Dextroanfetamina – O que é, Modo de Usar e Efeitos Colaterais

Revisado por

Formado em Medicina pela USP!

Especialista do Dicas de Saúde

Dextroanfetamina – O que é, Modo de Usar e Efeitos Colaterais
4.8 (95.47%) 172 votos

Dextroanfetamina – O que é, Modo de Usar e Efeitos Colaterais que muitos ignoram. Além disso, as substâncias sintéticas são substâncias produzidas artificialmente em laboratório. Diferentemente das substâncias naturais, possuem número atômico maior e são mais instáveis. A Dextroanfetamina é uma substância sintética criada no século XX. Ela é um tipo de anfetamina (substâncias simpatomiméticas que tem a estrutura química básica da beta-fenetilamina). É um tipo de droga sintética. Quando a Dextroanfetamina é absorvida rapidamente por via oral, esta alcança seu pico plasmático cerca de 1 a 3 horas após sua administração.

DextroanfetaminaPossui uma meia-vida de aproximadamente 8 a 12 horas, o que faz com que seja necessária a sua administração em dois a três tomadas por dia. Metade de sua eliminação é feita através de metabolização hepática e metade é eliminada inalterada na urina. A acidificação da urina acelera sua excreção. A dextroanfetamina é o mais potente dos simpaticomiméticos (substâncias que estimulam o sistema nervoso simpático) devido a sua capacidade de atuar tanto no sistema dopaminérgico quanto sistema da norepinefrina. No Brasil é comercializada para o tratamento do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, sob o nome comercial de Venvanse.

Dextroanfetamina – Indicações:

  • Dextroamphetamine é recomendado para o tratamento da narcolepsia e transtorno de déficit de atenção com hiperatividade.
  • É também utilizado para tratar a epilepsia e parkinsonismo.
  • Dextroamphetamine é um medicamento psicoestimulante e tem um elevado potencial para o abuso se usados durante um longo período de tempo.
  • Produz vigília e energia e também reduz a hiperatividade em pacientes.
  • Este medicamento também tem um efeito estimulante sobre o sistema nervoso central e é considerada mais eficaz do que as anfetaminas racémica.
  • As propriedades estimulantes do medicamento são bastante semelhantes aos da metanfetamina, mas são ligeiramente menos eficazes.
  • Dextroanfetamina deve ser tomada como indicado pelo médico.
  • A Dextroanfetamina é altamente viciante e pode provocar insônia, se tomada em grandes quantidades durante um longo período de tempo.
  • Também é desaconselhável tomar à noite, devido ao fato de que pode causar insônia.
  • Ao experimentar qualquer sintoma tal como perda de apetite e insônia, deve informar o médico com a maior brevidade.

Dextroanfetamina – Como usar: Posologia Orientativa

  • O comprimido é normalmente tomado 2 a 3 vezes ao dia, com ou sem alimentos.
  • A cápsula de libertação prolongada é geralmente tomado uma vez por dia com ou sem alimentos.
  • O líquido é habitualmente administrado uma vez ou duas vezes por dia, com ou sem alimentos.
    Administração

Via oral.

  • Pode tomar com ou sem alimentos.
  • Tomar a primeira dose assim que acordar de manhã, espaçando a toma das doses de 4 a 6 horas.
  • Não tome à noite porque pode causar dificuldade em adormecer ou manter o sono.
  • Não mastigar ou esmagar as cápsulas de libertação prolongada.

Dextroanfetamina – Efeitos Colaterais: Alguns dos efeitos secundários mais comuns do medicamento incluem

  • tonturas,
  • superestimulação,
  • agitação,
  • sonolência,
  • vómitos,
  • fadiga,
  • disfunção sexual,
  • reações desagradáveis,
  • ataxia,
  • doença de pele,
  • perda de apetite,
  • edema,
  • retenção de líquidos,
  • distúrbios do padrão de sono e dor de estômago.
0/5 (0 Reviews)

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Osmar da Costa Junior

Sou formado em medicina pela USP no ano de 2012. Atuo na área de estudo e orientação inicial de doentes; Coordenação de exames de saúde regular; Diagnóstico e tratamento de grande parte das doenças de adultos; Acompanhamento e tratamento de doentes crônicos; Orientação de pacientes que apresentam quadros complexos, com patologias raras e múltiplas, juntamente com a participação de outros especialistas, quando for necessário; Integração final de dados clínicos e exames complementares, decorrentes da observação dos pacientes por outro especialista. Atualmente sou Clinico Geral residente no Hospital Regional de Cotia e Editor no site "Dicas de Saúde" onde tenho participação com comentários, e criação de artigos relacionados a saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *