Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Dicas de Saúde Doenças Doenças e Tratamentos Sintomas

Alzheimer – O que é, Sintomas, Causas e Tratamentos

Alzheimer – O que é, Sintomas, Causas e Tratamentos que muitos desconhecem. Além disso, a doença de Alzheimer é uma doença progressiva que destrói a memória e outras funções mentais importantes. Em primeiro lugar, alguém com doença de Alzheimer pode perceber uma confusão leve e dificuldade em lembrar. Eventualmente, as pessoas com a doença podem mesmo esquecer pessoas importantes em suas vidas e sofrer mudanças dramáticas de personalidade. A doença de Alzheimer é a causa mais comum de demência – um grupo de distúrbios cerebrais que causam a perda de habilidades intelectuais e sociais. Na doença de Alzheimer, as células cerebrais degeneram e morrem, causando um declínio constante na memória e na função mental.Os medicamentos atuais para a doença de Alzheimer e estratégias de manejo podem melhorar temporariamente os sintomas. Isso às vezes pode ajudar as pessoas com doença de Alzheimer a maximizar a função e manter a independência por um tempo mais longo. Mas porque não há cura para a doença de Alzheimer, é importante procurar serviços de apoio e aproveitar sua rede de suporte o mais cedo possível.

Causas de Alzheimer: Os cientistas acreditam que, para a maioria das pessoas, a doença de Alzheimer é causada por uma combinação de fatores genéticos, de estilo de vida e ambientais que afetam o cérebro ao longo do tempo. Menos de 5% do tempo, a doença de Alzheimer é causada por mudanças genéticas específicas que praticamente garantem que uma pessoa irá desenvolver a doença.

Embora as causas da doença de Alzheimer ainda não tenham sido totalmente compreendidas, seu efeito no cérebro é claro. A doença de Alzheimer causa danos e mata células cerebrais. Um cérebro afetado pela doença de Alzheimer tem muitas células menos e muitas conexões menos entre as células sobreviventes do que um cérebro saudável.

À medida que mais e mais células cerebrais morrem, Alzheimer leva a encolhimento cerebral significativo. Quando os médicos examinam o tecido cerebral de Alzheimer sob o microscópio, eles vêem dois tipos de anormalidades que são consideradas características da doença:

  • Placas. Esses aglomerados de uma proteína chamada beta-amilóide podem danificar e destruir as células cerebrais de várias maneiras, inclusive interferindo na comunicação célula a célula. Embora a causa final da morte de células cerebrais na doença de Alzheimer não seja conhecida, a coleta de beta-amilóide no exterior das células cerebrais é um suspeito principal.
  • Emaranhados. As células cerebrais dependem de um sistema interno de apoio e transporte para transportar nutrientes e outros materiais essenciais ao longo de suas longas extensões. Este sistema requer a estrutura e o funcionamento normal de uma proteína chamada tau.

Na doença de Alzheimer, os fios da proteína tau se torcem em tangas anormais dentro das células cerebrais, levando a falhas no sistema de transporte. Este fracasso também está fortemente implicado no declínio e morte de células cerebrais.

Sintomas de Alzheimer: Em primeiro lugar, aumentar o esquecimento ou a confusão leve podem ser os únicos sintomas da doença de Alzheimer que você percebe. Mas ao longo do tempo, a doença roubou você mais de sua memória, especialmente as lembranças recentes. A taxa em que os sintomas pioram varia de pessoa para pessoa.

Se você tem doença de Alzheimer, você pode ser o primeiro a notar que está tendo uma dificuldade incomum lembrando coisas e organizando seus pensamentos. Ou você pode não reconhecer que algo está errado, mesmo quando mudanças são visíveis para os membros da sua família, amigos íntimos ou colegas de trabalho. Alterações cerebrais associadas à doença de Alzheimer levam a problemas crescentes com:

Memória: Todos têm lapsos de memória ocasionais. É normal perder o caminho de onde você coloca suas chaves ou esquecer o nome de um conhecido. Mas a perda de memória associada à doença de Alzheimer persiste e piora, afetando a sua capacidade de funcionar no trabalho e em casa. Pessoas com doença de Alzheimer podem:

  • Repita declarações e perguntas repetidamente, sem perceber que eles fizeram a pergunta antes
  • Esquecer conversas, compromissos ou eventos, e não lembrá-los mais tarde
  • Rutinamente misplace bens, muitas vezes colocando-os em locais ilógicos
  • Perder-se em lugares familiares
  • Eventualmente, esquece os nomes dos membros da família e dos objetos do cotidiano
  • Tenha dificuldade em encontrar as palavras certas para identificar objetos, expressar pensamentos ou participar de .conversas

Pensamento e Raciocínio: A doença de Alzheimer causa dificuldade em se concentrar e pensar, especialmente sobre conceitos abstratos como números. A multitarefa é especialmente difícil, e pode ser difícil gerenciar as finanças, equilibrar os talões de cheques e pagar as contas no prazo. Essas dificuldades podem avançar para incapacidade de reconhecer e lidar com números.

Fazendo Julgamentos e Decisões: Responder eficazmente a problemas cotidianos, como a queima de alimentos no fogão ou situações de condução inesperadas, torna-se cada vez mais desafiador.

Planejando e Executando Tarefas Familiares: Uma vez que as atividades de rotina que exigem etapas sequenciais, como planejar e cozinhar uma refeição ou jogar um jogo favorito, se tornem uma luta à medida que a doença avança. Eventualmente, pessoas com Alzheimer avançada podem esquecer como realizar tarefas básicas, como vestir e tomar banho.

Mudanças na Personalidade e Comportamento: Alterações cerebrais que ocorrem na doença de Alzheimer podem afetar a maneira como você age e como se sente. Pessoas com Alzheimer podem experimentar:

  • Depressão
  • Apatia
  • Retraimento social
  • Mudanças de humor
  • Desconfiança nos outros
  • Irritabilidade e agressividade
  • Mudanças nos hábitos de sono
  • Vagando
  • Perda de inibições
  • Delírios, como acreditar que algo foi roubado

Muita habilidades importantes não são perdidas até muito tarde na doença. Estes incluem a capacidade de ler, dançar e cantar, desfrutar de música antiga, participar de artesanatos e passatempos, contar histórias e relembrar. Isso ocorre porque a informação, as habilidades e os hábitos aprendidos no início da vida estão entre as últimas habilidades a serem perdidas à medida que a doença progride; A parte do cérebro que armazena essa informação tende a ser afetada posteriormente no decurso da doença. Capitalizar essas habilidades pode fomentar os sucessos e manter a qualidade de vida mesmo na fase moderada da doença.

Fatores de Risco de Alzheimer: Idade Avançada: Aumentar a idade é o maior fator de risco conhecido para a doença de Alzheimer. A doença de Alzheimer não faz parte do envelhecimento normal, mas seu risco aumenta muito depois de atingir 65 anos de idade. A taxa de demência duplica a cada década após os 60 anos de idade. As pessoas com alterações genéticas raras ligadas à doença de Alzheimer de início precoce começam a sentir sintomas já aos 30 anos.

História Familiar e Genética: Seu risco de desenvolver a doença de Alzheimer parece ser um pouco maior se um parente de primeiro grau – seu pai ou irmão – tiver a doença. Os cientistas identificaram mudanças raras (mutações) em três genes que praticamente garantem a uma pessoa que os herda desenvolverá a doença de Alzheimer. Mas essas mutações representam menos de 5% da doença de Alzheimer.

A maioria dos mecanismos genéticos da doença de Alzheimer entre as famílias permanecem amplamente inexplicadas. Os pesquisadores de genes de risco mais fortes já encontraram até agora apolipoproteína e4 (APoE4), embora nem todos com esse gene continuem a desenvolver a doença de Alzheimer. Outros genes de risco foram identificados, mas não foram confirmados conclusivamente.

