Scroll Top

Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Como Conquistar o homem dos seus Sonhos

Dicas de Saúde Doenças

As 9 Diferencias Entre Amidalite, Laringite e Faringite

As Diferencias Entre Amidalite, Laringite e Faringite que todos devem saber. Além disso, você não precisa eliminar os alimentos gelados do seu cardápio, mas existe uma maneira de aproveitar essas delicias sem prejudicar sua garganta. Ao colocar uma bebida ou comida muito fria na boca, deixe que ela fique alguns segundos na região da língua para que o organismo se adapte á nova temperatura e a equilibre, evitando que o gelado alcance diretamente a garganta.

uma mudança brusca na temperatura ou uma noite de sono sem se cobrir. Depois dessas situações, são muito comuns queixas de certo incômodo na garganta. Mas a tal dor pode significar muitas coisas, e é preciso entender o que de fato se passa no organismo para adotar um tratamento eficaz. Então, confira agora As 9 Diferencias Entre Amidalite, Laringite e Faringite.

Amidalite:

Sensação Dolorosa: Amidalite é uma inflamação que ocorre nas amídalas, estruturas localizadas no fundo da boca. Também chamadas amídalas palatinas, têm a função de proteger o organismo de infecções e colaborar com a produção de anticorpos que aumentam sua imunidade. Febre, dor de garganta, falta de apetite, hálito ruim, dificuldade para engolir e até inchaço nos gânglios do pescoço são sintomas comuns quando ocorre o processo da Amidalite.

Paciência é a Solução: Entre 80 e 90% das infecções de orofaringe (garganta) são causadas por vírus ad Amidalite. O da gripe, por exemplo, ataca o organismo e, se não tratado rápida e adequadamente nos três ou quatro primeiros dias, evolui para um quadro bacteriano, pois a inflamação gera um ambiente favorável para proliferação desses micro-organismos patogênicos”. Então, num primeiro momento, devem-se tratar apenas os sintomas da Amidalite, com antitérmicos, analgésicos e alimentos que aumentam a imunidade, na expectativa de que o organismo vença vírus. Se essas orientações vêm de um médico, é preciso ter um pouco de paciência para avaliar a melhora (ou não) do paciente.

Mais Intensivo: Caso o quadro de inflamação não regrida e o individuo continue se sentindo mal, depois desse período, antibióticos entram em ação para combater o problema de Amidalite. “O médico precisa avaliar que tipo de medicamento será aplicado, sendo mais comuns os efeitos á base de penicilina. Em emergências hospitalares, o bezetacil é um antibiótico muito usado para combater infecções, por ser de fácil acesso e ter um custo baixo. Além disso, depois de ser aplicado, age por 72h no organismo. O ônus é que deixa a musculatura do paciente dolorida por alguns dias”, diz o especialista.

Medida Extrema: Ás vezes (ou muitas, quando se considera o número de cirurgias realizadas, principalmente em crianças), a inflamação das amídalas é tão frequente que, numa avaliação de “prós e contras”, o médico decide que a melhor solução é remover esses órgãos. Porém, essa medida não pode ser precipitada, mas considerando diversos fatores, como os listados a seguir:

  • Quando as amídalas são muito grandes e dificultam a respiração e alimentação do paciente;
  • Após quatro a seis crises de infecção, que podem evoluir para dores nas articulações, febres reumáticas e complicações renais;
  • Quando ocorre um abscesso nas amídalas e elas deixam de desempenhar suas funções, tornando-se apenas um tecido morto na garganta;
  • Quando há tumor ação de amídalas, uma situação menos comum;
  • Por motivos “sociais”, isto é, casos em que as amídalas são responsáveis por um mau hálito constante.

A cirurgia de retirada não afeta em nada a imunidade da pessoa, já que foi realizada devido ao órgão trazer muitos prejuízos ao organismo.

Recomendação Absoluta: Antibióticos é uma classe de medicamentos que matam e bloqueiam a capacidade de crescimento e reprodução de bactérias. Eles reforçam o organismo para que se defendam dos agentes agressores. Porém, se usados indiscriminadamente, isto é, sem a indicação de um médico, ou de maneira incorreta, como ingeri-los menos dias do que os prescritos, podem provocar um efeito contrario, deixando o corpo resistente ao próprio medicamento. Por isso, nada de consumir remédios por conta própria ou interromper o tratamento determinado pelo especialista antes do tempo.

Mito: Dizem por aí que a retirada das amídalas pode deixa o paciente que se submete ao procedimento mais vulnerável á infecções de Amidalite. “Essa cirurgia não afeta em nada a imunidade da pessoa, pois é removido um órgão que, por seu mau funcionamento, traz prejuízo ao organismo. Além disso, exceto as amídalas, todos os demais órgãos são revestidos por tecidos, portanto, estão protegidos por vários revestimentos de defesa, inclusive por outras amídalas como a língua e a adenoide”.

