Scroll Top

Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Como Conquistar o homem dos seus Sonhos

Dicas de Saúde Doenças Doenças e Tratamentos Sintomas

Leucemia Linfocítica Aguda – O que é, Sintomas e Tratamentos

Leucemia Linfocítica Aguda – O que é, Sintomas e Tratamentos dessa condição. Além disso, a Leucemia Linfocítica Aguda (ALL) é um câncer que parte da versão inicial de células brancas do sangue chamada linfócitos na medula óssea (a parte interior macia dos ossos, onde são feitas novas células sanguíneas). As células de leucemia geralmente invadem o sangue com bastante rapidez. Eles podem então se espalhar para outras partes do corpo, incluindo os linfonodos, fígado, baço, sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal) e testículos (em machos). Outros tipos de câncer também podem começar nesses órgãos e depois se espalharem para a medula óssea, mas esses cânceres não são leucemia.

O termo “agudo” significa que a leucemia pode progredir rapidamente e, se não for tratada, provavelmente será fatal dentro de alguns meses. Linfocítico significa que ele desenvolve a partir de formas precoce (imaturas) de linfócitos, um tipo de glóbulo branco. Isto é diferente da leucemia mielóide aguda (LMA), que se desenvolve em outros tipos de células sanguíneas encontrados na medula óssea. Então, confira agora Leucemia Linfocítica Aguda – O que é, Sintomas e Tratamentos:

O que é Leucemia Linfocítica Aguda: A Leucemia Linfocítica Aguda (ALL) é um tipo de câncer de sangue e medula óssea – o tecido esponjoso dentro dos ossos onde as células do sangue são feitas. A palavra “aguda” na Leucemia Linfocítica Aguda vem do fato de que a doença progride rapidamente e cria células sanguíneas imaturas, em vez de maduras. A palavra “linfocítica” na Leucemia Linfocítica Aguda refere-se aos glóbulos brancos chamados linfócitos, que TODOS afetam.

A Leucemia Linfocítica Aguda também é conhecida como leucemia linfoblástica aguda. A Leucemia Linfocítica Aguda é o tipo de câncer mais comum em crianças, e os tratamentos resultam em boas chances de cura. A Leucemia Linfocítica Aguda também pode ocorrer em adultos, embora a chance de uma cura seja bastante reduzida.

Causas de Leucemia Linfocítica Aguda: A Leucemia Linfocítica Aguda ocorre quando uma célula da medula óssea desenvolve erros no seu DNA. Os erros dizem que a célula continua crescendo e se dividindo, quando uma célula saudável normalmente deixa de dividir e, eventualmente, morre. Quando isso acontece, a produção de células sanguíneas torna-se anormal.

A medula óssea produz células imaturas que se desenvolvem em glóbulos brancos leucêmicos chamados linfoblastos. Essas células anormais são incapazes de funcionar corretamente, e elas podem criar e expulsar células saudáveis. Não está claro o que causa as mutações do DNA que podem levar à Leucemia Linfocítica Aguda. Mas os médicos descobriram que a maioria dos casos de Leucemia Linfocítica Aguda não são hereditários.

Sintomas de Leucemia Linfocítica Aguda: Os sinais e sintomas de Leucemia Linfocítica Aguda podem incluir:

  • Sangue das gengivas
  • Dor óssea
  • Febre
  • Infecções frequentes
  • Hemorragias nasais frequentes ou graves
  • Saliências causadas por gânglios linfáticos inchados no pescoço, nas axilas, no abdômen ou na virilha
  • Pele pálida
  • Falta de ar
  • Fraqueza, fadiga ou diminuição geral da energia
  • Faça uma consulta com o seu médico ou o médico do seu filho se notar quaisquer sinais e sintomas persistentes que o preocupem.

Muitos sinais e sintomas de Leucemia Linfocítica Aguda imitam os da gripe. No entanto, os sinais e sintomas da gripe melhoram eventualmente. Se os sinais e sintomas não melhorarem como esperado, faça uma consulta com o seu médico.

Fatores de Risco de Leucemia Linfocítica Aguda: Fatores que podem aumentar o risco de Leucemia Linfocítica Aguda incluem:

  • Tratamento anterior de câncer. Crianças e adultos que tiveram certos tipos de quimioterapia e terapia de radiação para outros tipos de câncer podem ter um risco aumentado de desenvolver Leucemia Linfocítica Aguda.
  • Exposição à radiação. As pessoas expostas a níveis muito elevados de radiação, como os sobreviventes de um acidente com um reator nuclear, têm um risco aumentado de desenvolver Leucemia Linfocítica Aguda.
  • Distúrbios genéticos. Certas desordens genéticas, como a síndrome de Down, estão associadas a um risco aumentado de Leucemia Linfocítica Aguda.
  • Ter um irmão ou uma irmã com TODOS. As pessoas que têm um irmão, incluindo um gêmeo, com Leucemia Linfocítica Aguda têm um risco aumentado de ALL.

