14 Principais Tipos de Anticoncepcionais

Os 14 Principais Tipos de Anticoncepcionais

Revisado por

Graduado em Nutrição!

Especialista do Dicas de Saúde

Os 14 Principais Tipos de Anticoncepcionais
4.8 (96.04%) 111 voto[s]

Os Principais Tipos de Anticoncepcionais e seus benefícios. Além disso, quando o assunto é controle de gravidez, os tipos de anticoncepcionais são inúmeros. Os anticoncepcionais são os queridinhos das mulheres há mais de 50 anos. Com a sua evolução, cada vez mais mulheres estão adotando o método para evitar uma gravidez indesejada e garantir outros benefícios que o anticoncepcional proporciona.

Para se ter uma ideia da importância do anticoncepcional, a Organização Mundial da Saúde reconheceu que o seu uso reduz as chances de desenvolver câncer de ovário e endométrio, anemia, doenças inflamatórias pélvicas, endometriose e cisto de ovário. Se você está na dúvida sobre qual anticoncepcional usar, procure um ginecologista e não a sua amiga, pois o método que ela usa pode não ser bom para você e pode ainda causar efeitos colaterais indesejáveis.

O método anticoncepcional não deve ser usado apenas para impedir uma gravidez indesejada, mas também auxiliam no tratamento e prevenção de outras doenças. “Hoje, as mulheres tendem a menstruar dez vezes mais do que antes porque estão optando em adiar a maternidade. Mas, depois de tantos ciclos sucessivos, a maioria delas fica sujeita a desenvolver doenças como endometriose e miomatose uterina (miomas), que estão entre as principais causas de infertilidade feminina”, explica. É nesse momento que o uso da pílula, por exemplo, pode ser recomendada. “O anticoncepcional diminui os riscos desses problemas por bloquear a ovulação, mantendo os níveis de progesterona mais baixos”, completa a ginecologista. Então, confira agora os 14 Principais Tipos de Anticoncepcionais:

Anel Vaginal: O anel vaginal é um pequeno anel flexível de superfície lisa, não porosa e não absorvente, que contém etonogestrel e etinilestradiol. O anel deve ser colocado na vagina, no formato de um 8, na parte superior, uma região bastante elástica e não sensível ao toque, no 5º dia da menstruação, permanecendo nessa posição durante três semanas (21 dias).Tipos de AnticoncepcionaisApós a retirada do anel, deve-se fazer uma pausa de 7 dias e um novo anel deve ser utilizado. Os hormônios liberam estrogêneo e progestagêneo, que entram na corrente sanguínea e atuam inibindo a ovulação. Alguns efeitos adversos podem aparecer, como sangramento de escape, cefaleia, vaginite, leucorreia, ganho de peso e expulsão do anel.

A fertilidade da mulher volta assim que o uso é suspenso. Quando usado corretamente, a prevenção é de 99%. Sua eficácia é de 0,4 a 1,2% em cada 100 mulheres por ano. É tão eficaz quanto as pílulas combinadas mais modernas e com doses mais baixas de hormônios. O anel não interfere na relação sexual, e a maioria das usuárias e seus parceiros não sentem nenhum incomodo durante a relação sexual.

Não é indicado para mulheres com doenças no fígado, câncer de mama, risco de trombose, suspeita de gravidez, fumantes, hipertensão, cefaleias com alterações neurológicas, diabetes ou com alergia a um dos componentes. No período de amamentação não pode ser utilizado, sendo substituído por outro método. Esse método contraceptivo é conveniente, pois só precisa ser aplicado uma vez ao mês. A própria mulher deve introduzi-lo na vagina, empurrando com o dedo até não senti-lo mais. Nos primeiros sete dias de uso deve se utilizar preservativos.

Coito Interrompido: Coito interrompido é quando, numa relação sexual, o homem pressente a ejaculação, retira o pênis e ejacula fora da vagina. É um dos métodos contraceptivos mais antigos que existe. Possui baixa efetividade, pois as secreções do pênis na fase de excitação podem conter espermatozoides vivos. Além disso, pode ser difícil conter a ejaculação. Mesmo quando há o controle, é possível que alguns espermatozoides estejam na uretra devido à liberação do fluido pré-ejaculação (também conhecido como lubrificação) e com isso, a possibilidade de haver fecundação também existe.

Em comparação com a pílula anticoncepcional, que apresenta 0,1% de índice de falha, o coito interrompido possui 4% para casais que usam efetivamente esse método. A principal causa do insucesso é a falta de controle masculina. Nesse método do coito interrompido, muitos homens costumam pensar em coisas que “retardam” o acontecimento, como um trem em alta velocidade, contar, etc., para assim tentar controlar a ejaculação.

Para aqueles que desejam realizar esse método, recomenda-se urinar entre as ejaculações para que assim o fluído pré-ejaculatório não contenha espermatozoides. Além da insegurança e a falta de autocontrole, a inseguridade do método pode gerar desgaste psicológico tanto para o homem quanto para a mulher. A relação sexual tende a se tornar insatisfatória.

