Scroll Top

Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Como Conquistar o homem dos seus Sonhos

Dicas de Saúde Doenças Doenças e Tratamentos Sintomas

Glioma – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

Glioma – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos que muitos desconhecem. Além disso, o Glioma é um tipo de tumor que ocorre no cérebro e na medula espinhal. O Glioma começam nas células de suporte de cola (células gliais) que cercam as células nervosas e ajudam a funcionar. O Glioma não são espalhada através da circulação sanguínea mas podem reproduzir-se por metástase através do líquido cerebrospinal e causar lesões na espinha referida como da “metástases gota.” O Glioma é designada categoria diferente de acordo com seu potencial crescer e como agressivo são.Os tumores são I a V classificados, onde a categoria Mim representa menos tipo sério de tumor e a categoria V representa o mais sério. Contudo, os gliomas são referidas geralmente como simplesmente “de baixo grau” ou o “nível superior.”

Tipos do Glioma: Três tipos de células gliais podem produzir tumores. O Glioma  é classificado de acordo com o tipo de célula glial envolvida no tumor. Os tipos de Glioma incluem:

  • Astrocitomas: O astrocitoma é um tipo de câncer que pode se formar no cérebro ou na medula espinhal. O astrocitoma começa em células chamadas astrócitos que suportam células nervosas.
  • Ependimomas: O glioblastoma é um tipo agressivo de câncer que pode ocorrer no cérebro ou na medula espinhal. O glioblastoma é formado por células chamadas astrócitos que suportam células nervosas.
  • Oligodendrogliomas: Oligodendroglioma é um tumor que pode ocorrer no cérebro ou na medula espinhal. O oligodendroglioma é formado por oligodendrócitos – células do cérebro e da medula espinhal que produzem uma substância que protege as células nervosas.

O Glioma podem afetar sua função cerebral e ameaçar a vida, dependendo da sua localização e taxa de crescimento. O gliomas são um dos tipos mais comuns de tumores cerebrais primários. O tipo de Glioma que você ajuda a determinar seu tratamento e seu prognóstico. Em geral, as opções de tratamento de Glioma incluem cirurgia, radioterapia, quimioterapia, terapia direcionada e ensaios clínicos experimentais.

Causas do Glioma: Como a maioria dos tumores cerebrais primários, a causa exata dos gliomas não é conhecida. Mas existem alguns fatores que podem aumentar seu risco de tumor cerebral.

Sintomas do Glioma: Os sintomas do Glioma variam de acordo com o tipo de tumor, bem como o tamanho, a localização e a taxa de crescimento do tumor. Sinais e sintomas comuns de Glioma incluem:

  • Dor de cabeça
  • Náusea ou vômito
  • Confusão ou declínio na função cerebral
  • Perda de memória
  • Mudanças de personalidade ou irritabilidade
  • Dificuldade com equilíbrio
  • Incontinência urinaria
  • Problemas de visão, como visão turva, visão dupla ou perda de visão periférica
  • Dificuldades de fala
  • Convulsões, especialmente em alguém sem história de convulsões

Faça uma consulta com o seu médico se tiver sinais e sintomas persistentes que o preocupem.

Fatores de Risco do Glioma: Os fatores de risco incluem:

  • Idade Avançada. Seu risco de um tumor cerebral aumenta à medida que envelhece. O Glioma é mais comum em adultos entre 60 e 80 anos. No entanto, um tumor cerebral pode ocorrer em qualquer idade. Certos tipos de gliomas, como ependimomas e astrocitomas pilocíticos, são mais comuns em crianças e adultos jovens.
  • Exposição à Radiação. As pessoas que foram expostas a um tipo de radiação chamada radiação ionizante têm um risco aumentado de tumor cerebral. Exemplos de radiações ionizantes incluem a terapia de radiação utilizada para tratar câncer e exposição à radiação causada por bombas atômicas. Formas mais comuns de radiação, como campos eletromagnéticos de linhas de energia e radiação de radiofrequência de celulares e fornos de microondas, não demonstraram aumentar o risco de Glioma .
  • História Familiar de Glioma . É raro que o Glioma funcione em famílias. Mas ter uma história familiar de Glioma pode dobrar o risco de desenvolvê-lo. Alguns genes foram debilmente associados ao Glioma , mas é necessário mais estudo para confirmar a ligação entre essas variações genéticas e tumores cerebrais.

Tratamentos do Glioma: O tratamento para o Glioma depende do tipo, tamanho, grau e localização do tumor, bem como sua idade, saúde geral e preferências. Além de ações para remover o próprio tumor, o tratamento para o Glioma também pode exigir o uso de drogas para reduzir os sinais e sintomas do seu tumor. Seu médico pode prescrever esteroides para reduzir o inchaço e aliviar a pressão sobre as áreas afetadas do cérebro. Os medicamentos antiepilépticos podem ser usados ​​para controlar convulsões.

Cirurgia: A cirurgia para remover a maior parte do tumor é geralmente o primeiro passo no tratamento da maioria dos tipos de gliomas. Em alguns casos, os gliomas são pequenos e fáceis de separar do tecido cerebral saudável circundante, o que torna possível a remoção cirúrgica completa. Em outros casos, os tumores não podem ser separados do tecido circundante, ou estão localizados perto de áreas sensíveis em seu cérebro e tornam a cirurgia arriscada.