Diagnóstico de Leucemia Linfocítica Aguda: Testes e procedimentos utilizados para diagnosticar Leucemia Linfocítica Aguda incluem:

  • Exames de sangue. Testes de sangue podem revelar muitos glóbulos brancos, não suficientes hemácias e não plaquetas suficientes. Um exame de sangue também pode mostrar a presença de células explosivas – células imaturas normalmente encontradas na medula óssea.
  • Teste de medula óssea. Durante a aspiração da medula óssea, uma agulha é usada para remover uma amostra de medula óssea do hipbone. A amostra é enviada para um laboratório para testes para procurar células de leucemia. Os médicos no laboratório classificarão as células do sangue em tipos específicos com base no tamanho, forma e outros recursos. Eles também procuram certas mudanças nas células cancerígenas e determinam se as células leucêmicas começaram a partir dos linfócitos B ou linfócitos T. Esta informação ajuda seu médico a desenvolver um plano de tratamento.
  • Testes de imagem. Testes de imagem, como uma radiografia, tomografia computadorizada (TC) ou ultra-sonografia, podem ajudar a determinar se o câncer se espalhou para o cérebro e a medula espinhal ou outras partes do corpo.
  • Teste de fluido espinhal. Um teste de punção lombar, também chamado de torção espinhal, pode ser usado para coletar uma amostra de fluido espinhal – o líquido que envolve o cérebro e a medula espinhal. A amostra é testada para ver se as células cancerosas se espalharam para o líquido da coluna vertebral.

Tratamentos de Leucemia Linfocítica Aguda:  Em geral, o tratamento para a Leucemia Linfocítica Aguda cai em fases separadas:

  • Terapia de indução. O objetivo da primeira fase do tratamento é matar a maioria das células de leucemia no sangue e medula óssea e restaurar a produção normal de células sanguíneas.
  • Terapia de consolidação. Também chamado de terapia pós remissão, esta fase do tratamento destina-se a destruir qualquer leucemia remanescente no corpo, como no cérebro ou na medula espinhal.
  • Terapia de manutenção. A terceira fase do tratamento impede que as células leucêmicas se regenerem. Os tratamentos utilizados nesta fase geralmente são administrados em doses muito mais baixas durante um longo período de tempo, muitas vezes anos.
  • Tratamento preventivo para a medula espinhal. Durante cada fase da terapia, pessoas com Leucemia Linfocítica Aguda podem receber tratamento adicional para matar células de leucemia localizadas no sistema nervoso central. Neste tipo de tratamento, os fármacos quimioterápicos são frequentemente injetados diretamente no fluido que cobre a medula espinhal.

Dependendo da sua situação, as fases de tratamento para Leucemia Linfocítica Aguda podem durar de dois a três anos. Os tratamentos podem incluir:

  • Quimioterapia. A quimioterapia, que usa drogas para matar células cancerosas, é tipicamente usada como terapia de indução para crianças e adultos com Leucemia Linfocítica Aguda. Os medicamentos de quimioterapia também podem ser usados ​​nas fases de consolidação e manutenção.
  • Terapia de drogas direcionada. Os medicamentos direcionados atacam anormalidades específicas presentes em células cancerosas que os ajudam a crescer e prosperar. Uma certa anormalidade chamada cromossoma de Filadélfia é encontrada em algumas pessoas com Leucemia Linfocítica Aguda. Para essas pessoas, drogas direcionadas podem ser usadas para atacar células que contêm essa anormalidade. Os medicamentos direcionados incluem imatinib (Gleevec), dasatinib (Sprycel), nilotinib (Tasigna) e blinatumomab (Blincyto). Esses medicamentos são aprovados apenas para pessoas com a forma positiva de cromossomo da Filadélfia e podem ser tomadas durante ou após a quimioterapia.
  • Terapia de radiação. A radioterapia usa feixes de alta potência, como raios-X, para matar células cancerosas. Se as células cancerosas se espalharam para o sistema nervoso central, seu médico pode recomendar a terapia de radiação. Transplante de células estaminais. Um transplante de células estaminais pode ser usado como terapia de consolidação em pessoas com alto risco de recaída ou para tratar a recaída quando ocorre. Este procedimento permite que alguém com leucemia restabeleça células estaminais saudáveis ​​substituindo a medula óssea leucêmica por medula sem leucemia de uma pessoa saudável. Um transplante de células-tronco começa com altas doses de quimioterapia ou radiação para destruir qualquer medula óssea produzindo leucemia. A medula é então substituída por medula óssea de um doador compatível (transplante alogênico).
  • Testes clínicos. Ensaios clínicos são experimentos para testar novos tratamentos contra o câncer e novas formas de usar os tratamentos existentes. Embora os ensaios clínicos ofereçam a você ou ao seu filho a chance de tentar o último tratamento contra o câncer, os benefícios do tratamento e os riscos podem ser incertos. Discuta os benefícios e riscos de ensaios clínicos com o seu médico.

Medicina Alternativa: Não foram provados tratamentos alternativos para curar Leucemia Linfocítica Aguda. Mas algumas terapias alternativas podem ajudar a aliviar os efeitos colaterais do tratamento do câncer e tornar você ou seu filho mais confortável. Discuta suas opções com seu médico, já que alguns tratamentos alternativos podem interferir nos tratamentos contra o câncer, como a quimioterapia. Os tratamentos alternativos que podem aliviar os sintomas da Leucemia Linfocítica Aguda incluem:

  • Acupuntura
  • Aromaterapia
  • Massagem
  • Meditação
  • Exercícios de relaxamento

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.