Covid-19

Vacina do COVID-19 de DNA e RNA: Como funciona?

vacina do COVID-19 de DNA e RNA

A vacina do COVID-19 de DNA e RNA são os tipos mais produzidos atualmente, pesquisadores de todo o mundo estão trabalhando no desenvolvimento de vacinas seguras e eficazes para COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

Existem atualmente vários ensaios clínicos de vacinas globais em andamento, incluindo quatro ensaios principais. Algumas dessas vacinas COVID-19 potenciais são vacinas de RNA e DNA, que é uma área  de desenvolvimento de vacina do COVID-19 de DNA e RNA.

Em 11 de dezembro, órgãos responsáveis concederam autorização de uso de emergência para uma vacina de RNA mensageiro para COVID-19 co-desenvolvida pela Pfizer e BioNTech. Este uso de emergência é aprovado para maiores de 16 anos.

vacina do COVID-19 de DNA e RNA
vacina do COVID-19 de DNA e RNA

Principais vantagens:

vacina do COVID-19 de DNA e RNA têm o mesmo objetivo que as vacinas tradicionais, mas funcionam de maneira um pouco diferente.

Em vez de injetar uma forma enfraquecida de um vírus ou bactéria no corpo, como ocorre com uma vacina tradicional, as vacinas de DNA e RNA usam parte do código genético do próprio vírus para estimular uma resposta imune.

Uma vacina de mRNA para COVID-19 co-desenvolvida pela Pfizer e BioNTech é a primeira desse tipo autorizada para uso de emergência.

Várias outras vacinas potenciais de DNA e RNA COVID-19 estão em testes clínicos, o que significa que são uma área importante e promissora de desenvolvimento de vacinas.[1]https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2770485

O que são vacinas de DNA e RNA?

As vacinas tradicionais, que expõem o corpo a proteínas produzidas por um vírus ou bactéria, costumam ser feitas usando versões enfraquecidas ou inativas desse vírus ou bactéria. É assim que as vacinas populares, como a vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (MMR) e a vacina pneumocócica, funcionam.

Quando você recebe a vacina MMR, por exemplo, seu corpo é apresentado a formas enfraquecidas dos vírus do sarampo, caxumba e rubéola que não causam doenças. Isso desencadeia uma resposta imunológica.

E faz com que seu corpo produza anticorpos como faria com uma infecção natural. Esses anticorpos ajudam a reconhecer e combater o vírus, caso você seja exposto a ele posteriormente, ajudando a prevenir que adoeça.

Uma vacina do COVID-19 de DNA e RNA tem o mesmo objetivo que as vacinas tradicionais, mas funcionam de maneira um pouco diferente. Em vez de injetar uma forma enfraquecida de um vírus ou bactéria no corpo.

vacina do COVID-19 de DNA e RNA usam parte dos genes do próprio vírus para estimular uma resposta imunológica. Em outras palavras, eles carregam as instruções genéticas para as células do hospedeiro produzirem antígenos.

Pesquisa publicada em 2019 relata que “ensaios pré-clínicos e clínicos mostraram que as vacinas de mRNA fornecem uma resposta imunológica segura e duradoura em modelos animais e humanos.

Diferença entre vacinas de DNA e RNA:

A vacina do COVID-19 de DNA e RNA funcionam da mesma maneira, mas têm algumas diferenças. Com uma vacina de DNA, a informação genética do vírus “é transmitida a outra molécula chamada RNA mensageiro (mRNA). Isso significa que com uma vacina de RNA ou mRNA, você está um passo à frente de uma vacina de DNA.

Vacinas de RNA para COVID-19:

A vacina COVID-19 da Pfizer e outra desenvolvida pela Moderna são vacinas de mRNA. A Pfizer anunciou em 18 de novembro que seu ensaio de vacina de fase III demonstrou 95% de eficácia contra COVID-19.

Moderna anunciou em 30 de novembro que seu ensaio de fase III da vacina de mRNA mostrou 94% de eficácia contra COVID-19 em geral e também 100% de eficácia contra doenças graves. Os dados revisados ​​por pares ainda estão pendentes para os testes Pfizer e Moderna.

O RNA vai para a célula, e a célula o traduz em proteínas … que são aquelas que o organismo vê e induz a resposta imunológica.

Outra diferença entre uma vacina do COVID-19 de DNA e RNA é que uma vacina de DNA entrega a mensagem por meio de um pequeno pulso elétrico, que literalmente empurra a mensagem para a célula.

A vantagem é que essa vacina é muito estável em altas temperaturas. A desvantagem é que requer um dispositivo especial que fornece o pulso elétrico.

Com base na pesquisa até agora, Cifuentes-Kottkamp diz que parece que as vacinas de DNA e RNA induzem respostas imunológicas semelhantes. Mas como os dois estão em testes clínicos, ainda temos muito que aprender com eles.

Prós e contras das vacinas de DNA e RNA:

vacina do COVID-19 de DNA e RNA estão sendo elogiadas por sua relação custo-eficácia e capacidade de serem desenvolvidas mais rapidamente do que as vacinas tradicionais de proteína. As vacinas tradicionais freqüentemente dependem de vírus.

Ou proteínas virais reais cultivadas em ovos ou células e podem levar anos e anos para se desenvolver. As vacinas de DNA e RNA, por outro lado, podem teoricamente ser disponibilizadas mais facilmente porque dependem de código genético não de um vírus ou bactéria viva.

Isso também os torna mais baratos de produzir. A vantagem sobre as vacinas de proteína -em princípio, não necessariamente na prática é que, se você sabe qual proteína deseja expressar no corpo, é muito fácil sintetizar um RNA mensageiro e injetá-lo nas pessoas.

diferença da vacina do COVID-19 de DNA e RNA
diferença da vacina do COVID-19 de DNA e RNA

As proteínas são um pouco mais complicadas como moléculas, enquanto o ácido nucleico [DNA e RNA] é uma estrutura muito mais simples. Mas com qualquer avanço na saúde vem o risco potencial.

Com uma vacina de DNA, sempre existe o risco de causar uma alteração permanente na sequência natural do DNA da célula.

Normalmente, existem maneiras de fazer as vacinas de DNA que tentam minimizar esse risco, mas é um risco potencial.

Em vez disso, se você injetar mRNA, ele não poderá ser integrado ao material genético de uma célula. Também está pronto para ser traduzido em proteína.

Como nenhuma vacina de DNA está atualmente aprovada para uso humano, ainda há muito a aprender sobre sua eficácia.

Com duas vacinas de mRNA em testes de fase III e uma aprovada para uso de emergência, eles estão muito mais próximos da aprovação e licenciamento totais pelo FDA.[2]https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fimmu.2019.00594/full

Referências:

Referências:
1https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2770485
2https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fimmu.2019.00594/full
Formado em Comunicação Social, especialista em jornalismo digital e SEO, responsável por criar diversos projetos na internet, afim de levar conhecimento à todos sobre saúde, beleza, bem estar, natureza e entretenimento.

Deixe um comentário