Melhor Prevenir que Remediar: Para fugir das alegrias e doenças respiratórias, é preciso eliminar os potencias causadores desses problemas no ambiente. Para isso, confira as dicas a seguir:

  • Evite ambiente cujo ar seja muito poluído ou tenha baixa umidade.
  • Fuja das baixas temperaturas, seja expondo se em ambientes frios ou ingerindo alimentos gelados, que favorecem inflamações na garganta.
  • Cada pessoa possui uma resistência orgânica. Para aumentar suas defesas contra os agentes nocivos, mantenha uma alimentação equilibrada, rica em nutrientes variados, e pratique exercícios físicos regulamente.
  • Não entre ou saia rapidamente de um ambiente em que o ar-condicionado esteja ligado. Deixe seu organismo se adaptar á temperatura, para que possa entra em contato com outro local menos frio.
  • Aparelhos de ar condicionado devem receber manutenção conforme a orientação do fabricante. De outro modo o equipamento torna-se um disseminador de microrganismo nocivo.
  • Evite o tabagismo e o consumo exagerado de bebidas alcoólicas.
  • Tenha cuidado para não encosta a boca ou nariz em bebedouros ou telefones públicos. Que por seu mau funcionamento, traz prejuízo ao organismo. Além disso, excerto as amídalas, todos os demais órgãos são revestidos por tecidos, portanto, estão protegidos por várias revestimentos de defesa, inclusive por outras amídalas como lingual e a adenoide.

Laringite e Faringite:

Sem Voz: Laringite e Faringite são outras doenças que causam dor na garganta. A primeira é uma infecção que ocorre na estrutura pela qual o ar inspirado pelo nariz chega aos pulmões. Na maioria das vezes, causa rouquidão, perda da voz e dificuldade de respiração, mas não provoca dores. Geralmente, é causada por vírus, mas também pode resultar da ação de bactérias, de fungos, do uso exagerado de álcool, e cigarros e até aparecer de forma espontânea. “Típica da primeira infância, a Laringite estridulosa é popularmente chamada ‘tosse de cachorro’”. É comum esta associada a outros males como a bronquite e a pneumonia. Quando tem duração breve, isto é, cerca de quatro ou cinco dias, é chamada de aguda, mas, se o período de crise se estende, torna-se crônica, podendo durar até três semanas.

Alvo de Ataque: Já a Faringite é uma infecção na faringe, estrutura posterior á garganta, que fica atrás das amídalas, e por onde passaram os alimentos que vão da boca ao estômago. É possível ter faringite associada á Amidalite, e é bastante comum em quem precisou remover as amídalas, pois, sem essa proteção, a infecção segue direto para a Faringe. Dor na garganta ou durante a deglutição, rouquidão, febre, vermelhidão ou pus na garganta, inchaço dos nódulos do pescoço são sintomas comum da doença.

Causas Múltiplas: Pode ser de origem viral, bacteriana ou alérgica, sendo que a bactéria estreptococo o grupo A é responsável por 20 a 30% das Faringites em crianças e por 5 a 15% dos casos em adultos. No caso da infecção causada por vírus, os mais encontrados são: rinovírus, adenovírus e corona vírus. Tabagismo, consumo excessivo de álcool e contato com vapores químicos também podem desencadear uma faringite, que ainda pode indicar o princípio de um resfriado ou uma doença, como a escarlatina ou mononucleose.

O que Fazer: Analgésicos, partilhas ou gargarejo com água morna e sal aliviam o desconforto na garganta, mas o tratamento depende do que causou a infecção da Faringe. Eles variam conforma a origem da doença. Se for viral, apenas os sintomas serão administrados, fortalecendo as defesas do organismo, seja por meio de alimentação ou suplementos, aplicando analgésicos e esperando a reação do corpo durante a atuação do vírus. Mas se o diagnóstico for de uma Faringite bacteriana, então, é preciso entrar com antibióticos específicos para cada caso. Se não tratada, a Faringite pode evoluir para febre reumática, doença que coloca em risco o coração.

Tendência Ruim: Com o aumento de substâncias poluentes no ar o crescimento no número de quadros de rinite, a Faringite alérgica é cada vez mais comum. “A pessoa respira mal pelo nariz e passa a puxa o ar pela boca, ressecando a mucosa da garganta, o que favorece a infecção na Faringe”, alerta os especialistas. Esses casos precisam ser tratados com o uso de antialérgicos ou até com vacinoterapia, quando os sintomas forem persistentes.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.