Medicamentos

Lidocaína – Para que Serve, Como Tomar e Efeitos Colaterais

Lidocaína – Para que Serve, Como Tomar e Efeitos Colaterais que muitos desconhecem. Além disso, a Lidocaína é um anestésico local encontrada em gel ou spray que normalmente é utilizado para facilitar alguns procedimentos médicos, como cistoscopia ou endoscopia, devido ás suas propriedades anestésicas e lubrificantes. A Lidocaína ou Cloridrato de Lidocaína é um composto anestesia rapidamente e profundamente da mucosa da pele, ao mesmo tempo que lubrifica e reduz a fricção.

Lidocaína O mecanismo de ação da Lidocaína como anestésico local consiste no bloqueio tanto da iniciação como da condução dos impulsos nervosos, mediante a diminuição da permeabilidade da membrana neuronal aos íons de sódio, estabilizando-a de forma reversível. Esta ação inibe a fase de despolarização da membrana neuronal, o que dá lugar a um potencial de propagação insuficiente e, conseqüentemente, ao bloqueio da condução.

Como Tomar a Lidocaína:

A Lidocaína é uma remédio que apenas deve ser usado pelo médico ou profissional de saúde treinado, dependendo da dose recomendada, da duração do tratamento, da região a anestesiar e da resposta de cada paciente.

Antes de aplicar o gel, a pele deve encontrar-se limpa e seca, sem cortes ou sinais de irritação e isenta de cremes, loções, óleos ou outras substâncias.

Para que Serve a Pomada de Cloridrato de Lidocaína?

A Lidocaína ou cloridrato de Lidocaína é indicado como anestésico de superfície e lubrificante para a uretra feminina e masculina durante cistoscopia, cateterização, exploração por sonda e outros procedimentos endouretrais, e para o tratamento sintomático da dor em conexão com cistite e uretrite.

A Lidocaína também pode ser encontrada com o nome comercial de Procto Glyvenol. A Lidocaína ou Cloridrato de Lidocaína é um composto que promove anestesia rápida e profunda da mucosa da pele, ao mesmo tempo que lubrifica o que acaba reduzindo a fricção.

Para que Serve a Lidocaína Injetável?

A lidocaína é um anestésico local (medicamento anestésico). Funciona bloqueando os sinais nervosos do seu corpo. A injeção de lidocaína é usada para anestesiar uma área do corpo para ajudar a reduzir a dor ou o desconforto causado por procedimentos médicos invasivos, como cirurgia, punção com agulha ou inserção de um cateter ou tubo de respiração.

Às vezes, a injeção de lidocaína é usada para tratar ritmos cardíacos irregulares que podem sinalizar um possível ataque cardíaco .

A injeção de lidocaína também é administrada em uma epidural (raquianestesia) para reduzir o desconforto das contrações durante o trabalho de parto.

Pode Passar Lidocaína em Queimadura?

Os cuidados com feridas e queimaduras devem ser adaptados ao tipo e gravidade de uma ferida ou queimadura específica. Em geral, as feridas são classificadas de acordo com sua intensidade e profundidade. As feridas agudas podem ser classificadas como abrasões, perfurações ou lacerações.Em geral, se feridas agudas, como abrasões ou perfurações, não se estendem além da derme, o autocuidado é apropriado.

No entanto, os farmacêuticos devem aconselhar os pacientes com feridas crônicas a procurar imediatamente atendimento médico para evitar outras complicações, como infecções.

Queimaduras são definidas como feridas causadas por radiação térmica, elétrica, química ou ultravioleta. Em geral, apenas queimaduras superficiais e algumas de espessura parcial superficial são adequadas para o tratamento.

Efeitos Colaterais da Lidocaína:

Reações adversas são geralmente relacionadas com a dose de anestésicos locais e resultam de altos níveis plasmáticos causados por dosagem excessiva ou rápida absorção, bem como por tolerância reduzida do paciente, idiossincrasia ou hipersensibilidade. As reações sistêmicas podem ocorrer rapidamente ou até 30 minutos após administração.

Acidose acentuada ou hipóxia podem aumentar o risco e a gravidade das reações tóxicas. São raras as reações adversas à Lidocaína nas doses recomendadas. As seguintes reações adversas foram observadas com todas as vias de administração e não foram necessariamente relatadas durante seu uso tópico.

Reações Alérgicas:

São extremamente raros os casos de reações alérgicas associadas a anestésicos locais do tipo amida, sendo que nos casos mais graves pode ocorrer choque anafilático. Podem ocorrer rash cutâneo, eritema, urticária, prurido, espirros, edema urticariforme na face, lábios, língua, boca ou garganta, que podem ser acompanhados por náusea com ou sem vômito. O valor dos testes cutâneos para determinação de sensibilidade é duvidoso.

Sistema Cardiovascular:

As manifestações cardiovasculares são normalmente depressoras e caracterizadas por vasodilatação periférica, bradicardia, hipotensão, depressão do miocárdio, diminuição do débito cardíaco, arritmias ventriculares e colapso cardiovascular que podem levar a parada cardíaca. A hipóxia causada por convulsões e apneia pode ser um fator contribuinte nas reações cardiovasculares.

Sistema Nervoso Central:

São manifestações excitatórias e/ou depressivas caracterizadas por delírio, nervosismo, apreensão, euforia, confusão, tontura, sonolência, tinido, visão turva, vômito, sensações de calor e frio, tremores, contorções, convulsões, inconsciência, depressão respiratória e colapso. As manifestações excitatórias podem ser muito breves ou podem simplesmente não ocorrer.

Metemoglobinemia:

Pode ocorrer muito raramente com anestésicos locais, porém é mais provável quando anestésico é a prilocaína.

Interferência em Exames Laboratoriais:

Determinação da função pancreática usando bentiromida: A administração de Lidocaína 3 dias antes deste teste pode invalidar seu resultado, devido ao aumento aparente do PABA. Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária.

Lidocaína Para que Serve

Contraindicações da Lidocaína:

Você não deve utilizar a Lidocaína ou cloridrato de Lidocaína se tiver alergia à Lidocaína, a outros anestésicos locais ou aos outros componentes da fórmula. A Lidocaína não deve ser utilizada em pacientes com sensibilidade aumentada ao metil ou propilparabeno ou ao seu metabólito, o ácido paraminobenzóico (PABA). Formulações de Lidocaína contendo parabenos devem ser evitadas em pacientes alérgicos ao anestésico local éster ou ao seu metabólito PABA.

Interações Medicamentosas da Lidocaína:

O Lidocaína deve ser utilizado com cuidado se você estiver utilizando os seguintes medicamentos: agentes estruturalmente relacionados aos anestésicos locais, medicamentos antiarrítmicos classe III (por exemplo amiodarona), cimetidina e betabloqueadores.

Gostou do post? Avalie!
[Total: 0 votos: ]

Formado em Comunicação Social, especialista em jornalismo digital e SEO, responsável por criar diversos projetos na internet, afim de levar conhecimento à todos sobre saúde, beleza, bem estar, natureza e entretenimento.

Deixe um comentário