Scroll Top

Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Como Conquistar o homem dos seus Sonhos

Dicas de Saúde Doenças Doenças e Tratamentos Sintomas

Câncer Retal – O que é, Sintomas e Tratamentos

Câncer Retal – O que é, Sintomas e Tratamentos que muitos desconhecem. Além disso, o reto é a última parte do intestino grosso. Começa no final do segmento final do seu cólon e termina quando atinge a passagem curta e estreita que leva ao ânus. Câncer dentro do reto (Câncer Retal) e câncer dentro do cólon (câncer de cólon) são muitas vezes referidos como “câncer colorretal”. Embora o Câncer Retal e de cólon sejam semelhantes em muitos aspectos, seus tratamentos são bastante diferentes. Isto é principalmente porque o reto fica em um espaço apertado, mal separado de outros órgãos e estruturas na cavidade pélvica. Como resultado, a remoção cirúrgica completa do câncer de reto é desafiadora e altamente complexa.O tratamento adicional é muitas vezes necessário antes ou depois da cirurgia – ou ambos – para reduzir a chance de o câncer retornar. No passado, a sobrevivência a longo prazo era incomum para pessoas com câncer de reto, mesmo após tratamento extensivo. Graças aos avanços do tratamento nos últimos 30 anos, o câncer de retal pode agora, em muitos casos, ser curado.

Causas de Câncer Retal: O Câncer Retal ocorre quando células saudáveis ​​no reto desenvolvem erros em seu DNA. Na maioria dos casos, a causa desses erros é desconhecida. As células saudáveis ​​crescem e dividem de forma ordenada para manter seu corpo funcionando normalmente. Mas quando o DNA de uma célula é danificado e torna-se canceroso, as células continuam a dividir – mesmo quando novas células não são necessárias. À medida que as células se acumulam, elas formam um tumor.

Com o tempo, as células cancerosas podem crescer para invadir e destruir o tecido normal nas proximidades. E as células cancerosas podem viajar para outras partes do corpo. Mutações de genes hereditárias que aumentam o risco de câncer de cólon e retal. Em algumas famílias, as mutações genéticas passadas dos pais para as crianças aumentam o risco de Câncer Retal .

Essas mutações estão envolvidas apenas em uma pequena porcentagem de Câncer Retal. Alguns genes ligados ao Câncer Retal aumentam o risco de um indivíduo de desenvolver a doença, mas não a tornam inevitável.

Síndromes Genéticas: Duas Síndromes Genéticas bem Definidas de Câncer Retal são: Câncer Retal hereditário não polipósico (HNPCC). HNPCC, também chamado de síndrome de Lynch, aumenta o risco de câncer de cólon e outros tipos de câncer. Pessoas com HNPCC tendem a desenvolver câncer de cólon antes dos 50 anos de idade.

Polipose adenomatosa familiar (FAP). FAP é um transtorno raro que faz com que você desenvolva milhares de pólipos no revestimento do seu cólon e reto. As pessoas com FAP não tratada têm um risco muito maior de desenvolver câncer de cólon ou reto antes dos 40 anos de idade.

FAP, HNPCC e outras, síndromes de Câncer Retal herdadas raras podem ser detectadas através de testes genéticos. Se você está preocupado com o histórico de câncer de cólon de sua família, fale com seu médico sobre se sua história familiar sugere que você tenha um risco dessas condições.

Sintomas de Câncer Retal: Os principais sintomas comuns incluem:

  • Uma mudança nos seus hábitos intestinais, como diarreia, constipação ou movimentos intestinais mais frequentes
  • Sangue escuro ou vermelho nas fezes
  • Mucus em fezes
  • Fezes estreitas
  • Dor abdominal
  • Movimentos intestinais dolorosos
  • Anemia por deficiência de ferro
  • Um sentimento de que seu intestino não esvazia completamente
  • Perda de peso inexplicada
  • Fraqueza ou fadiga

Quando Consultar um Médico: Faça uma consulta com o seu médico se tiver sintomas sugerindo câncer de reto, particularmente sangue em suas fezes ou Perda de peso inexplicada.

Fatores de Risco de Câncer Retal: As características e fatores de estilo de vida que aumentam o risco de Câncer Retal são os mesmos que aumentam o risco de câncer de cólon. Eles incluem:

  • Idade mais avançada. A grande maioria das pessoas diagnosticadas com câncer de cólon e reto têm mais de 50 anos. O Câncer Retal pode ocorrer em pessoas mais jovens, mas ocorre muito menos freqüentemente.
  • Descendência afro-americana. As pessoas de ascendência africana nascidas nos Estados Unidos têm maior risco de Câncer Retal do que as pessoas de ascendência européia.
  • Uma história pessoal de Câncer Retal ou pólipos. Se você já teve câncer de reto, câncer de cólon ou pólipos adenomatosos, você tem um maior risco de Câncer Retal no futuro.
  • Doença inflamatória intestinal. As doenças inflamatórias crônicas do cólon e do reto, como a colite ulcerativa e a doença de Crohn, aumentam o risco de Câncer Retal.
  • Síndromes herdadas que aumentam o Risco de Câncer Retal. As síndromes genéticas passadas por gerações de sua família podem aumentar seu risco de Câncer Retal. Essas síndromes incluem FAP e HNPCC.
  • História familiar de Câncer Retal. Você é mais provável desenvolver Câncer Retal se você tiver um pai, irmão ou filho com a doença. Se mais de um membro da família tiver câncer de colo ou câncer de reto, seu risco é ainda maior.
  • Fatores dietéticos. OCâncer Retal pode estar associado a uma dieta baixa em vegetais e alta em carne vermelha, particularmente quando a carne é carbonizada ou bem preparada.
  • Um estilo de vida sedentário. Se você está inativo, é mais provável desenvolver Câncer Retal. Obter atividade física regular pode reduzir seu risco de câncer de cólon.
  • Diabetes. Pessoas com diabetes tipo 2 mal controlada e resistência à insulina podem ter um risco aumentado de Câncer Retal.
  • Obesidade. As pessoas que são obesas têm um risco aumentado de Câncer Retal e um risco aumentado de morrer de câncer de cólon ou retal quando comparado com pessoas consideradas como peso normal.
  • Fumar. As pessoas que fumam podem ter um risco aumentado de câncer de cólon.
  • Álcool. Regularmente beber mais de três bebidas alcoólicas por semana pode aumentar seu risco de Câncer Retal.
  • Terapia de radiação para câncer prévio. A terapia de radiação direcionada ao abdômen para tratar cânceres anteriores pode aumentar o risco de Câncer Retal.

Diagnóstico de Câncer Retal: O Câncer Retal é freqüentemente diagnosticado quando um médico ordena testes para encontrar a causa do sangramento retal ou anemia ferropriva. A colonoscopia é a mais precisa desses testes. Em uma colonoscopia, um médico usa um tubo fino, flexível e iluminado com uma câmera de vídeo na ponta (um colonoscópio) para ver o interior do cólon e do reto.

Às vezes, o Câncer Retal não possui sintomas visíveis. As pessoas sem sintomas podem aprender que têm câncer de reto quando têm uma colonoscopia de rastreio – ou seja, uma colonoscopia recomendada aos 50 anos para todos com risco médio de Câncer Retal. Normalmente, é possível remover pequenas amostras de tecido (biópsias) de áreas suspeitas durante uma colonoscopia. A análise laboratorial deste tecido ajuda a definir o diagnóstico.

Estágio de Câncer Retal: Uma vez que você é diagnosticado com câncer de reto, o próximo passo é determinar a extensão do câncer (estágio). Staging ajuda a orientar as decisões sobre os tratamentos mais adequados para você. Os seguintes exames de sangue e estudos de imagem estão envolvidos na realização do câncer de reto:

  • Contagem sanguínea completa (CBC). Este teste relata o número de diferentes tipos de células no seu sangue. A CBC mostra se sua contagem de glóbulos vermelhos é baixa (anemia), o que sugere que um tumor está causando perda de sangue. Um alto nível de glóbulos brancos é um sinal de infecção, que é um risco se um tumor retal cresce através da parede do reto.
  • Antígeno carcino embrionário (CEA). Os cânceres às vezes produzem substâncias chamadas marcadores tumorais que podem ser detectadas no sangue. Um desses marcadores, o antígeno carcinoembrionário (CEA), pode ser maior que o normal em pessoas com Câncer Retal. O teste de CEA é particularmente útil para monitorar sua resposta ao tratamento.
  • Painel de química. Este teste mede uma série de produtos químicos no sangue. Níveis anormais de alguns desses produtos químicos podem sugerir que o câncer se espalhou pelo fígado. Níveis elevados de outros produtos químicos podem indicar problemas com outros órgãos, como os rins.
  • Tomografia computadorizada (tomografia computadorizada) do baú. Este teste de imagem ajuda a determinar se o Câncer Retal se espalhou para outros órgãos, como fígado e pulmões.
  • Ressonância magnética (ressonância magnética) da pelve. Uma ressonância magnética fornece uma imagem detalhada dos músculos, órgãos e outros tecidos que cercam um tumor no reto. Uma ressonância magnética também mostra os linfonodos perto do reto e diferentes camadas de tecido na parede retal.