Nessas situações, seu médico remove a maior parte do tumor do que é seguro. Mesmo remover uma parte do tumor pode ajudar a reduzir seus sinais e sintomas. Em alguns casos, neuropatologistas podem analisar amostras de tecido removidas por um cirurgião e reportar os resultados enquanto a cirurgia está em andamento. Esta informação ajuda o cirurgião a decidir quanto tecido remover.

Uma variedade de tecnologias e técnicas cirúrgicas podem ser usadas para auxiliar a neurocirurgião na proteção de todo o tecido cerebral saudável, enquanto a remoção do tumor, incluindo cirurgia cerebral assistida por computador, cirurgia cerebral desperta e ressonância magnética intra-operatória. Por exemplo, durante a cirurgia do cérebro acordado, você pode ser solicitado a mover um membro ou contar uma história durante a cirurgia para garantir que as áreas do cérebro que controlam essas funções não são danificadas.

A cirurgia para remover um Glioma traz riscos, como infecção e sangramento. Outros riscos podem depender da parte do cérebro em que o tumor está localizado. Por exemplo, a cirurgia em um tumor perto de nervos que se conectam aos seus olhos pode representar um risco de perda de visão.

Terapia de Radiação: A radioterapia geralmente segue a cirurgia no tratamento de Glioma , especialmente gliomas de alto grau. A radiação usa feixes de alta energia, como raios-X ou prótons, para matar células tumorais. A terapia de radiação para o Glioma vem de uma máquina fora do seu corpo (radiação do feixe externo).

Existem vários tipos de radiação de feixe externo atualmente utilizada e em estudo para o tratamento de Glioma . O tipo de Glioma que você possui, a sua classificação e outros fatores prognósticos são considerados na determinação do tempo e do tipo de terapia de radiação que você pode receber.

As opções de terapia de radiação incluem o uso de computadores para atingir o tumor cerebral (radioterapia modulada por intensidade), usando prótons em vez de raios-X como fonte de radiação (terapia de feixe de prótons) e terapia de radiação estereotática (radio cirurgia).

A radio cirurgia estereotáxica não é cirurgia no sentido tradicional. Em vez disso, a radio cirurgia usa múltiplos feixes de radiação para dar uma forma altamente focada de tratamento de radiação para matar as células tumorais em uma área muito pequena. Cada raio de radiação não é particularmente poderoso, mas o ponto onde todos os feixes se encontram – no tumor cerebral – recebe uma dose muito grande de radiação para matar as células tumorais.

Existem diferentes tipos de tecnologia utilizada na radio cirurgia para fornecer radiação para tratar tumores cerebrais, como uma faca Gamma ou acelerador linear (LINAC). Os efeitos colaterais da radioterapia dependem do tipo e da dose de radiação que você recebe. Os efeitos secundários frequentes durante ou imediatamente após a radiação incluem fadiga, dores de cabeça e irritação do couro cabeludo.

Quimioterapia: A quimioterapia usa drogas para matar células tumorais. Os medicamentos de quimioterapia podem ser tomados em forma de pílula (oralmente) ou injetados em uma veia (por via intravenosa). A quimioterapia é geralmente usada em combinação com terapia de radiação para tratar gliomas.

A droga de quimioterapia usada com mais freqüência para tratar gliomas é a temozolomida (Temo dar), que é tomada como uma pílula. Os efeitos colaterais da quimioterapia dependem do tipo e da dose de medicamentos que você recebe. Efeitos secundários comuns incluem náuseas e vômitos, dor de cabeça, perda de cabelo, febre e fraqueza. Alguns efeitos colaterais podem ser administrados com medicação.

Terapia de Drogas Direcionada: Os tratamentos de drogas direcionados se concentram em anormalidades específicas presentes nas células cancerígenas. Ao bloquear essas anormalidades, os tratamentos específicos de drogas podem causar a morte de células cancerosas.

Uma terapia de drogas direcionada usada para tratar um tipo de câncer cerebral chamado glioblastoma é bevacizumab (Avastin). Esta droga, administrada através de uma veia (intravenosa), interrompe a formação de novos vasos sanguíneos, cortando o fornecimento de sangue a um tumor e matando as células tumorais.

Reabilitação após o Tratamento: Como os tumores cerebrais podem se desenvolver em partes do cérebro que controlam habilidades motoras, fala, visão e pensamento, a reabilitação pode ser uma parte necessária da recuperação. Seu médico pode encaminhá-lo a serviços que possam ajudar, tais como:

  • A terapia física pode ajudá-lo a recuperar habilidades motoras perdidas ou força muscular
  • A terapia ocupacional pode ajudá-lo a voltar às suas atividades diárias normais, incluindo o trabalho, após um tumor cerebral ou outra doença
  • A terapia da fala com especialistas em dificuldades de fala (fonoaudiólogos) pode ajudar se você tiver dificuldade em falar
  • Tutoria para crianças em idade escolar pode ajudar as crianças a lidar com mudanças em sua memória e pensar depois de um tumor cerebral

Medicina Alternativa: Pouca pesquisa foi realizada em tratamentos de tumores cerebrais complementares e alternativos. Não foram provados tratamentos alternativos para curar os gliomas. No entanto, tratamentos complementares podem ajudá-lo a lidar com seu tumor cerebral e seu tratamento. Converse com seu médico sobre suas opções. Alguns tratamentos complementares que podem ajudá-lo a lidar incluem:

  • Acupuntura
  • Hipnose
  • Meditação
  • Terapia musical
  • Exercícios de relaxamento

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.