Scroll Top

Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Como Conquistar o homem dos seus Sonhos

Dicas de Saúde Doenças Doenças e Tratamentos Sintomas

Vaginose Bacteriana – O que é, Sintomas e Tratamentos

Vaginose Bacteriana – O que é, Sintomas e Tratamentos com medicamentos. Além disso, a Vaginose Bacteriana é um tipo de inflamação vaginal causada pelo crescimento excessivo de bactérias naturalmente encontradas na vagina, o que altera o equilíbrio natural. As mulheres em seus anos reprodutivos são mais propensas a ter Vaginose Bacteriana, mas podem afetar mulheres de qualquer idade. A causa não é completamente compreendida, mas certas atividades, como sexo desprotegido ou duplicação freqüente, aumentam seu risco. Estudos recentes sugerem que a Vaginose Bacteriana pode estar relacionada à ocorrência de partos prematuros.

Durante a gravidez é normal que haja aumento da secreção vaginal, entretanto, se a grávida notar alguma alteração, principalmente no odor, deve comunicar ao médico. “As bactérias patogênicas existentes no trato genital podem acabar colonizando os tecidos que correspondem, por exemplo, à bolsa d’água. Essa infecção promove a produção de substâncias pró-inflamatórias que podem desencadear tanto as contrações quanto a ruptura da bolsa d’água”, finaliza.

Causas da Vaginose Bacteriana: A Vaginose Bacteriana resulta no crescimento excessivo de uma das várias bactérias naturalmente encontradas na vagina. Normalmente, bactérias “boas” (lactobacilos) são mais numerosas que bactérias “ruins” (anaeróbios). Mas, se existem muitas bactérias anaeróbicas, eles perturbam o equilíbrio natural de micro-organismos na vagina e causam Vaginose Bacteriana.

Sintomas da Vaginose Bacteriana: Os sinais e sintomas da Vaginose Bacteriana podem incluir:

  • Descarga vaginal fina, cinza, branca ou verde
  • Odor vaginal “suspeito”
  • Comichão vaginal
  • Queimando durante a micção

Muitas mulheres com Vaginose Bacteriana não apresentam sinais ou sintomas.

Fatores de Risco da Vaginose Bacteriana: Os fatores de risco para a Vaginose Bacteriana incluem:

  • Ter múltiplos parceiros sexuais ou um novo parceiro sexual. Os médicos não entendem completamente o vínculo entre a atividade sexual e a Vaginose Bacteriana, mas a condição ocorre mais frequentemente em mulheres que têm múltiplos parceiros sexuais ou um novo parceiro sexual. A Vaginose Bacteriana também ocorre com maior freqüência em mulheres que fazem sexo com mulheres.
  • Ducha. A prática de enxaguar a vagina com água ou um agente de limpeza (duplicação) perturba o equilíbrio natural da sua vagina. Isso pode levar a um crescimento excessivo de bactérias anaeróbicas e causar Vaginose Bacteriana. Uma vez que a vagina é autolimpante, a administração de duchas não é necessária.
  • Falta natural de bactéria lacto bacilosa. Se o seu ambiente vaginal natural não produz o suficiente da boa bactéria lacto bacilosa, é mais provável que você desenvolva Vaginose Bacteriana.

Complicações da Vaginose Bacteriana: A Vaginose Bacteriana geralmente não causa complicações. Às vezes, ter Vaginose Bacteriana pode levar a:

  • Nascimento prematuro. Em mulheres grávidas, a Vaginose Bacteriana está ligada a partos prematuros e bebês de baixo peso ao nascer.
  • Infecções sexualmente transmissíveis. A Vaginose Bacteriana torna as mulheres mais suscetíveis a infecções sexualmente transmissíveis, como HIV, vírus do herpes simples, clamídia ou gonorreia. Se você tem HIV, a Vaginose Bacteriana aumenta as chances de você passar o vírus para o seu parceiro.
  • Risco de infecção após cirurgia ginecológica. Ter Vaginose Bacteriana pode aumentar o risco de desenvolver uma infecção pós-cirúrgica após procedimentos como histerectomia ou dilatação e curetagem (D & C).
  • Doença inflamatória pélvica (PID). A Vaginose Bacteriana às vezes pode causar PID, uma infecção do útero e das trompas de falópio que podem aumentar o risco de infertilidade.

