Rinite Alérgica – O que é, Sintomas e Tratamento

Revisado por

Formado em Medicina pela USP!

Especialista do Dicas de Saúde

Rinite Alérgica – O que é, Sintomas e Tratamento
4.8 (95.95%) 232 votos

Rinite Alérgica – O que é, Sintomas e Tratamento. que não devem ser ignorado pois é preciso estar atento. Além disso, A Rinite Alérgica é uma reação imunológica do corpo a partículas inaladas que são consideradas estranhas. Essas substâncias são chamadas de alérgenos. Então, saiba sobre Rinite Alérgica – O que é, Sintomas e Tratamento:

Rinite AlérgicaO que é Renite Alérgica: A Rinite Alérgica surge quando uma pessoa alérgica inala alguma partícula que estimula o seu sistema imune. Quando criança, nós entramos em contato com diversos potenciais alérgenos sem que tenhamos maiores problemas. As pessoas alérgicas são aquelas que ao entrar em contato com determinadas partículas passam a produzir anticorpos contra elas, como se fossem agentes invasores danosos, tipo vírus, bactérias, etc.

Vamos usar o pólen como exemplo. Pessoas alérgicas ao pólen são aquelas que ao entrar contato com este alérgeno pela primeira vez produzem em grande quantidade um anticorpo chamado IgE. A partir deste momento, a mucosa nasal começa a ficar povoada com uma célula do sistema imune chamada mastócito, que possui vários anticorpos IgE em sua superfície.

É como se o corpo pensasse que o pólen era um assaltante e passasse a encher a cavidade nasal de seguranças (mastócitos) altamente armados (IgE). Assim que esta pessoa entra novamente em contato com o pólen, os anticorpos IgE rapidamente o capturam, ativando os mastócitos que liberam vários mediadores químicos para destruir o invasor, sendo o mais importante a histamina, responsável pelos principais sintomas da rinite, que serão explicados mais à frente.

Os sintomas alérgicos da Rinite Alérgica são, portanto, um efeito colateral da guerra química que o sistema imune trava contra algumas partículas. O pólen em si não causa nenhum mal, mas o sistema imune do alérgico não pensa assim.

Pessoas não alérgicas são aquelas que entram em contato com o pólen, por exemplo, e corretamente não desenvolvem IgE específicas contra ele. Em outras palavras, o corpo reconhece o pólen como partícula estranha, mas não o vê como uma ameaça e não produz anticorpos contra o mesmo.

Sintomas da Renite Alérgica:

Quais os tratamentos Para Renite Alérgica: Os tratamentos para as alergias respiratórias, uma vez diagnosticado corretamente e os alérgenos responsáveis forem detectados, se baseia em três aspectos essenciais que podem ser complementários:

Evite a exposição ao alérgeno, o que pode ser suficiente para o controle da doença, por exemplo no caso das alergias aos pêlos dos animais.

É praticamente impossível evitar a exposição a grande maioria dos alérgenos ambientais, como os ácaros, pólen e fungos, mas a aplicação de algumas medidas higiênicas podem reduzir esta exposição.

Tome remédios que agem sobre os sintomas, como os anti-histamínicos, broncodilatadores, anti-inflamatórios ou inaladores. Deve-se considerar que o efeito benéfico desaparece após a retirada do tratamento e que alguns destes medicamentos podem ter efeitos secundários indesejáveis sobre a saúde do paciente.

A imunoterapia dessensibilizante é considerada o tratamento mais completo da alergia respiratória e se consegue através das vacinas antialérgicas. A inmunoterapia específica permite alcançar uma tolerância imunológica depois de um tratamento prolongado, que sempre deve realizar-se sob o controle de um especialista.

0/5 (0 Reviews)
Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Osmar da Costa Junior

Sou formado em medicina pela USP no ano de 2012. Atuo na área de estudo e orientação inicial de doentes; Coordenação de exames de saúde regular; Diagnóstico e tratamento de grande parte das doenças de adultos; Acompanhamento e tratamento de doentes crônicos; Orientação de pacientes que apresentam quadros complexos, com patologias raras e múltiplas, juntamente com a participação de outros especialistas, quando for necessário; Integração final de dados clínicos e exames complementares, decorrentes da observação dos pacientes por outro especialista. Atualmente sou Clinico Geral residente no Hospital Regional de Cotia e Editor no site "Dicas de Saúde" onde tenho participação com comentários, e criação de artigos relacionados a saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *