Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Dicas de Saúde Doenças e Tratamentos

Cardiopatia – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

Cardiopatia – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos e muito mais é o que você vai aprender a partir de agora, então continue conosco e desvende tudo sobre o Cardiopatia, doença essa que mata mais brasileiros a cada dia. Além disso, a Cardiopatia é uma doença crônica do coração, que possui causas variadas e que pode incapacitar progressivamente a vida pessoal e profissional de seu portador, podendo até mesmo levá-lo à morte. A doença se desenvolve quando o coração adoece a ponto de perder sua capacidade funcional.

Por infringir grandes desgastes físicos e emocionais ao paciente, a doença foi alvo do Projeto de Lei 6883/10, que se propunha a modificar a Lei Orgânica da Assistência Social (Lei 8.742/93) e conceder um salário mínimo mensal aos portadores de Cardiopatia grave com renda familiar per capita inferior a 1/4 do salário mínimo. Apesar da importância da proposta, ela foi arquivada no Congresso Nacional.

O que é Cardiopatia: A doença cardíaca congênita (Cardiopatia congênita) é uma alteração na estrutura do seu coração presente antes mesmo do nascimento. É um termo genérico utilizado para descrever alterações do coração e dos grandes vasos, presentes ao nascimento. Essas alterações ocorrem enquanto o feto está se desenvolvendo no útero e pode afetar cerca de 1 em cada 100 crianças, segundo dados da American Heart Association. É a alteração congênita mais comum e uma das principais causas de óbito relacionados a malformações congênitas.

Segundo dados da sociedade brasileira de cardiologia no Brasil nascem em torno de 23 mil crianças com problemas cardíacos. Dessas em torno de 80% necessitarão de alguma cirurgia cardíaca durante a sua evolução. A Cardiopatias congênita podem produzir sintomas no nascimento, durante a infância, ou estão só na idade adulta. Em alguns casos, a Cardiopatia congênita não causa sintomas.

Tipos de Cardiopatia: O termo Cardiopatia abrange todas as doenças que acometem o coração. Alguns dos tipos comuns de Cardiopatia são os seguintes:

  • Cardiopatia congênita: são os defeitos cardíacos presentes desde o nascimento. Nos casos mais graves costuma ser percebida logo que o bebê nasce; nos casos menos graves pode ser diagnosticada quando a pessoa já está na idade adulta.
  • Doenças no miocárdio: são defeitos no músculo do coração. Em muitos casos, o órgão não consegue bombear o sangue adequadamente.
  • Infecção no coração: são causadas quando bactérias, vírus, fungos ou parasitas alcançam o músculo cardíaco.
  • Cardiopatia de válvulas: o coração tem quatro válvulas que abrem e fecham para permitir o fluxo de sangue no órgão. Uma variedade de fatores podem danificar as válvulas, causando a doença.
  • Cardiopatia hipertensiva: é uma consequência da pressão arterial alta, que pode sobrecarregar o coração e os vasos sanguíneos e causar a doença.
  • Cardiopatia isquêmica: causada pelo estreitamento das artérias do coração pela acumulação de gordura, o que leva à diminuição da oferta de sangue para o órgão. A doença pode gerar anginas (dor no peito) ou, nos casos agudos, infarto.

Diagnóstico da Cardiopatia: Para diagnosticar a doença, é preciso fazer uma avaliação da capacidade funcional do coração do indivíduo. Além de se estudar a história clínica dele, o médico precisa realizar alguns exames. São eles: clínico, eletrocardiograma em repouso, eletrocardiografia dinâmica, teste ergométrico, ecocardiograma em repouso e ecocardiograma associado a esforço ou procedimentos farmacológicos. Além disto, o especialista também pode requerer um estudo radiológico do tórax, cintilografia miocárdica e cinecoronarioventriculografia. De nome complicado, este último exame realiza uma avaliação do padrão evolutivo coronário.

Causas da Cardiopatia: O coração é dividido em quatro câmaras – duas do lado direito e duas do lado esquerdo. No desempenho de sua tarefa básica – bombear sangue por todo o corpo – o coração usa seus lados esquerdo e direito para diferentes tarefas.

O lado direito do coração, recebe o sangue venoso rico em gás carbônico, proveniente dos tecidos, e será transportado para os pulmões através das artérias pulmonares. Nos pulmões, ocorrerá a hematose que é o processo em que o gás carbônico será trocado por oxigênio , e em seguida, este sangue rico em oxigênio retornará para o lado esquerdo do coração através das veias pulmonares. O lado esquerdo do coração bombeia o sangue através da aorta para o resto do corpo para que as células possam utilizar o oxigênio como combustível para o seu funcionamento.

A maioria das alterações cardíacas ocorre quando o bebê ainda está no útero. Durante o primeiro mês de gestação, o coração do feto começa a bater. Nesta altura, o coração é apenas um tubo com um formato que lembra vagamente um coração. Logo as estruturas se formam em ambos os lados do órgão, bem como os vasos sanguíneos que transportam o sangue. Geralmente é neste momento no desenvolvimento de um bebê que as alterações cardíacas podem começar a desenvolver. Não se sabe ao certo o que causa a Cardiopatia congênita, mas há suspeita de algumas condições:

  • As alterações genéticas ou cromossômicas na criança, como a síndrome de Down, que leva a uma incidência 8 x maior de desenvolver alguma Cardiopatia
  • Uso de certos medicamentos, álcool ou drogas durante a gravidez
  • Infecção viral materna, como rubéola, no primeiro trimestre de gravidez
  • O risco de ter uma criança com doença cardíaca congênita pode dobrar se um pai ou um irmão tem uma alteração cardíaca congênita.