Síndrome de Down: Muitas pessoas com síndrome de Down desenvolvem a doença de Alzheimer. Sinais e sintomas da doença de Alzheimer tendem a aparecer 10 a 20 anos antes em pessoas com síndrome de Down do que para a população em geral. Um gene contido no cromossomo extra que causa síndrome de Down aumenta significativamente o risco de doença de Alzheimer.

Sexo: As mulheres parecem ser mais propensas do que os homens a desenvolver a doença de Alzheimer, em parte porque vivem mais.

Comprometimento Cognitivo Leve: As pessoas com comprometimento cognitivo leve (MCI) têm problemas de memória ou outros sintomas de declínio cognitivo que são piores do que o esperado para sua idade, mas não são suficientemente graves para serem diagnosticados como demência.

Aqueles com MCI têm um risco aumentado – mas não uma certeza – de demência em desenvolvimento posterior. Tomar medidas para desenvolver um estilo de vida saudável e as estratégias para compensar a perda de memória nesta fase podem ajudar a atrasar ou prevenir a progressão da demência.

Trauma da Cabeça Passada: As pessoas que sofreram um traumatismo craniano grave parecem ter um maior risco de doença de Alzheimer.

Estilo de Vida e Saúde Cardíaca: Não há fator de estilo de vida que tenha sido definitivamente demonstrado para reduzir seu risco de doença de Alzheimer. No entanto, algumas evidências sugerem que os mesmos fatores que o colocam em risco de doença cardíaca também podem aumentar a chance de você desenvolver a doença de Alzheimer. Exemplos incluem:

  • Falta de exercício
  • Obesidade
  • Fumar ou exposição ao fumo passivo
  • Pressão alta
  • Colesterol alto no sangue
  • Pobreza de diabetes tipo 2 controlada
  • Uma dieta sem frutas e vegetais

Estes fatores de risco também estão ligados à demência vascular, um tipo de demência causada por vasos sanguíneos danificados no cérebro. Trabalhar com sua equipe de cuidados de saúde em um plano para controlar esses fatores ajudará a proteger seu coração – e também pode ajudar a reduzir seu risco de doença de Alzheimer e demência vascular.

Aprendizagem ao Longo da Vida e Engajamento Social: Estudos descobriram uma associação entre o envolvimento vitalício em atividades mentalmente e socialmente estimulantes e um risco reduzido de doença de Alzheimer. Os baixos níveis de educação – menos do que um ensino médio – parecem ser um fator de risco para a doença de Alzheimer.

Complicações de Alzheimer: Perda de memória e linguagem, deficiência de julgamento e outras mudanças cognitivas causadas pela doença de Alzheimer podem complicar o tratamento para outras condições de saúde. Uma pessoa com doença de Alzheimer pode não ser capaz de:

  • Comunique-se que ele ou ela está sofrendo dor – por exemplo, de um problema dentário
  • Relatar sintomas de outra doença
  • Siga um plano de tratamento prescrito
  • Observe ou descreva os efeitos colaterais da medicação

À medida que a doença de Alzheimer avança para os seus últimos estágios, as alterações cerebrais começam a afetar funções físicas, tais como deglutição, equilíbrio e controle intestinal e de bexiga. Esses efeitos podem aumentar a vulnerabilidade a problemas de saúde adicionais, tais como:

  • Inalação de alimentos ou líquidos nos pulmões (aspiração)
  • Pneumonia e outras infecções
  • Quedas
  • Fracturas
  • Escaras
  • Desnutrição ou desidratação

Diagnóstico de Alzheimer: Não há nenhum teste específico hoje que confirme que você tem doença de Alzheimer. Seu médico fará um julgamento sobre se a doença de Alzheimer é a causa mais provável de seus sintomas com base nas informações que você fornece e nos resultados de vários testes que podem ajudar a esclarecer o diagnóstico.