Estágios de Câncer Retal: Os cânceres retais caem em um dos cinco estágios possíveis (estágio 0 até o estágio 4). Os estágios, de forma simplificada, são:

  • Estágio 0. Células cancerosas na superfície do revestimento retal (mucosa), às vezes dentro de um pólipo
  • Estágio I. Tumor que se estende por baixo da mucosa retal, às vezes penetrando na parede retal
  • Estágio II. Tumor que se estende para dentro ou através da parede retal, às vezes atingindo e crescendo ou aderindo aos tecidos ao lado do reto
  • Fase III. Tumor que invade os gânglios linfáticos ao lado do reto, bem como estruturas e tecidos fora da parede retal
  • Estágio IV. Tumor se espalhou para um órgão distante ou nódulos linfáticos distantes do reto

A implantação também envolve a análise de uma amostra de tecido retirado do tumor (uma biópsia) para determinar a classificação do tumor. Tumores de baixa qualidade tendem a crescer e se espalhar lentamente. Em contraste, os tumores de alto grau crescem e se espalham rapidamente, para que eles possam precisar de um tratamento mais agressivo.

Tratamentos de Câncer Retal: O Câncer Retal geralmente requer mais de um tipo de tratamento (modalidade), uma abordagem conhecida como terapia multimodal. Em geral, as modalidades de tratamento utilizadas no câncer de reto são as mesmas usadas para tratar muitos outros tipos de câncer. Eles são:

  • Cirurgia para remover o tumor.
  • Quimioterapia, geralmente constituída por duas ou mais drogas que visam células cancerosas. Em pessoas com câncer de reto, a quimioterapia é freqüentemente usada junto com terapia de radiação, antes ou após a cirurgia.
  • A radioterapia, que usa feixes de alta potência, como raios-X, para matar células cancerosas.

Cirurgia: Suas opções cirúrgicas dependem de uma série de fatores, incluindo:

  • O estágio e a série do câncer
  • A localização do tumor no reto
  • O tamanho do tumor
  • Sua idade
  • Sua saúde geral
  • Seu histórico médico
  • Suas preferências depois de aprender sobre diferentes procedimentos

Alguns dos procedimentos comumente usados ​​para tratar câncer de reto são:

  • Ressecção Abdominoperineal com colostomia final A: ressecção Abdominoperineal (APR) oferece a melhor chance de cura para tumores rectais localizados extremamente próximos do esfíncter anal. Com câncer neste local, o cirurgião tem que remover tanto o tumor quanto o esfíncter. Caso contrário, não é possível tomar uma margem de tecido saudável em todos os lados do tumor – e margens claras ou saudáveis ​​reduzem o risco de o câncer retornar. Após APR, não é mais possível passar fezes pelo ânus. Uma colostomia final conecta o final do cólon que foi anexado ao reto antes da APR para uma abertura cirúrgica (estoma) na parte inferior do abdômen. O tamborete passa para uma bolsa removível colocada sobre o estoma.
  • Anastomose Colo Anal: Este procedimento de poupança do esfíncter pode ser uma opção para a cirurgia de câncer de reto se o tumor tiver pelo menos 0,39 polegadas (1 centímetro) acima da parte superior do esfíncter anal. O cirurgião remove todo o reto e o suficiente do tecido circundante para obter margens claras. Então a extremidade restante do cólon pode ser moldada em uma bolsa que está conectada ao cólon. Alternativamente, o fim do cólon pode ser conectado diretamente ao ânus.
  • Resecção Anterior Baixa: Este procedimento, que também deixa o ânus intacto, pode ser realizado quando o tumor está localizado na parte superior do reto. O cirurgião remove o tumor e uma margem de tecido saudável ao redor, deixando a parte inferior do reto. O final do cólon é então anexado à seção restante do reto.
  • Excisão: Local A excisão local tira o tumor retal, juntamente com uma margem de tecido saudável e a seção de parede retal abaixo do tumor. Esta técnica é geralmente reservada para Câncer Retal precoce, pequeno estágio 1, após uma biópsia mostra que o tumor provavelmente não se espalhará ou se repetirá. Ao contrário dos outros procedimentos listados, a excisão local não inclui a remoção do linfonodo. Em vez disso, o tecido excisado é examinado em um laboratório para garantir que o tumor não tenha características que sugerem câncer mais avançado do que o esperado. Se algum desses recursos estiver presente, uma operação padrão pode ser necessária.
  • Cirurgia mais Extensa: As pessoas com câncer de reto associado à doença de Crohn, colite ulcerativa ou predisposição genética ao Câncer Retal geralmente precisam de cirurgia mais extensa do que os procedimentos descritos aqui. A quimioterapia também é necessária antes ou após a cirurgia.

