Dicas de Saúde Doenças

Alergia Dermatológica – O que é, Causas e Sintomas

Alergia Dermatológica –  O que é, Causas e Sintomas

Revisado por

Nutrição - CRN6-MA 16199

Especialista do Dicas de Saúde

Alergia Dermatológica –  O que é, Causas e Sintomas são informações essenciais para que sofre com a Alergia Dermatológica ou Alergias cutâneas, condição essa que afeta muitas pessoas e pode ser muito perigosa, pois pode levar até a morte. Além disso, as Alergias cutâneas podem ser causadas por diversos motivos. Saiba mais!

A Alergia Dermatológica atacam a pele podem ser caracterizadas, em geral, como lesões superficiais causadas pela hipersensibilidade (atopia) do paciente. São diversos motivos que provocam o quadro alérgico, como consumo de alimentos, picadas de insetos, uso de cosméticos ou até mesmo o calor excessivo.

Dentre as mais comuns temos a dermatite atópica, uma doença muito mais comum na infância e que está relacionada à hipersensibilidade à poeira domiciliar e ácaros, por exemplo, com localização preferencial em dobras de braços, pernas e pescoço.

Temos também com frequência a urticária, que é uma forma generalizada na pele de reação alérgica a alimentos, medicamentos e elementos químicos e/ou físicos, que pode se agravar e atacar outros órgãos, como a glote (edema de glote) e o pulmão (broncoespasmo e dispneia).

Por ultimo, temos os eczemas de contato, que são reações geralmente localizadas ao contato e ao local que a pele esteve exposta a determinados elementos como metais e esmaltes. Confira quais são os principais agentes causadores da Alergia Dermatológica e seus possíveis tratamentos!

Dermatite de Contato

É um tipo especial de Alergia Dermatológica que não é medida por anticorpos, como as Alergias de pele mais comuns (urticárias e dermatites atópicas, por exemplo). A dermatite de contato é uma Alergia que necessita de uma primeira exposição ao antígeno e na reexposição às reações irritativas, os sintomas vão se tornando mais intensos, extensos e profundos podendo chegar a reações do tipo de queimadura de primeiro até terceiro grau com forma de bolhas.

Brincos

Grande parte das mulheres não fica sem usar brincos, por menor e mais delicado que seja. O problema é que os tamanhos e materiais destes acessórios vão mudando muito, especialmente depois da adolescência.

Alguns problemas podem ocorrer especialmente nas Alergias Dermatológicas, que sabem reconhecer melhor do que qualquer joalheiro se um brinco é ou não de ouro, pois a pele de suas orelhas fica vermelha e irritada, descamando, até rachada, a qualquer contato mais prolongado com brincos, ainda mais aqueles à base de níquel. Sendo eu este é o metal que mais causa Alergia Dermatológica. Cromo e cobalto também são capazes de sensibilizar, mas a maioria das bijuterias contém ligas de níquel.

Conforme explica a profissional, para esse problema, os especialistas recomendam usar cremes com silicone e corticoides antes de colocar o brinco, pois assim será possível usá-lo por todo o dia sem irritar a pele, tomando-se cuidado de não dormir com o adereço. Estes mesmos cremes servem para acalmar a pele irritada.

Sutiã Apertado

Após longos períodos de uso de uma peça apertada seja nas alças ou na parte de reforço sob as mamas, ao se retirar a peça, visualizam-se vincos avermelhados, que coçam e podem ser doloridos e sensíveis. Se este uso é crônico, o local dos vincos torna-se permanentemente escuro e marcado, e estas marcas só desaparecem após muito tempo de descanso. A utilização de hidratantes regeneradores pode amenizar e encurtar o processo de recuperação, contudo, o mais indicado é que se use modelos diferentes, para não apertarem sempre no mesmo ponto, e ficar atenta ao conforto e acabamento da lingerie.

Piercing

Não é difícil que os piercings de níquel ou cromados causem Alergia Dermatológica caracterizadas por vermelhidão, inchaço e inflamação, podendo inclusive evoluir para infecções que resultam em cicatrizes. Para quem insiste em usá-los, é recomendado que se use materiais nobres como ouro, ouro branco ou platina, ou pelo menos bijuterias mais finas banhadas a ouro ou feitas em prata pura.

As Alergias Dermatológicas de pele geralmente são confirmadas pelos dermatologistas, que, ao verem o histórico, evolução e tipo de lesão, encaminham para tratamento com o alergista para determinação da causa e afastamento, quando possível, desse alérgeno.

As partes do corpo mais delicadas e sensíveis aos piercings são mamilos, face, nariz, língua e lábios (sendo que nestes dois últimos os transtornos ocorrem em quase todos os casos, uma vez que a contaminação é mais fácil e traumatismo acontece de forma constante).

No umbigo, como há transpiração frequente, as Alergias são comuns (facilitadas pela umidade), caso os materiais não sejam nobres. Deve-se ter em mente que ao mudar de ideia e retirá-los, uma cicatriz pode permanecer, ainda que o dermatologista possa atenuá-la.

As bijuterias são feitas a partir de metais menos nobres, como níquel, que é o segundo mais frequente contactante. Infelizmente, ao se descobrir alérgico a essa substância, o paciente só tem uma alternativa: usar ouro ou prata 100% – que são materiais caros.

