Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Diabetes Dicas de Saúde Doenças e Tratamentos

Diabetes Mellitus – Causas, Sintomas e Tratamentos

Diabetes Mellitus – Causas, Sintomas e Tratamentos que não devemos ignorar. Alem disso, a Diabetes Mellitus é uma doença principal característica é o aumento de açúcar no sangue. A Diabetes Mellitus vai altera o metabolismo do açúcar, da gordura e da proteínas.

No caso do DM tipo 1, que é uma doença autoimune, a causa está num defeito na ação da insulina. Já o DM2 tem como principal mecanismo a resistência insulínica. Ou seja, o individuo produz insulina, mas o hormônio não consegue atuar de maneira apropriada.

No caso da diabetes gestacional, a causa exata ainda não é conhecida. O que se sabe, porém, é que durante a gestação, a placenta produz altos níveis de diferentes hormônios e eles podem prejudicar a ação da insulina nas células, aumentando o nível de açúcar no sangue.

Causas da Diabetes Mellitus: A diabete se manifesta quando o corpo não produz a quantidade essencial de insulina para que o açúcar do corpo se mantenha normal. Existem dois tipos de Diabetes Mellitus, que são.

Diabetes Tipo I: Apenas 10% dos diabéticos têm a diabete tipo I, esse tipo se manifesta principalmente em crianças e adolescentes. Nela, o pâncreas do indivíduo produz pouca insulina ou nenhuma, pois as células betas, que são as que produzem a insulina, são destruídas de uma forma irreversível e é necessário receber injeções diárias de insulina. Deve-se controlar a insulina, a alimentação e fazer exercícios.

Diabetes Tipo II: Também aparece em crianças e jovens, mas é mais comum depois dos 30 anos, em pessoas obesas e pessoas idosas. Neste tipo o pâncreas continua a produzir a insulina, mas neste caso é o organismo que se torna resistente aos seus efeitos. O tipo II é comum também para quem tem casos na família.

A Tríade Clássica dos Sintomas da Diabetes Mellitus:

  • poliúria (aumento do volume urinário);
  • polidipsia (sede aumentada e aumento de ingestão de líquidos);
  • polifagia (apetite aumentado);
  • Perda de peso;
  • Visão turva;
  • Cetoacidose diabética;
  • Síndrome hiperosmolar hiperglicêmica não cetótica;

Pode ocorrer perda de peso. Estes sintomas podem se desenvolver bastante rapidamente no tipo 1, particularmente em crianças (semanas ou meses) ou pode ser sutil ou completamente ausente assim como pode se desenvolver muito mais lentamente no tipo 2.

No tipo 1 pode haver também perda de peso (apesar da fome aumentada ou normal) e fadiga. Estes sintomas podem também se manifestar na diabetes tipo 2 em pacientes cuja doença é mal controlada.

Problemas de visão atingem 40% dos diabéticos insulinodependentes e e 20% dos diabéticos não insulinodependentes. Sendo mais comum em mulheres e entre os 30 aos 65 anos. Caso não seja tratado pode causar catarata, glaucoma e cegueira. Depois de 10 anos de doença, problemas de visão atingem 50% dos pacientes e depois de 30 anos atingem 90%.

A diabetes mellitus é uma doença crônica, sem cura por tratamentos convencionais, e sua ênfase médica deve ser necessariamente em evitar/administrar problemas possivelmente relacionados à diabetes, a longo ou curto prazo.

Tratamento é Baseado em Cinco Conceitos:

  • Conscientização e educação do paciente, sem a qual não existe aderência;
  • Alimentação e dieta adequada para cada tipo de diabetes e para o perfil do paciente;
  • Vida ativa, mais do que simplesmente exercícios;
  • Medicamentos;
  • Hipoglicemiantes orais;
  • Insulina;
  • Monitoração dos níveis de glicose e hemoglobina glicada;

É extremamente importante a educação do paciente, o acompanhamento de sua dieta, exercícios físicos, monitoração própria de seus níveis de glicose, com o objetivo de manter os níveis de glicose a longo e curto prazo adequados. Um controle cuidadoso é necessário para reduzir os riscos das complicações a longo prazo.

Isso pode ser alcançado com uma combinação de dietas, exercícios e perda de peso (tipo 2), várias drogas diabéticas orais (tipo 2 somente) e o uso de insulina (tipo 1 e tipo 2 que não esteja respondendo à medicação oral).

Além disso, devido aos altos riscos associados de doença cardiovascular, devem ser feitas modificações no estilo de vida de modo a controlar a pressão arterial e o colesterol, se exercitando mais, fumando menos e consumindo alimentos apropriados para diabéticos, e se necessário, tomando medicamentos para reduzir a pressão.

O uso de bombas de insulina podem ajudar na administração regular de insulina, porém tem custo elevado quando comparadas as seringas comuns. Outras opções incluem as canetas de insulina e os injetores de insulina a jato.

Tratamento do Diabetes Mellitus Tipo 2 Por Cirurgia: Um estudo feito por médicos franceses publicado na Science Direct, confirmou o que médicos já haviam observado, a cirurgia de redução de estômago (gastroplastia) usada no tratamento da obesidade mórbida ajuda a controlar o diabetes mellitus tipo 2, um estudo mais aprofundado levou à criação de uma cirurgia no intestino que tem alta eficiência no tratamento da diabetes tipo 2 para pessoas não obesas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.