As 10 Causas Mais Comuns da Dor de Ouvido

Revisado por

Graduado em Ciências da Nutrição!

Especialista do Dicas de Saúde

As 10 Causas Mais Comuns da Dor de Ouvido
4.8 (95.91%) 132 votos

As Causas Mais Comuns da Dor de Ouvido que podem ser causadas por diversos fatores. Alem disso, uma causa muito comum da dor de ouvido é a obstrução da tuba auditiva, o pequeno canal que conecta a parte posterior interna do nariz com o ouvido médio.

O ar no ouvido médio está constantemente sendo absorvido por sua parede membranosa, mas ele jamais é esvaziado enquanto a tuba auditiva permanecer aberta e capaz de se reabastecer, durante o ato de engolir. Dessa forma, a pressão do ar em ambos os lados do tímpano permanece quase igual.

Causas Mais Comuns da Dor de OuvidoPorém, quando a tuba auditiva está obstruída, a pressão no ouvido médio não pode ser equalizada. O ar que já está ali é absorvido e, sem um novo fornecimento, acontece um vácuo no ouvido médio, sugando o tímpano para dentro e tensionando-o de modo doloroso.

Este tipo de dor de ouvido é particularmente comum em pessoas que viajam de avião, principalmente quando elas estão resfriadas ou com o nariz entupido. Durante a decolagem e o pouso, a pressão do ouvido médio não equaliza da mesma forma que equalizaria se a tuba auditiva estivesse desobstruída. Esse problema é conhecido como barotrauma.

As Razões Mais Comuns Para a Dor de Ouvido Incluem:

  • Algum fluído que se instalou dentro do canal auditivo, como água ou cosméticos;
  • Infecção do canal auditivo fora do tímpano (otite externa);
  • Um furúnculo ou folículo piloso infectado no canal auditivo;
  • Artrite da mandíbula;
  • Barotrauma, causada por variações de pressão;
  • Eczema no canal do ouvido (dermatite seborreica)
  • Lesão no canal auditivo a partir de objetos, como cotonetes ou objetos pontiagudos;
  • Bloqueios na orelha causado por placas de cera ou objetos empurrados pelo canal auditivo;
  • Infecções de garganta (incluindo amigdalite) e resfriados;
  • Alergias no trato respiratório, ou infecções como rinossinusite;
  • Dor ocasionada por problemas na mandíbula como a disfunção da articulação temporomandibular;

Por que as Crianças tem mais Dores de Ouvido: Estimam que três de cada quatro crianças terão sofrido pelo menos uma infecção no ouvido até os 3 anos de idade. Isso acontece porque bactérias presentes no nariz e na garganta acabam indo parar nas tubas auditiva quando as crianças bocejam ou engolem.

Quando a tuba está inchada por conta de um resfriado ou alergia o que é muito comum na infância não consegue escoar secreções, o que torna o ambiente ainda mais propício para infecções de ouvido. Outro problema é que as tubas das crianças são mais curtas que a dos adultos, facilitando ainda mais esse processo. Os bebês que mamam deitados também têm mais chances de desenvolver o problema por conta dessa ligação.

Além da dor, outras pistas podem indicar que uma criança ou bebê está com dor de ouvido:

  • Bebês que aparentam mais irritados que o normal;
  • Crianças que puxam ou esfregam o ouvido;
  • Febre;
  • Perda de apetite;
  • Problemas para iniciar o sono ou dormir a noite inteira;
  • Tosse e nariz entupido;

Diagnóstico de Dor de ouvido: O médico vai analisar o ouvido usando um instrumento chamado otoscópio. Um tímpano saudável é de coloração perolácea (cor de pérola). Se uma infecção no ouvido está presente o tímpano pode estar inflamado, inchado ou vermelho.

Se há sinal de infecções de ouvido persistentes ou acúmulo de líquido persistente no ouvido médio, o médico pode encaminhá-lo para um especialista em audição (fonoaudiólogo) ou terapeuta de desenvolvimento para testes de audição, habilidades de fala, compreensão da linguagem ou habilidades de desenvolvimento.

0/5 (0 Reviews)
Revisão Geral pela Dra. Ana Karolynne Gonçalves - (no G+)

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Rafael Cardoso

Com mais de 5 anos de experiência, Rafael Almeida é Graduado em Ciências da Nutrição pela Universidade Ceuma desde 2012. Atua em Atendimento Clínico-Nutricional, com foco no bem estar e qualidade de vida do paciente, através da reeducação alimentar e acompanhamento nutricional, com planos alimentares personalizados, de acordo com o objetivo e avaliação clínica individual, comprometido com o sucesso do tratamento de seus pacientes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *