Covid-19

Proxalutamida: O que é, bula, para que serve e estudos com covid-19.

Proxalutamida

Proxalutamida: O que é, bula, para que serve e estudos com covid-19. A Proxalutamida foi o assunto da semana, Estudos realizados no tratamento da covid-19 com 590 pacientes tiveram um risco 92% menor de morrer pela doença.

Afinal de contas, o que é Proxalutamida ? porque ele mostrou ser tão eficaz na redução de mortes dos pacientes, quem realizou os estudos e onde foi? calma vamos responder tudo isso.

O que é proxalutamida?

Proxalutamida: O que é, bula, para que serve e estudos com covid-19
Proxalutamida: O que é, bula, para que serve e estudos com covid-19

A Proxalutamida é um agente bloqueador do androgénio, porque a hormona sexual masculina ajudar o novo coronavírus a entrar nas células humanas, algo sugerido por uma investigação feita em 2020 na Universidade de Suzhou, junto a Xangai.

proxalutamida Para que serve?

A Proxalutamida é um fármaco receitado para os cânceres de próstata e de mama, pode ser uma candidata ao tratamento de casos graves de Covid-19.

É o que sugere uma pesquisa clínica brasileira realizada no estado do Amazonas pela rede de hospitais Samel em parceria com a empresa de biotecnologia Applied Biology.

proxalutamida como age?

Pertencente à classe dos medicamentos antiandrógenos, que reduzem a produção de hormônios masculinos, a Proxalutamida ativa um mecanismo que, segundo os pesquisadores, é o que pode estar por trás dos resultados do fármaco no tratamento da Covid-19: a inibição da expressão das proteínas ACE2 e TMPRSS2, dois aminoácidos-chave associados à entrada do Sars-Cov-2 nas células.

Estudos com proxalutamida para covid-19

Os testes ocorreram em 600 pacientes dos Hospitais Samel e de mais 12 hospitais de 9 municípios do Estado do Amazonas, em um período de 14 dias.

Os resultados apresentados pela equipe mostram que 294 pacientes fizeram o uso da Proxalutamida e 296 usaram placebo.

Em comparação do uso dos dois protocolos, o medicamento conseguiu reduzir o número de mortes dos pacientes (92,2%), o tempo de internação hospitalar (quase 3 vezes menos internados), além de diminuir a progressão da doença, com a redução de mais de 60% da necessidade de intubação e uma melhora clínica até 6 vezes mais rápida.

Pacientes graves (prestes a serem entubados) após 14 dias de tratamento:

  • Placebo: 47,6% morreram
  • Proxalutamida: 3,7% morreram

Tempo médio de hospitalização:

  • Placebo: 14 à 19 dias
  • Proxalutamida: 3 à 5 dias

O estudo foi feito com pacientes graves e, segundo os cientistas, bem conservador. De modo que em dúvida se foi ou não a Proxalutamida a agente que melhorou a saúde do doente, sempre era computado como se não tivesse sido a droga.

O estudo foi encaminhado para passar pelo crivo de publicações especializadas, mas é inegável seu potencial.

Formado em Comunicação Social, especialista em jornalismo digital e SEO, responsável por criar diversos projetos na internet, afim de levar conhecimento à todos sobre saúde, beleza, bem estar, natureza e entretenimento.

Deixe um comentário