Alergia Solar

Uma patologia que tem se mostrado mais frequente nestes últimos vinte anos é a Alergia solar, mais não se sabe ao certo o porquê do maior número de casos. Conjectura-se que isso possa estar ligado à destruição da camada de ozônio na atmosfera, que age como um filtro solar natural. O aumento da exposição ao sol em praias e piscinas certamente é um fator determinante.

Esse tipo de Alergia caracteriza-se por aparecimento de pápulas (espécie de bolinhas) discretas e pele mais grosseira, ondulada e pruriginosa. Geralmente acomete os braços, os ombros, o colo e a parte superior das costas. Contudo, no caso da pessoa tomar sol deitada, a erupção acomete também o abdômen e a parte anterior das coxas.

Ela vem, preferencialmente, nos primeiros dias de banho de sol, quando a pele ainda está clara, com pouca melanina, o que quer dizer, pouca proteção natural à radiação. À medida que a pele adquire certo bronzeado, a melanina produzida age como um filtro solar natural, ocorrendo então a melhora do quadro.

Conforme ainda explica a profissional, o que de fato ocorre é que o organismo humano, sendo atingido pela radiação solar após significativo período de não exposição, interpreta os raios UVA e UVB como agentes agressores e sua interação nas células cutâneas é vista como um indiscutível dano.

Os mecanismos imunológicos mediadores de nossas reações de defesa são acionados, assim como são mobilizadas as células responsáveis por nossa defesa. Em poucas horas já pode ser visível a reação cutânea, com algumas semelhanças com outros tipos de Alergias.

Para evitar essas crises alérgicas que se tornam tão desagradáveis, uma vez que comprometem um pouco a tranquilidade das férias, é aconselhável que haja o aumento do fator de proteção do filtro solar, até adquirir bronzeado. Essa Alergia é particularmente frequente quando a pele ainda não atingiu um bronzeado capaz de protegê-la naturalmente.

Dessa forma, os dermatologistas, muitas vezes, costumam prescrever filtros associados a substâncias antialérgicas. É possível usar um creme de corticoide suave, antes de ir à praia ou piscina, juntamente com o filtro solar.

Se mesmo com essas medidas a erupção aparecer, é preciso continuar utilizando o creme de corticoide suave nas áreas afetadas, até o desaparecimento das lesões. Segundo a dermatologista, em alguns casos, é necessário o uso de anti-histamínico via oral, um comprimido tomado pela manhã, antes da exposição solar.

Cosméticos

Perfumes, essências ou qualquer outro elemento químico é potencialmente um alérgeno, ou seja, pode atacar a pele e até mesmo o aparelho respiratório. Quando ocorre Alergias a produtos estéticos, elas podem se tornar irritantes, causando reações de prurido (coceira), eritema (vermelhidão) ou edema (inchaço) na pele das pessoas que adquirem ou herdam a capacidade de se sensibilizarem com esse determinado elemento. A chave da Alergia é reconhecer o que te faz mal e tentar afastar ou minimizar sua reação ao elemento, quando possível.

Protetor Solar

A reação a produtos cosméticos podem ser a qualquer dos elementos de sua composição. Como corantes, perfumes e o próprio elemento de proteção solar. Existem testes cutâneos que podem determinar com alguma exatidão qual o elemento a que o paciente tem realmente Alergia. E tentar com o dermatologista formular um protetor sem esse elemento.

Assim, existem no mercado de cosméticos opções de esmaltes e cremes, por exemplo, com a designação hipoalergênicos. Isto é, produtos com elementos com menor poder de causar Alergia, mas que não garanta a falta de reação alérgica. A experimentação e/ou a testagem prévia ao uso é a única forma de se ter certeza que é seguro seu uso. Os protetores adicionalmente têm a qualidade de certos elementos químicos que se modificam ao sol. E podem, na exposição solar, se tornarem sensibilizantes de contato.

Alergia ao Calor

Você conhece alguém que já enfrentou problemas de pele devido ao calor ou frio? Essas reações alérgicas do organismo a determinadas temperaturas podem ser frequentes e são chamadas de urticária ao calor ou urticária ao frio. Ambas são relativamente comuns e existem tratamentos para minimizar o efeito desse tipo de exposição a extremos de temperatura, havendo até a recuperação da higidez da pele.

Fique Atento aos Sintomas

O sintoma as Alergias de pele que acontece com mais frequência é a coceira, podendo se estender e alastrar pelo próprio ato de coçar, mas pode evoluir para edema, vermelhidão e até mesmo feridas (dependendo da intensidade de Alergia e da reação do paciente à substância).

O principal tratamento é conhecer o antígeno, para poder afastá-lo mais rápido possível, minimizando os danos a pele. Além disso, também é preciso usar medicamentos antialérgicos e anti-inflamatórios para retornar a boa saúde da pele – lembrando que a pele tem seu tempo de recomposição e possui pelos e glândulas sebáceas e sudoríparas que possuem tempo de regeneração diferente entre si.

Uma das Alergias que atacam pele é conhecida como fitofotodermatite, caracterizada por ser a reação ao se expor a elementos de plantas (bergamota das frutas cítricas, por exemplo). Quando essas substâncias entram em contato com o sol, podem provocar lesões bastante graves na pele, como queimaduras.

Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.