Quando Consultar um Médico: Faça uma consulta para consultar seu médico se:

  • Você tem uma descarga vaginal nova e associada a um odor ou febre. Seu médico pode ajudar a determinar a causa e identificar sinais e sintomas.
  • Você já teve infecções vaginais antes, mas a cor e consistência da sua alta parece diferente desta vez.
  • Você tem vários parceiros sexuais ou um novo parceiro recente. Às vezes, os sinais e sintomas de uma infecção sexualmente transmissível são semelhantes aos da Vaginose Bacteriana.
  • Você tenta auto-tratamento para uma infecção por fermento com um tratamento de venda livre e seus sintomas persistem.

Diagnóstico da Vaginose Bacteriana: Para diagnosticar a Vaginose Bacteriana, o seu médico pode:

  • Faça perguntas sobre seu histórico médico. O seu médico pode perguntar sobre quaisquer infecções vaginais anteriores ou infecções sexualmente transmissíveis.
  • Faça um exame pélvico. Durante um exame pélvico, o seu médico examina visualmente sua vagina quanto a sinais de infecção e insere dois dedos na vagina enquanto pressiona o abdômen com a outra mão para verificar seus órgãos pélvicos quanto a sinais que possam indicar doença.
  • Tome uma amostra de secreções vaginais. Isso pode ser feito para verificar o crescimento excessivo de bactérias anaeróbicas em sua flora vaginal. O seu médico pode examinar as secreções vaginais sob um microscópio, procurando “células-chave”, células vaginais cobertas com bactérias que são um sinal de Vaginose Bacteriana.
  • Teste seu pH vaginal. O seu médico pode verificar a acidez da sua vagina colocando uma tira de teste de pH na vagina. Um pH vaginal de 4,5 ou superior é um sinal de Vaginose Bacteriana.

Tratamentos da Vaginose Bacteriana: Para trata a Vaginose Bacteriana, o seu médico pode prescrever um dos seguintes medicamentos:

  • Metronidazol. Este medicamento pode ser tomado como um comprimido por via oral (oral). O metronidazol também está disponível como um gel tópico que você insere na vagina. Para reduzir o risco de dor no estômago, dor abdominal ou náuseas durante o uso deste medicamento, evite o álcool durante o tratamento e pelo menos um dia após o término do tratamento – verifique as instruções sobre o produto.
  • Clindamicina. Este medicamento está disponível como um creme que você insere em sua vagina. O creme de Clindamicina pode enfraquecer os preservativos de látex durante o tratamento e, pelo menos, três dias depois de parar de usar o creme.
  • Tinidazol. Este medicamento é tomado por via oral. Tinidazol tem o mesmo potencial de dor no estômago e náuseas como o metronidazol oral, evite o álcool durante o tratamento e pelo menos um dia após o término do tratamento. Geralmente não é necessário tratar o parceiro sexual de uma mulher infectada, mas a Vaginose Bacteriana pode se espalhar entre parceiros sexuais femininos. As parceiras devem procurar testes e podem precisar de tratamento. É especialmente importante para as mulheres grávidas com sintomas a serem tratados para ajudar a diminuir o risco de parto prematuro ou baixo peso ao nascer.

Tome seu remédio ou use o creme ou o gel enquanto o seu médico o prescreve – mesmo que seus sintomas desapareçam. Parar o tratamento precocemente pode aumentar o risco de recorrência.

Recorrência: É comum que a Vaginose Bacteriana se repita dentro de três a 12 meses, apesar do tratamento. Os pesquisadores estão explorando tratamentos para Vaginose Bacteriana recorrente. Se seus sintomas se repetem logo após o tratamento, fale com o seu médico sobre os tratamentos. Uma opção pode ser prolongada – use a terapia com metronidazol.

Uma abordagem de auto-ajuda é a terapia de colonização de lactobacillus – que tenta aumentar o número de bactérias boas na vagina e restabelecer um ambiente vaginal equilibrado – possivelmente realizado comendo certos tipos de iogurte ou outros alimentos contendo lactobacilos. Enquanto as pesquisas atuais mostram que pode haver algum benefício para a terapia probiótica, é necessária mais pesquisa sobre o assunto.

Prevenção da Vaginose Bacteriana: Para ajudar a prevenir a Vaginose Bacteriana:

  • Minimizar a irritação vaginal. Use sabonetes suaves e não desodorantes e tampões ou almofadas sem perfume.
  • Não duche. Sua vagina não requer limpeza além do banho normal. a ducha frequente interrompe o equilíbrio vaginal e pode aumentar o risco de infecção vaginal. Uma ducha não esclarecerá uma infecção vaginal.
  • Evite uma infecção sexualmente transmissível. Use um preservativo de látex masculino, limite seu número de parceiros sexuais ou abstenha-se de relações sexuais para minimizar seu risco de uma infecção sexualmente transmissível.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.