Dicas de Saúde

Estimulação magnética cerebral ajuda a perder peso?

estimulaçao magnetica cerebral ajuda a perder peso

Estimulação magnética cerebral ajuda a perder peso de forma simples e totalmente seguro pois,  um estudo recente descobriu que a técnica ajudaria as pessoas obesas a perder peso. Isso seria atribuído à mudança na composição de suas bactérias intestinais, a chamada microbiota intestinal.

Este estudo amplia a descoberta anterior dos pesquisadores de que estimulação magnética cerebral ajuda a perder peso  e reduz os desejos por alimentos. Ao contrário da estimulação profunda, uma operação eletromagnético de eletrodo não é necessária para o desta técnica.

estimulaçao magnetica cerebral ajuda a perder peso
estimulação magnética cerebral ajuda a perder peso

Em vez disso, uma bobina eletromagnética é colocada no couro cabeludo e envia pulsos magnéticos para estimular as regiões específicas do cérebro. Precisamos de novas terapias seguras e eficazes para o tratamento da obesidade. Apesar de numerosas intervenções preventivas e terapêuticas, não foi possível evitar que a obesidade atingisse proporções epidêmicas.

O que é estimulação magnética cerebral ?

A estimulação magnética transcraniana (TMS) é um procedimento não invasivo que usa campos magnéticos para estimular as células nervosas no cérebro para melhorar os sintomas da depressão. TMS é normalmente usado quando outros tratamentos para depressão não foram eficazes.

Estimulação magnética cerebral ajuda a perder peso?

A estimulação magnética cerebral pode ajudar a controlar desejos e comer em excesso, descobriram estudos. Agora, pesquisadores italianos descobriram que melhora a composição das bactérias intestinais, que se acredita estarem envolvidas na obesidade, e também produz perda de peso!

Para saber como o estímulo magnético do cérebro afeta as pessoas com excesso de peso, eles recrutaram homens e mulheres com obesidade. Os indivíduos foram aleatoriamente designados para dois grupos que por cinco semanas receberam 15 sessões, três vezes por semana. Antes e no final do tratamento, as amostras fecais foram coletadas para a análise da microbiota.

Os níveis de glicose, insulina, hormônios das glândulas pituitárias e neurotransmissores, como a norepinefrina, também foram medidos. Os hormônios pituitários desempenham um papel fundamental na regulação do apetite. Por outro lado, graças a estudos recentes, sabe-se que a noradrenalina e outros neurotransmissores afetam a composição da microbiota.

Após cinco semanas de tratamento, as diferenças nos resultados dos dois grupos foram bastante visíveis. Além disso, os indivíduos que receberam estimulação cerebral para perder peso perderam mais de 3% do peso corporal e mais de 4% de gordura. Enquanto aqueles que não receberam esta terapia não apresentaram mudanças.

Os resultados da análise fecal, após cinco semanas, também foram conclusivos. Aqueles que receberam o tratamento aumentaram as quantidades de várias espécies bacterianas benéficas com propriedades anti-inflamatórias, como em indivíduos saudáveis. No entanto, o outro grupo não apresentou alterações clinicamente relevantes na sua composição de microbiota.

Graduada em jornalismo com especialização em Marketing social na UFMG Universidade Federal de Minas Gerais, escreve artigos com conteúdos sobre beleza, saúde e bem estar com noções de SEO e tem a dinâmica e versatilidade na elaboração de artigos.

1 comentário

  • […] particular, os neurônios que são encontrados no córtex cerebral. O córtex ou córtex cerebral é um tecido nervoso que está na forma de […]

Deixe um comentário