Sintomas da Cardiopatia: Há inúmeros tipos de Cardiopatia congênita e cada uma se manifesta de uma forma. Algumas Cardiopatias congênitas mais simples não levam necessariamente a sintomas, mas a doença é diagnosticada pela presença de um sopro identificado pelo Pediatra. Em casos mais graves, o bebê nasce com uma cor azulada da pele e mucosas (chamada de cianose). Outros pacientes podem apresentar cansaço às mamadas ou aos esforços, ganho de peso deficiente, bronquites e ou pneumonias de repetição. Outras vezes, o paciente pode referir que o coração tropeça ou dispara subitamente denotando a presença de arritmias, que são alterações dos batimentos cardíacos.

Tratamentos para a Cardiopatia: Embora haja uma longa lista de possíveis causas para Cardiopatia, poucos são diretamente tratável ou curável. Portanto, a maioria terapia é dirigida para tratar os efeitos da doença no coração. Se Cardiopatia é diagnosticado em um estágio avançado, um paciente criticamente doente vai exigir medidas de salva-vidas imediatas, como a colocação de um tubo de respiração e administração de medicamentos para melhorar a função cardíaca e pressão arterial. Assim que o paciente estiver estabilizado, precisa de terapia de longo prazo, tais como medicação oral, pacemakers , cirurgia ou transplante cardíaco, serão identificados.

Tratamentos iniciais para Cardiopatia para pacientes diagnosticados nos estágios iniciais de Cardiopatia incluem a terapia de droga para aliviar a insuficiência cardíaca, para diminuir as necessidades de oxigênio e carga de trabalho do coração (por relaxar as artérias do corpo), e para regular batimentos cardíacos anormais. Drogas que ajudam o coração contrair incluem a digoxina para uso em casa e dopamina, dobutamina e milrinona para uso hospitalar.

Diuréticos ajudar a aliviar a sobrecarga de fluidos na insuficiência cardíaca. Vasodilatadores, inibidores da ECA e betabloqueadores dilatar os vasos sanguíneos do corpo e pressão arterial mais baixa, reduzindo assim a carga de trabalho do coração. Para os pacientes em risco de desenvolver coágulos de sangue, medicamentos anticoagulantes ou anticoagulantes como heparina ou coumadin são prescritos juntamente com diuréticos, como Lasix e aldactone para aliviar a congestão venosa. Estas drogas podem resultar em efeitos colaterais, de modo que o paciente tem de ser cuidadosamente monitorizado para evitar complicações.

Quando os medicamentos não são eficazes contra a Cardiopatia ou quando arritmias exigir uma regulamentação, um marca-passo ou um desfibrilador pode ser implantado cirurgicamente no paciente. Os procedimentos para a implantação de ambos os dispositivos envolve a colocação de um pequeno dispositivo mecânico sob a pele do peito ou abdômen com fios condutores introduzido através de veias no coração. Um pacemaker é utilizado para monitorar e estabilizar os batimentos cardíacos lentos, enquanto um desfibrilador (“uma sala de emergência no coração”) detecta e trata ritmos cardíacos rápidos e potencialmente letal. Desde a morte súbita pode ocorrer em pacientes com Cardiopatia, desfibriladores são frequentemente recomendada para pessoas que mostram evidência de arritmias.

Para sintomas de insuficiência cardíaca associados à diminuição do fluxo sanguíneo dos ventrículos, septal miomectomia , que é considerada a cirurgia de coração grande, às vezes é recomendado. Este procedimento envolve a remoção cirúrgica da parte do músculo do septo espessado que bloqueia o fluxo de sangue. Em alguns casos de Cardiopatia, a válvula mitral é substituída por uma válvula artificial. No entanto, o procedimento não prevenir a morte súbita devido a ouvir arritmias nem parar a progressão da doença.

Desde Cardiopatia muitas vezes torna-se progressivamente pior, o coração pode chegar a um estado em que já não responde à medicação ou a cirurgia. O tratamento de “último recurso” é um transplante de coração, quando o paciente apresenta sintomas de insuficiência cardíaca grave. Um transplante pode curar os sintomas de insuficiência cardíaca, mas a cirurgia traz riscos significativos, tais como infecção, rejeição de órgãos, e os efeitos colaterais dos medicamentos necessários.

Existem procedimentos cirúrgicos que podem ser implementadas para sustentar a vida, até que um doador de transplante se torna disponível. Esquerda Dispositivo de Assistência Ventricular (DAV) fornece suporte circulatório mecânico, enquanto que a Cardiopatia dinâmica é um procedimento pelo qual um retalho músculo-esquelético, criado a partir de músculo do peito de um paciente, é ensinado primeiro a contrato e, em seguida, é enrolado em torno do coração para ajudar na contração.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.