As 5 Principais Causas da Vaginose Bacteriana

Revisado por

Nutrição - CRN6-MA 16199

As 5 Principais Causas da Vaginose Bacteriana são bem comuns, mas podem ser evitadas. Além disso, a Vaginose Bacteriana pode ser confundida com uma DST, no entanto a Vaginose Bacteriana pode ser obtida sem haver uma contaminação.Causas da Vaginose Bacteriana

O que é Vaginose Bacteriana: A Vaginose Bacteriana é uma alteração na flora vaginal normal, com diminuição na concentração de lactobacilos e predomínio de uma espécie de bactérias sobre outras, principalmente da Gardnerella vaginalis. Por ter uma causa orgânica, a Vaginose Bacteriana não é considerada uma DST. Nas mulheres, a Vaginose Bacteriana é causada pelo aumento da quantidade da bactéria Gardnerella vaginalis na vagina e nem sempre apresenta sintomas, e seu tratamento é feito com o uso de antibióticos.

Principais Causas da Vaginose Bacteriana: A vagina é um órgão naturalmente habitado por diversas bactérias, algumas “boas”, algumas “ruins”. Os lactobacilos são as bactérias “boas” e encontram-se normalmente em maior quantidade (cerca de 95% da população), impedindo o crescimento de bactérias potencialmente causadoras de doenças através do controle do pH vaginal e da competição por alimentos.

A Vaginose Bacteriana ocorre quando há uma ruptura deste equilíbrio, acarretando em uma diminuição dos lactobacilos e um crescimento da flora “ruim” que pode ser composta por diversas bactérias, entre elas: Gardnerella vaginalis, Prevotella, Porphyromonas, Bacteroides, Peptostreptococcus, Mycoplasma hominis, Ureaplasma urealyticum, Mobiluncus, Fusobacterium e Atopobium vagina.

De todas essas bactérias, a Gardnerella vaginalis parece ser o micro-organismo mais característico da vaginose, estando presente em mais de 96% dos casos. Não sabemos ainda muito bem o que leva a essa desregulação da flora bacteriana natural da vagina, mas As 5 Principais Causas da Vaginose Bacteriana são conhecidas, confira:

  • Múltiplos parceiros sexuais.
  • Realizar ducha vaginal com frequência.
  • Fumar.
  • Uso recente de antibióticos.
  • Uso de DIU.

A Vaginose Bacteriana é uma doença típica de mulheres em idade fértil; não sabemos o porquê, mas é mais comum em mulheres afrodescendentes. A classificação da Vaginose Bacteriana como uma doença sexualmente transmissível (DST) não é atualmente aceita, apesar de ser ainda controversa. A favor da classificação da Vaginose Bacteriana como DST pesa o fato da promiscuidade ser um dos fatores de risco para o seu desenvolvimento. Outro dado positivo é o fato do uso da camisinha diminuir a incidência desta infecção. Por outro lado, mesmo mulheres virgens ou sem relação sexual recente podem desenvolver Vaginose Bacteriana.

Sintomas da Vaginose Bacteriana: Outra dúvida frequente é confundira Vaginose Bacteriana com a vaginite, que é uma inflamação. Diferente da vaginite, a vaginose não costuma ser acompanhada de ardor. O principal sintoma da Vaginose Bacteriana é, sem dúvida, o mau cheiro na vagina – semelhante a peixe podre – que se acentua após as relações sexuais sem proteção e durante a menstruação. Isso acontece porque o sêmen e o sangue são alcalinos e aumentam o pH da vagina, liberando substâncias com odor fétido. Como nem sempre o corrimento vaginal está presente, se a mulher notar esse odor é importante que procure o ginecologista, pois isso pode indicar Vaginose Bacteriana.

Vaginose BacterianaTratamento da Vaginose Bacteriana: Acredita-se que o leite acidófilo e probióticos de Lactobacillus podem ajudar no tratamento da Vaginose Bacteriana. Os tabletes de probióticos contém bactérias produtoras de ácido láctico, que produzem um pH ideal para tentar balancear o ambiente vaginal. Embora esses tabletes sejam usados por via oral, eles também existem na forma de supositórios vaginais.

Para tratar a Vaginose Bacteriana a recomendação é inserir uma pílula vaginal de probióticos a noite, antes de dormir. Não use mais do que uma pílula por noite, sob risco de causar irritação local. O odor desagradável deve desaparecer após algumas dosagens. Repita por seis a 12 noites, até que a Vaginose Bacteriana desapareça por completo. Se a infecção não desaparecer em alguns dias, volte a procurar atendimento médico.

Dicas Para Prevenir a Vaginose Bacteriana: A seguir confira alguns cuidados gerais importantes para prevenir a Vaginose Bacteriana:

  • Evite duchas vaginais;
  • Não utilize perfumes na vulva;
  • Evite roupas justas, de material sintético;
  • Acostume-se a dormir sem calcinha, pois a vagina precisa “respirar”;
  • Não utilize sabonetes comuns, que têm pH diferente, para limpar a região genital. Opte por sabonetes íntimos;
  • Procure não usar calcinhas estilo fio dental, pois elas promovem um contato quase direto entre a região anal e genital, facilitando a proliferação de bactérias.
0/5 (0 Reviews)
Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

INFORMAÇÃO DO AUTOR: Ana Karolynne Goncalve

Sou graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal do Maranhão(UFMA), CRN6-MA 16199, com Mestrado na área da Nutrição Clínica com relação ao metabolismo, prática e terapia nutricional, realizado também na Universidade Federal do Maranhão(UFMA), Atualmente trabalho no campo de pesquisa sobre a Qualidade e Inovação em Alimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

Os 10 Principais Sintomas de Colesterol Alto

Os 10 Principais Sintomas da Ansiedade