Mulheres que apresentam um ciclo menstrual regular e fazem o uso da tabelinha junto ao coito interrompido possuem um pouco mais de segurança. A única vantagem desse contraceptivo é que qualquer pessoa pode utilizá-lo quando não possui outros métodos preventivos, o que explica esse ser um método antigo de prevenção da gravidez. Atualmente, com a ampliação das técnicas e da acessibilidade a estes, o coito interrompido não é um procedimento indicado para contracepção. Apesar de ser muito utilizado, esse método contraceptivo não previne contra as doenças transmissíveis, como HPV.

 

Camisinha para Homens e Mulheres: As camisinhas têm sido a opção principal para contracepção. Elas não somente previnem contra a gravidez, mas previnem contra doenças e infecções. Se há alguma possibilidade do seu parceiro(a) sexual ter alguma DST (Doença sexual transmissível), as camisinhas são obrigatórias. Embora existam camisinhas masculinas e femininas, as mais populares são as masculinas.Anticoncepcionais

  • Prós: Camisinhas são baratas e são as melhores proteções contra DST (Doença sexual transmissível) como HIV.
  • Contra: Camisinhas masculinas protege 82% dos casos de gravidez, enquanto camisinhas femininas protegem 79%.

Diafragma (contraceptivo) e Esponja: O contraceptivo vem em um formato de um pequeno anel flexível recoberto por uma película de borracha ou silicone que é colocado dentro da vagina para bloquear a entrada de espermatozoides no útero. É preciso consultar um ginecologista para que ele determine o tamanho adequado, e precisa checar a cada um ou dois anos para ver se não houve nenhum furo. É preciso checar também no caso de mudança de peso, porque o tamanho precisa estar sempre perfeito.

  • Prós: Insira o contraceptivo pelo menos 24 horas antes de uma relação sexual. É muito favorável aos que têm um histórico médico de câncer de mama, pois este método não mexe como os seus hormônios.
  • Contra: Para ser mais eficiente, o diafragma precisa ser usado com espermicida e ser mantido dentro da vagina por 6 horas depois de uma relação sexual. Isto pode aumentar a chance de infecção urinária, pois urinar depois de uma relação sexual é indicado para evitá-la. Se um dos parceiros é portador de HIV, contraceptivo não é a melhor opção porque espermicida aumenta a chance de contrair HIV do seu parceiro. Contraceptivo tem mostrado uma eficiência de 88% dos casos de gravidez.

Pílulas Anticoncepcionais: Existem vários tipos de pílulas que as mulheres podem escolher, desde progesterona única ou uma combinação de estrogênio e progesterona.

  • Prós: Se você tomar a pílula de forma adequada, a taxa de falha pode ser menor que 1% de gravidez. As pílulas além de proteger contra doença inflamatória pélvica, infecções , câncer endometrial e câncer de ovário, podem diminuir as dores e outros sintomas que aparecem durante o período menstrual. As pílulas compostas unicamente de progesterona podem ser ideal para as mães que recentemente deram luz. Isso porque não afetam na produção de leite. E também podem ser indicadas para mulheres que têm pressão alta.
  • Contra: As pílulas têm 8% de falha. Isso acontece porque as pessoas esquecem de tomar regularmente. Se a pessoa toma pílula de composição única, é necessário tomá-la no mesmo horário todos os dias. As pílulas combinadas implicam no risco de formação de coágulos sanguíneos nas pernas e aumentam o risco de acidente vascular cerebral. Ambos os tipos podem causar manchas, sensibilidade mamaria, náuseas e baixa libido.

Adesivo: O adesivo e o anel são métodos hormonais de contracepção que contêm estrogênio e progesterona, como as pílulas, mas não precisam tomar todos os dias. O adesivo é um pedaço de plástico que pode ser colado na barriga, nádega, braço, ou torso e tem que ser substituído uma vez por semana. O anel é um pequeno dispositivo flexível que é colocado no interior da vagina e pode ser deixado por três semanas.

  • Prós: Ambas opções têm os benefícios de pílulas combinadas. Além disso, eles podem ser usados continuadamente para permitir que você pule períodos. Como a pílula, eles têm 92% de eficácia na prevenção da gravidez, e pode ser ainda mais eficaz se usado corretamente.
  • Contra: O adesivo pode causar reações alérgicas na pele. E, como a pílula, tanto o adesivo e o anel podem causar efeitos colaterais, como manchas, dores de cabeça, inchaço e sensibilidade mamaria. Você não deve usá-los se você tem problema sanguíneo. O anel pode causar irritação vaginal.

Injeções Hormonais: Injeção de progesterona no braço consegue prevenir contra gravidez por um período de três meses. O progesterona bloqueia a ovulação tornando mais difícil o esperma viajar por causa do aumento no muco cervical.