Terapia Combinada: O tratamento padrão para Câncer Retal fase II e estágio III é tipicamente uma combinação de quimioterapia e radiação (quimioradioterapia) administrada antes da cirurgia (pré-operatório). Esta abordagem também é uma opção para o tratamento de certos cânceres retais do estágio I que apresentam alto risco de recorrência. Os benefícios da quimioradioterapia pré-operatória incluem:

  • Aumento da resposta à radiação por causa do efeito da quimioterapia sobre as células cancerosas
  • Tamanho reduzido do tumor
  • Abaixou o estágio do câncer em alguns casos
  • Maior chance de que a cirurgia deixe a área anal intacta (cirurgia poupadora do esfíncter)
  • Menor risco de recorrência do câncer

O período usual entre quimiorradioterapia pré-operatória e cirurgia é de cerca de seis semanas. Após a cirurgia, a maioria das pessoas também possui quimioterapia adicional para destruir as células cancerosas remanescentes.

Câncer de Reto do Estágio IV: Alguns dos tratamentos utilizados nos cânceres rectais das fases II e III também podem ser apropriados para câncer no estágio IV. Por definição, porém, o Câncer Retal do estágio IV se espalhou (metastatizado) para uma parte diferente do corpo, geralmente o fígado.

Em alguns casos, um tumor metastático pode aparecer no fígado quando o tumor primário ainda está confinado principalmente ao reto e aos linfonodos próximos. Se isso acontecer, seu médico pode recomendar uma cirurgia para remover o tumor primário e o tumor do fígado de uma só vez.

Em outros casos, o tumor primário pode se espalhar para órgãos próximos do reto, como o útero e os ovários, antes da metástase hepática aparecer. A cirurgia complexa e a reconstrução das estruturas pélvicas também podem ser possíveis nestes casos.

Drogas para Câncer de Reta IV: A quimioterapia pode prolongar a vida das pessoas com câncer de reto no estágio IV, assim como a terapia de radiação em alguns casos. Qualquer tratamento pode ser administrado após a cirurgia, enquanto que a quimioterapia é mais usada antes da cirurgia. A quimioterapia ou a radiação podem ser usadas para aliviar os sintomas nos casos em que o câncer é muito extensivo para a cirurgia.

As pessoas com Câncer Retal do estágio IV podem receber uma das três drogas mais recentes aprovadas pela FDA, além da quimioterapia contra o câncer. Essas drogas, chamadas de produtos biológicos, caracterizam características cancerígenas que permitem que os tumores cresçam. A adição de um medicamento biológico à quimioterapia padrão foi encontrada para melhorar a resposta ao tratamento em certos casos de Câncer Retal. A terapia que inclui produtos biológicos é chamada terapia direcionada.

Os produtos biológicos aprovados pela FDA utilizados com quimioterapia no tratamento de primeira linha do Câncer Retal do estágio 4 são:

  • Bevacizumab (Avastin)
  • Cetuximab (Erbitux)
  • Panitumumab (Vectibix)

Cuidados de Suporte (Paliativos): O cuidado paliativo é focado em proporcionar alívio da dor e outros sintomas de uma doença grave. Os especialistas em cuidados paliativos trabalham com você, sua família e seus outros médicos para fornecer uma camada extra de suporte que complementa seus cuidados contínuos. Um exemplo de cuidados paliativos pode ser uma cirurgia para aliviar o bloqueio do reto para melhorar seus sintomas.

Os cuidados paliativos são fornecidos por uma equipe de médicos, enfermeiros e outros profissionais especialmente treinados. As equipes de cuidados paliativos visam melhorar a qualidade de vida das pessoas com câncer e suas famílias. Esta forma de cuidados é oferecida juntamente com tratamentos curativos ou outros que você pode estar recebendo.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.