Os médicos podem quase sempre determinar se você tem demência, e eles geralmente podem identificar se a sua demência é devido à doença de Alzheimer. A doença de Alzheimer pode ser diagnosticada com total precisão somente após a morte, quando o exame microscópico do cérebro revela as placas características e os emaranhados. Para ajudar a distinguir a doença de Alzheimer de outras causas de perda de memória, os médicos geralmente dependem dos seguintes tipos de testes.

Exame Físico e Neurológico: O seu médico irá realizar um exame físico e é provável que verifique a sua saúde neurológica global testando o seu:

  • Reflexos
  • Tom e força musculares
  • Capacidade de se levantar de uma cadeira e atravessar a sala
  • Sentido de visão e audição
  • Coordenação
  • Equilibrar

Testes Laboratoriais: Exames de sangue podem ajudar seu médico a excluir outras causas potenciais de perda de memória e confusão, tais como distúrbios da tireoide ou deficiências vitamínicas.

Situação Mental e Testes Neuropsicológicos: O seu médico pode realizar um breve exame de estado mental para avaliar a sua memória e outras habilidades de pensamento. Além disso, seu médico pode sugerir uma avaliação mais ampla do seu pensamento e memória. Formas mais longas de testes neuropsicológicos podem fornecer detalhes adicionais sobre sua função mental em comparação com outros de idade e nível de educação semelhantes.

Imagem Cerebral: As imagens do cérebro agora são usadas principalmente para identificar anormalidades visíveis relacionadas a outras condições além da doença de Alzheimer – como acidentes vasculares cerebrais, traumatismos ou tumores – que podem causar alterações cognitivas. Novas aplicações de imagens – atualmente usadas principalmente em grandes centros médicos ou em ensaios clínicos – podem permitir que os médicos detectem mudanças cerebrais específicas causadas pela doença de Alzheimer. As tecnologias de imagem cerebral incluem:

  • Ressonância magnética (MRI). Uma ressonância magnética usa ondas de rádio e um campo magnético forte para produzir imagens detalhadas do seu cérebro. As ressonâncias magnéticas são usadas para descartar outras condições que podem explicar ou adicionar sintomas cognitivos. Além disso, eles podem ser usados ​​para avaliar se o encolhimento nas regiões cerebrais envolvidas na doença de Alzheimer ocorreu.
  • Tomografia computadorizada (CT). Uma tomografia computadorizada produz imagens transversais (fatias) do seu cérebro. Atualmente, ele é utilizado principalmente para descartar tumores, acidentes vasculares cerebrais e lesões na cabeça.
  • Tomografia por emissão de positrões (PET). Durante uma análise PET, você será injetado em uma veia com um rastreador radioativo de baixo nível. O marcador pode ser uma forma especial de glicose (açúcar) que mostra a atividade geral em várias regiões cerebrais. Isso pode mostrar quais partes do seu cérebro não estão funcionando bem. Novas técnicas de PET são capazes de detectar seu nível cerebral de placas (amilóide) e emaranhados (tau), as duas anormalidades marcantes ligadas à doença de Alzheimer. No entanto, estas novas técnicas de PET são geralmente encontradas em ambientes de pesquisa ou em ensaios clínicos.
  • Líquido cefalorraquidiano. Em circunstâncias especiais, como demência rapidamente progressiva ou demência de início muito jovem, um exame de líquido cefalorraquidiano pode ser realizado. O fluido espinhal pode ser testado para biomarcadores que indicam a probabilidade de doença de Alzheimer.

Futuros Testes de Diagnóstico: Os pesquisadores estão trabalhando com médicos para desenvolver novas ferramentas de diagnóstico para ajudar a diagnosticar definitivamente a doença de Alzheimer. Outro objetivo importante é detectar a doença antes que ela cause os sintomas. Novas ferramentas sob investigação incluem:

  • Abordagens adicionais para imagens cerebrais
  • Testes de habilidades mentais mais sensíveis
  • Medição de proteínas-chave ou padrões de proteína no sangue ou no fluido espinhal (biomarcadores)

Os testes genéticos geralmente não são recomendados para uma avaliação rotineira da doença de Alzheimer. A exceção são as pessoas que têm antecedentes de doença de Alzheimer de início precoce. No entanto, qualquer pessoa com antecedentes familiares de Alzheimer precoce precisa se encontrar com um conselheiro genético para discutir os riscos e os benefícios dos testes genéticos.

