Início » Doenças Respiratórias » Ômicron: nova variante de preocupação do Coronavírus

Ômicron: nova variante de preocupação do Coronavírus

omicron

Ômicron é a nova variante de preocupação do coronavírus a Organização Mundial da Saúde (OMS) redefiniu a gravidade de algumas variantes do vírus SARS-CoV-2.

omicron
omicron

Além disso, a entidade diminuiu consideravelmente a quantidade de cepas enquadradas como VOI (variantes de interesse).

No entanto, a nova categoria compreende cepas que podem alterar geneticamente o vírus e representar um risco futuramente, mas que ainda exigem novas avaliações antes de se tornar uma VOI ou VOC (variante de preocupação).

Entretanto, apesar das mudanças do coronavírus seguem as mesmas: alfa, beta, gama, delta e ômicron.

Contudo, há 16 variantes sob observação da OMS que ainda não foram nomeadas com letras gregas.

Além disso, elas seguem apenas com a nomenclatura Pango, usada por pesquisadores e agências de saúde do mundo todo (a nomenclatura Pango da variante gama, por exemplo, é P.1; a da delta é B.1.617.2). ((https://butantan.gov.br/noticias/oms-reclassifica-gravidade-e-altera-o-grupo-de-variantes-do-sars-cov-2))

O que faz uma variante ser mais agressiva do que as outras?

o que faz uma variante ser mais agressiva do que as outras
o que faz uma variante ser mais agressiva do que as outras

Existem algumas variantes que são chamadas de variantes de atenção/preocupação, esse surgimento de mutações é um processo natural e esperado durante o ciclo evolutivo de qualquer vírus.

Além disso, uma mutação ou o conjunto de mutações podem gerar novas variantes desses vírus, diferentes das que já estão em circulação.

No entanto, essas variantes possuem algumas mutações que podem estar associadas à maior transmissibilidade ou maior gravidade.

No entanto, alguns estudos estão sendo realizados para avaliar essas associações, porém como esperado, múltiplas variantes do SARS-CoV-2 já foram documentadas globalmente durante esta pandemia. ((https://www.coronavirus.ms.gov.br/?page_id=33))

Prevenção da ômicron:

prevencao da omicron
prevenção da ômicron

A vacinação contra a ômicron continua sendo indicada como a melhor medida de saúde pública contra a Covid-19 e as suas variantes..

Além disso, também se espera que as atuais vacinas reduzam casos graves da doença, hospitalizações e mortes relacionadas à infecção pela variante Ômicron.

Também é importante que a população mantenha as medidas de proteção individual, complete o esquema vacinal contra a infecção por Covid-19 incluindo a dose de reforço e esteja atenta às orientações do Ministério da Saúde. ((https://www.gov.br/ans/pt-br/assuntos/noticias/covid-19/omicron-entenda-o-que-se-sabe-sobre-a-nova-variante-da-covid-19))

Transmissão e reinfecção da ômicron:

transmissao e reinfeccao da omicron
transmissão e reinfecção da ômicron

Além disso, em uma entrevista, Bell afirma que os cientistas sabem de muitas coisas sobre esta nova variante, porém também há algumas coisas que não sabem ainda.

No entanto, o que se sabe é que a ômicron é altamente infecciosa, duas ou três vezes mais infecciosa que a delta.

Por esta razão a ômicron está se espalhando pelo país (Reino Unido) tão rapidamente é porque ela é bastante contagiosa, acrescentou.

Além disso, um estudo preliminar sul-africano, publicado no site Medrxiv, analisou quase 3 milhões de pessoas infectadas com Covid-19.

Porém descobriu que o risco de reinfecção pela variante ômicron é três vezes maior do que para as variantes delta e beta do coronavírus.

há evidências sugerem que a variante ômicron está associada a uma capacidade substancial de escapar da imunidade de uma infecção anterior.

Gravidade da ômicron:

gravidade da omicron
gravidade da ômicron

Quando se trata da gravidade da doença causada pelo vírus, Bell disse que no momento, não temos realmente os dados e acrescentou que as próximas semanas vão indicar a gravidade da variante no Reino Unido.

Um levantamento de cerca de 78 mil casos da ômicron na África do Sul, descobriu que a variante está resultando em doença mais branda em comparação com as ondas anteriores.

Além disso, com 29% menos hospitalizações do que a cepa de Wuhan e 23% em comparação com a delta. ((https://g1.globo.com/saude/noticia/2021/12/16/omicron-quais-sao-os-sintomas-da-nova-variante-comparados-aos-das-anteriores.ghtml))

Formado em Comunicação Social, especialista em jornalismo digital e SEO, responsável por criar diversos projetos na internet, afim de levar conhecimento à todos sobre saúde, beleza, bem estar, natureza e entretenimento.