Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Dicas de Saúde Doenças e Tratamentos

Lepra – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

Lepra – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos
Gostou do post? Avalie!

Lepra – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos e muito mais é o que você vai aprender a partir de agora, então continue conosco e desvende tudo sobre a Lepra, doença essa que mata mais brasileiros a cada dia.

Além disso, existem referências à Lepra em livros muito antigos, escritos na Índia e na China, séculos antes de Cristo. Provavelmente foi o exército de Alexandre, o Grande, que disseminou a Lepra pelo continente europeu, quando regressou das campanhas da Ásia.

Na Bíblia, são descritos casos da Lepra infectocontagiosa que atacava principalmente a pele, os olhos e os nervos. As deformidades que provocava eram motivo para seus portadores serem excluídos do convívio social. Considerada castigo dos deuses, os doentes eram recolhidos em leprosários, onde ficavam até morrer. Ou, sem socorro nem tratamento, perambulavam pelas ruas com o rosto e o corpo cobertos por andrajos, pedindo esmolas com uma latinha amarrada na ponta de uma vara para esconder as mãos deformadas pela Lepra.

O que é a Lepra: A Lepra ou Hanseníase, é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, em homenagem a seu descobridor. É provável que a transmissão da Lepra se dê pelas secreções das vias aéreas superiores e por gotículas de saliva. Embora seja uma doença basicamente cutânea, pode afetar os nervos periféricos, os olhos e, eventualmente, alguns outros órgãos. O período de incubação pode durar de seis meses a seis anos.

A Lepra pode apresentar principalmente quatro formas clínicas: indeterminada, borderline ou dimorfa, tuberculoide e virchowiana. Em termos terapêuticos, somente dois tipos são considerados: paucibacilar (com poucos bacilos) e multibacilar (com muitos bacilos).

Tipos de Lepra: A Lepra, pode ser apresentada principalmente das seguintes formas:

  • Tuberculóide: Nesse caso, o paciente não é gravemente afetado. Ele possui resposta imune parcial ao bacilo e os sintomas não são tão agressivos.
  • Indeterminada: Pouquíssimas lesões são apresentadas, ou até mesmo uma única, raramente evolui para casos mais graves.
  • Lepromatosa: É mais grave que as anteriores, o paciente apresenta diversas lesões na pele e é mais fácil de detectar a bactéria.

Não Esqueça: Em todos os casos da Lepra o tratamento deve ser buscado. Qualquer alteração na saúde ou ao notar algo de estranho na pele, procure um médico. A prevenção e os tratamentos logo no início são essenciais.

Lepra na Gravidez: Como a gestação diminui a imunidade das mulheres, por vezes, é durante a gravidez que surgem os primeiros sinais de Lepra. O tratamento da Lepra na gravidez pode ser feito com os mesmos antibióticos porque eles não prejudicam o bebê e também podem ser usados durante a amamentação. O recém-nascido pode apresentar a pele um pouco mais escura nos primeiros dias de vida, mas o tom de pele tendo a clarear naturalmente.

Causas da Lepra: A Lepra é uma doença lenta mas potencial devastador causada pelos leprae do Mycobacterium do micróbio. A doença do Hansen do pseudónimo (HD) é uma marca do reconhecimento do trabalho feito pelo microbiologista Holandês Gerhard Hansen em sua etiologia.

O Organismo: Os leprae do Mycobacterium são um organismo ácido-rápido isto é, que sua parede de pilha contem grandes quantidades de ácido e de ceras mycolic, entre outros lipidos complexos. Isto dá uma consistência ceroso à parede de pilha e permite-a de resistir a mancha de seguimento da descoloração com fuchsin do carbol, que dá de outra maneira ao citoplasma uma cor vermelha.

Esta retenção característica da aplicação de seguimento da cor vermelha do álcool acidificado causa o termo ácido-rápido. Os leprae do M. são um organismo fastidioso, fazendo sua cultura muito difícil crescer in vitro. De fato tomou décadas para encontrar um remédio apropriado em que para cultivar o organismo, que conduziu aos atrasos consideráveis em estabelecer o papel etiological de leprae do M. Nos E.U., encontra-se principalmente no tatu nove-unido.

Lepra é altamente contagioso mas produz poucos casos clínicos devido à imunidade natural da maioria de seres humanos à bactéria. Aproximadamente 95 por cento de seres humanos são provavelmente genetically imunes a Lepra. Contudo, esta figura pode variar no que diz respeito aos grupos da população discreta e com uma história geracional prolongada da exposição à doença ou ao micróbio. Por exemplo, a predominância em Micronésia é muito mais alta do que entre a maioria outros de grupos da população. Isto pode ser devido à falta da exposição precedente, assim como às diferenças na susceptibilidade nativa.

Infecção Clínica: Os factores do Anfitrião, os ambientais, e do micróbio patogênico interagem em um complexo e em uma maneira deficientemente compreendida na doença de Hansen. Na maioria dos casos a variabilidade e a virulência genéticas do micróbio patogênico não são visivelmente diferentes entre formulários clínicos diferentes da doença.