Tratamentos de Alzheimer: Os medicamentos atuais contra a doença de Alzheimer podem ajudar por um tempo com sintomas de memória e outras mudanças cognitivas. Atualmente, dois tipos de drogas são usadas para tratar os sintomas cognitivos:

  • Inibidores da colinesterase. Essas drogas funcionam aumentando os níveis de uma comunicação célula a célula fornecendo um neurotransmissor (acetilcolina) que está esgotado no cérebro pela doença de Alzheimer. A melhoria é modesta. Os inibidores da colinesterase podem melhorar os sintomas neuropsiquiátricos, como agitação ou depressão, também. Os inibidores da colinesterase comumente prescritos incluem donepezil (Aricept), galantamina (Razadyne) e rivastigmina (Exelon). Os principais efeitos secundários dessas drogas incluem diarreia, náuseas, perda de apetite e distúrbios do sono. Em pessoas com distúrbios de condução cardíaca, os efeitos colaterais graves podem incluir uma frequência cardíaca lenta e bloqueio cardíaco.
  • Memantine (Namenda). Esta droga funciona em outra rede de comunicação de células cerebrais e retarda a progressão de sintomas com doença de Alzheimer moderada a grave. Às vezes é usado em combinação com um inibidor da colinesterase. Os efeitos colaterais podem incluir constipação, tonturas e dor de cabeça. Às vezes, outros medicamentos, como antidepressivos, são usados ​​para ajudar a controlar os sintomas comportamentais associados à doença de Alzheimer. Mas alguns medicamentos só devem ser usados ​​com grande cautela. Por exemplo, alguns medicamentos comuns para o sono – zolpidem (Ambien), eszopiclone (Lunesta) e outros – podem aumentar a confusão e o risco de quedas. Medicamentos anti-ansiedade – clonazepam (Klonopin) e lorazepam (Ativan) – aumentam o risco de queda, confusão e tonturas. Verifique sempre com seu médico antes de tomar qualquer medicamento novo.

Criando um Ambiente Seguro e Solidário: Adaptar a situação de vida às necessidades de uma pessoa com doença de Alzheimer é uma parte importante de qualquer plano de tratamento. Para alguém com doença de Alzheimer, estabelecer e fortalecer hábitos de rotina e minimizar tarefas exigentes para a memória pode tornar a vida muito mais fácil. Você pode seguir estas etapas para apoiar a sensação de bem-estar e capacidade de atuação de uma pessoa:

  • Mantenha sempre as chaves, carteiras, telefones celulares e outros objetos de valor no mesmo local em casa, para que não se percam.
  • Veja se o seu médico pode simplificar o seu regime de medicação para uma dosagem diária e providencie que suas finanças sejam feitas em pagamento automático e depósito automático.
  • Desenvolva o hábito de transportar um telefone celular com capacidade de localização para que você possa ligar caso você esteja perdido ou confuso e as pessoas possam rastrear sua localização através do telefone. Além disso, programe números de telefone importantes para o seu telefone, então você não precisa tentar recuperá-los.
  • Certifique-se de que os compromissos regulares sejam no mesmo dia, ao mesmo tempo, tanto quanto possível.
  • Use um calendário ou quadro branco na casa para rastrear horários diários. Crie o hábito de verificar os itens concluídos para que você possa ter certeza de que eles foram concluídos.
  • Remova o excesso de móveis, a desordem e os tapetes.
  • Instale robustos corrimãos nas escadas e nos banheiros.
  • Certifique-se de que os sapatos e chinelos sejam confortáveis ​​e proporcionem boa tração.
  • Reduza o número de espelhos. Pessoas com Alzheimer podem encontrar imagens em espelhos confusos ou assustadores.
  • Mantenha fotografias e outros objetos significativos em toda a casa.