  • Prós: Quando a injeção é feita sob cuidado de um profissional de saúde, há menos de 1% de chance de gravidez. Diferente da pílula, a pessoa não precisa se preocupar em tomar todos os dias. A injeção pode reduzir o risco de câncer de útero e protegê-la de doença inflamatória pélvica.
  • Contras: É preciso ir a um médico para tomar a injeção, e podem causar sangramento mais irregular do que a pílula, adesivo ou anel, principalmente, durante os primeiros seis meses. Além disso, o uso prolongado pode diminuir a densidade óssea, mas o problema é reversível uma vez que a pessoa para de usar a injeção. Se a pessoa planeja engravidar no futuro, ela terá que planejar com antecedência porque pode levar de 3 a 18 meses para começar a ovular depois de ter parado de tomar a injeção.

DIU (Dispositivo Intra – Uterino): O DIU ou dispositivo intra-uterino é um dispositivo em forma de T que é inserido no útero pelo seu médico. Você terá que escolher entre aquele que contém cobre ou o hormônio progesterona .

  • Prós: O DIU é uma opção muito eficaz. O método é invisível por lado de fora , e não é preciso usar com espermicida. DIU de cobre pode ser deixado por 12 anos, e DIU hormonal pode ser deixado por até cinco anos. O DIU de cobre pode até mesmo ser usado até em caso de emergência se for inserido dentro de prazo de cinco dias após uma relação sexual. Outro benefício do DIU é que, embora a longo prazo, é reversível, e você pode engravidar depois de tê-lo removido.
  • Contra: DIU de cobre pode causar um aumento de cólica menstrual. Se você tiver uma infecção sexualmente transmissível, o risco de doença inflamatória pélvica pode aumentar a partir do momento de inserção.

Percepção da Fertilidade: Tudo o que a pessoa precisa fazer é usar um método de barreira (como uma camisinha) durante os dias que você está fértil. Prevenção da gravidez através da conscientização de fertilidade pode ser feito seguindo o seu ciclo menstrual em um calendário, monitorando seu muco cervical, e medindo a sua temperatura corporal.

  • Prós: A pessoa não precisa se preocupar com as prescrições e qualquer tipo de dispositivos apenas tomando hormônios naturais para o controle.
  • Contras: É preciso ter disciplina para monitorar o ciclo menstrual. Mesmo com muita atenção, há possibilidade de erro, porque as mulheres podem ovular em um dia diferente em cada ciclo menstrual. Ainda mais, o espermatozóide pode permanecer vivo por até seis dias após a relação sexual. É preciso usar um método de barreira durante seis dias antes de ovular. A taxa de falha é aproximadamente 25 porcento.

Abstinência: Já pensou em deixar a atividade sexual por completo? Praticar a abstinência é uma opção de controle de natalidade que não pode falhar. Algumas pessoas praticam a abstinência periódica.

  • Prós: Abstinência de sexo é a única maneira infalível para evitar a gravidez.
  • Contra: Abster-se de sexo não é para todos já que os seres humanos têm sede de sexo. A abstinência pode ser um grande plano, mas a pessoa deve ter sempre um preservativo caso não consiga aguentar.

Vasectomia para Homens: Agora é o momento para jogar as responsabilidades para os homens. Quando os homens acabaram de terminar de ter filhos, as mulheres podem enviar os maridos ao médico. A vasectomia é um procedimento simples: Através de uma pequena incisão, o médico fecha os tubos que transportam o esperma de um homem, impedindo-os de abandonar o seu corpo.

  • Prós: A vasectomia é quase 100% eficaz para evitar uma possível gravidez. Os tubos voltam a crescer novamente apenas em 1 em cada 1.000 homens. Esta forma permanente de controle de natalidade também carrega alguns riscos. Mas requer apenas alguns dias de recuperação, e não tem nenhum efeito sobre a função sexual de um homem.
  • Contra: A pessoa vai precisar carregar uma camisinha, durante os primeiros três meses após a cirurgia para garantir que os espermatozódes foram totalmente ejaculados. Os homens precisam ter certeza que não querem mais filhos antes que se realizem esse procedimento. Embora a cirurgia possa ser revertida, além de caro o sucesso pode não ser garantido. Além disso, a vasectomia pode aumentar o risco de câncer de próstata.

Ligadura de Trompas ou Laqueadura: Há opções permanentes de controle de natalidade para as mulheres também. Laqueadura é uma cirurgia para a esterilização voluntária definitiva, na qual as trompas da mulher são amarradas ou cortadas, evitando o contato entre o óvulo e os espermatozoides.

  • Pros: A esterilização feminina é um método contraceptivo geralmente seguro e não altera os níveis de hormônio. A esterilização também é quase 100% eficaz. Ele também pode diminuir o risco de ter câncer de ovário mais tarde.
  • Contras: Esse método precisa ser submetido a uma cirurgia. A cirugia pode causar alguns riscos, como reações de anestesia, dano na bexiga ou intestino, além de dor pélvica. Este método de controle de natalidade é permanente, então, a pessoa precisa ter certeza que não vai querer mais filhos. Como vasectomia, o método de reversão custa caro e não é 100% garantido.
0/5 (0 Reviews)
Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.