Ou seja a variação nas manifestações da Lepra é devido às diferenças na composição genética do anfitrião suscetível, negociada pela activação diferencial de caminhos metabólicos pelo micróbio, junto com reprogramming da pilha de Schwann e diferenças individual-específicas na contribuição da imunidade inata e adaptável. Cada caso pode conseqüentemente ser pensado de como original.

O contacto Próximo com uma pessoa contaminada sobre uma duração longa é exigido para que a transmissão ocorra a um indivíduo suscetível. As gotas de Flugge em secreções nasais são responsáveis para a transmissão, através da inalação. A não ser a secreção, as úlceras nasais da pele, sangue, leite materno, mordidas de insecto, ou transmissão vertical, pode todo o acto menos geralmente como rotas de transmissão. Os estados do Portador são pensados igualmente para existir e para ser envolvidos na transmissão da Lepra.

Sintomas da Lepra: O primeiro e principal sintomas da Lepra é o aparecimento de manchas arredondadas, mais clara que a pele, que podem se espalhar pelo corpo. Esta mancha podem afetar as sobrancelhas e os cílios e algumas vezes podem tornar-se avermelhadas. Em toda mancha há um aumento ou perda da sensibilidade e este é o maior diferencial de outras doenças de pele, pois o indivíduo deixa de sentir as diferenças de temperatura e de pressão, no local da ferida, podendo se ferir gravemente por isso. Estas manchas na pele ocorrem devido a inflamação dos nervos daquela região. Então confira agora Os 12 Principais Sintomas da Lepra:

  • Dor e espessamento dos nervos dos locais afetados.
  • Perda da força nos músculos inervados por estes nervos afetados, principalmente nos olhos, braços e pernas.
  • O primeiro sinal de inflamação no nervo é a dor intensa no local e inchaço da região.

Outros Sintomas da Lepra podem ser:

  • Fraqueza nos músculos;
  • Perda da capacidade de suar;
  • Pele ressecada;
  • Perda da sensibilidade e dormência;
  • Lesões e feridas na planta dos pés;
  • Lesões no nariz;
  • Lesão dos olhos pode causar cegueira;
  • Paralisia dos braços ou pernas;
  • Impotência e esterilidade, pois a infecção pode reduzir tanto a quantidade de testosterona quanto a quantidade de espermatozoides produzidos pelos testículos.

Os Sintomas da Lepra manifestam-se entre o 1º e o 7º ano após a infecção, ou muitos anos mais tarde, dependendo da resposta imune da pessoa.

Tratamentos Para Lepra:

Como Cuidar das Mãos Feridas: Quando a mão é afetada deve-se mantê-la de molho numa bacia com água morna durante 10 a 15 minutos e secar a seguir com uma toalha macia. Aplicar hidratante, vaselina ou óleo mineral para hidratar e verificar se existem outras lesões ou feridas diariamente

Exercícios de alongamento e fortalecimento podem ser indicados para melhorar a movimentação das mãos e dos braços. Quando há perda da sensibilidade das mãos, pode ser útil mantê-las enfaixadas ou usar luvas para proteger a pele de possíveis queimaduras, ao cozinhar, por exemplo.

Como Cuidar dos Pés Feridos: A pessoa com Lepra que não tem sensibilidade nos pés precisa observa-los diariamente para verificar se existe alguma nova lesão ou comprometimento. Também é recomendado:

  • Usar sapato fechado para proteger os pés de possíveis tropeços que podem ser muito graves, e que podem levar até mesmo à amputação de dedos ou de partes do pé;
  • Usar 2 pares de meias para proteger bem o pé.

Além disso, deve-se lavar diariamente os pés com água e sabão e aplicar creme hidratante na pele. O corte das unhas e a eliminação de calos deverá ser realizada por um podologista.

Como Cuidar do Nariz: As complicações que podem acontecer no nariz envolvem ressecamento da pele, coriza com ou sem sangue, crostas e úlceras. Assim, é recomendado pingar soro fisiológico nas narinas para mantê-las limpas e desobstruídas.

Como Cuidar do Olhos: As complicações nos olhos podem ser ressecamento dos olhos, falta de força na pálpebra, sendo difícil fechar os olhos. Assim, é recomendado colírio ou lágrima artificial. Também pode ajudar usar óculos escuros durante o dia e venda nos olhos para dormir.

Recomendações Contra a Lepra: Não desista do tratamento da Lepra, que é longo, mas eficaz se não for interrompido. A primeira dose do medicamento é quase uma garantia de que a Lepra não será mais transmitida. Convença os familiares e pessoas próximas ao doente a procurarem uma Unidade Básica de Saúde para avaliação, quando for diagnosticado um caso de Lepra na família. Não fuja dos portadores de Lepra, uma doença estigmatizante, mas que tem cura, desde que devidamente tratada.

Este artigo foi útil?
1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie este post)
Loading...

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

1 Estrelas2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie este post)
Loading...

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.