Exercício: O exercício regular é uma parte importante do plano de bem-estar de todos – e aqueles com doença de Alzheimer não são exceção. Atividades como uma caminhada diária podem ajudar a melhorar o humor e manter a saúde das articulações, músculos e coração. O exercício também pode promover o sono reparador e prevenir a constipação.

Certifique-se de que a pessoa com doença de Alzheimer carrega a identificação ou usa uma pulseira de alerta médico se ela caminha desacompanhada. Pessoas com Alzheimer que desenvolvem problemas para caminhar ainda podem usar uma bicicleta estacionária ou participar de exercícios de cadeira. Você pode encontrar programas de exercícios voltados para adultos mais velhos na TV ou em DVDs.

Nutrição: Pessoas com Alzheimer podem esquecer de comer, perder o interesse em preparar refeições ou não comer uma combinação saudável de alimentos. Eles também podem esquecer de beber o suficiente, levando a desidratação e constipação. Oferta:

  • Batidos e batidos com alto teor de calorias e saudáveis. Você pode complementar milkshakes com pós de proteína (disponível em supermercados, farmácias e varejistas de desconto) ou use seu liquidificador para fazer smoothies com seus ingredientes favoritos.
  • Água, suco e outras bebidas saudáveis. Tente garantir que uma pessoa com Alzheimer beba pelo menos vários copos cheios de líquidos todos os dias. Evite bebidas com cafeína, o que pode aumentar a inquietação, interferir com o sono e desencadear uma necessidade frequente de urinar.

Certos suplementos nutricionais são comercializados como “alimentos médicos” especificamente para tratar a doença de Alzheimer. A Food and Drug Administration (FDA) não aprova os produtos comercializados como alimentos médicos. Apesar das reivindicações de marketing, não há dados definitivos que mostrem que qualquer desses suplementos é benéfico ou seguro.

Medicina Alternativa: Várias misturas de ervas, vitaminas e outros suplementos são amplamente promovidos como preparativos que podem apoiar a saúde cognitiva ou prevenir ou retardar a doença de Alzheimer. Atualmente, não há evidências fortes de que qualquer uma dessas terapias retarda a progressão do declínio cognitivo. Alguns dos tratamentos que foram estudados recentemente incluem:

  • Ácidos gordurosos de omega-3. Os ácidos graxos ômega-3 nos peixes podem ajudar a prevenir o declínio cognitivo. No entanto, estudos realizados em suplementos de óleo de peixe não demonstraram nenhum benefício.
  • Curcumin. Esta erva provém de açafrão e possui propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes que podem afetar processos químicos no cérebro. Até agora, os ensaios clínicos não encontraram nenhum benefício para o tratamento da doença de Alzheimer.
  • Ginkgo. Ginkgo é um extrato de plantas contendo várias substâncias. Um grande estudo financiado pelo NIH não encontrou nenhum efeito na prevenção ou atraso da doença de Alzheimer.
  • Vitamina E. Embora a vitamina E não seja eficaz para a prevenção da doença de Alzheimer, tomar 2.000 unidades internacionais diárias podem ajudar a atrasar a progressão em pessoas que já possuem a doença. No entanto, os resultados do estudo foram misturados, com apenas alguns mostrando esse benefício. Serão necessárias mais pesquisas sobre a segurança de 2.000 unidades internacionais diárias de vitamina E em uma população de demência antes que ela possa ser rotineiramente recomendada.

Os suplementos promovidos para a saúde cognitiva podem interagir com medicamentos que você está tomando para a doença de Alzheimer ou outras condições de saúde. Trabalhe em estreita colaboração com sua equipe de cuidados de saúde para criar um plano de tratamento adequado para você. Certifique-se de compreender os riscos e os benefícios de tudo o que inclui.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.