Scroll Top

Como EMAGRECER Definitivamente de Uma Forma Rápida e SAUDÁVEL, Sem Sofrimento e Sem Suar em Academias...

Coloque seu E-mail:

Como Conquistar o homem dos seus Sonhos

Dicas de Saúde Doenças e Tratamentos

As 6 Causas da Lepra que Muitos Ignoram

As 6 Causas da Lepra que Muitos Ignoram são muito importantes para saúde, logo porque a Lepra é uma doença devastadora e saber As Principais Causas da Lepra é muito importante. Além disso, a Lepra, também chamada de Hanseníase, é uma doença de pele em que surgem, normalmente, manchas esbranquiçadas na pele, que afetam até mesmo os nervos causando grandes danos. A Lepra é transmitida pelas secreções do indivíduo contaminado, o tratamento é feito com o uso de antibióticos receitados pelo médico, para que possa ser curada. Apesar da Lepra ter cura, esta pode ser difícil de ser alcançada se a pessoa não realizar o tratamento corretamente, repeitando a dosagem e o tempo de tratamento indicado pelo médico.

A Lepra, também chamada de doença de Hansen é causada pelo bacilo Mycobacterium leprae, que lesiona principalmente os nervos periféricos diminuindo a sensibilidade da pele. As partes do corpo mais afetadas são os olhos, as mãos e os pés, mas as feridas também podem afetar a face, orelhas, nádegas, braços, pernas e costas. Como a capacidade de detectar o toque, a dor, o calor e o frio diminui, as pessoas infectadas podem queimar-se, cortar-se ou ferir-se sem perceber.

Principais Causas da Lepra: A Lepra é uma doença lenta mas potencial devastador causada pelos leprae do Mycobacterium do micróbio. A doença do Hansen do pseudónimo (HD) é uma marca do reconhecimento do trabalho feito pelo microbiologista Holandês Gerhard Hansen em sua etiologia.

O Organismo: Os leprae do Mycobacterium são um organismo ácido-rápido isto é, que sua parede de pilha contem grandes quantidades de ácido e de ceras mycolic, entre outros lipidos complexos. Isto dá uma consistência ceroso à parede de pilha e permite-a de resistir a mancha de seguimento da descoloração com fuchsin do carbol, que dá de outra maneira ao citoplasma uma cor vermelha.

Esta retenção característica da aplicação de seguimento da cor vermelha do álcool acidificado causa o termo ácido-rápido. Os leprae do M. são um organismo fastidioso, fazendo sua cultura muito difícil crescer in vitro. De fato tomou décadas para encontrar um remédio apropriado em que para cultivar o organismo, que conduziu aos atrasos consideráveis em estabelecer o papel etiological de leprae do M. Nos E.U., encontra-se principalmente no tatu nove-unido.

Lepra é altamente contagioso mas produz poucos casos clínicos devido à imunidade natural da maioria de seres humanos à bactéria. Aproximadamente 95 por cento de seres humanos são provavelmente genetically imunes a Lepra. Contudo, esta figura pode variar no que diz respeito aos grupos da população discreta e com uma história geracional prolongada da exposição à doença ou ao micróbio. Por exemplo, a predominância em Micronésia é muito mais alta do que entre a maioria outros de grupos da população. Isto pode ser devido à falta da exposição precedente, assim como às diferenças na susceptibilidade nativa.

Infecção Clínica: Os factores do Anfitrião, os ambientais, e do micróbio patogênico interagem em um complexo e em uma maneira deficientemente compreendida na doença de Hansen. Na maioria dos casos a variabilidade e a virulência genéticas do micróbio patogênico não são visivelmente diferentes entre formulários clínicos diferentes da doença.

Ou seja a variação nas manifestações da Lepra é devido às diferenças na composição genética do anfitrião suscetível, negociada pela activação diferencial de caminhos metabólicos pelo micróbio, junto com reprogramming da pilha de Schwann e diferenças individual-específicas na contribuição da imunidade inata e adaptável. Cada caso pode conseqüentemente ser pensado de como original.

O contacto Próximo com uma pessoa contaminada sobre uma duração longa é exigido para que a transmissão ocorra a um indivíduo suscetível. As gotas de Flugge em secreções nasais são responsáveis para a transmissão, através da inalação. A não ser a secreção, as úlceras nasais da pele, sangue, leite materno, mordidas de insecto, ou transmissão vertical, pode todo o acto menos geralmente como rotas de transmissão. Os estados do Portador são pensados igualmente para existir e para ser envolvidos na transmissão da Lepra.

Sintomas da Lepra: Os sintomas podem envolver manchas na pele, algumas vezes visíveis, outras mais esbranquiçadas ou de um leve marrom. Ocorre alteração no modo em como a pessoa sente a temperatura no local afetado pelas manchas. Os nervos também são comprometidos, levando muitas vezes o aparecimento de dormência. Além disso, podem aparecer caroços ou inchaços nas orelhas, mãos ou cotovelos. Em alguns casos, os sintomas são piores e pode ocorrer alguma deformidade nos membros.

Tratamento Para a Lepra:

Antibióticos: Os antibióticos podem deter a progressão da Lepra, mas não conseguem reverter qualquer dano nervoso ou deformação. Por isso, a detecção e o tratamento precoces são de importância vital. Como as bactérias da Lepra se tornam resistentes a um antibiótico se ele for usado individualmente, os médicos prescrevem mais de um medicamento.

Como as bactérias são difíceis de erradicar, os antibióticos devem ser continuados durante um longo período de tempo. Dependendo da gravidade da infecção, os antibióticos são tomados por seis meses até muitos anos. Os medicamentos escolhidos dependem do tipo da Lepra:

Multibacilar: A combinação padrão de medicamentos é dapsona, rifampicina e clofazimina. Nos Estados Unidos, as pessoas recebem rifampicina, dapsona e clofazimina uma vez ao dia durante 24 meses. A dapsona é mantida por tempo indeterminado para Lepra lepromatosa e por dez anos para Lepra limítrofe. Em outras partes do mundo, as pessoas tomam rifampicina e clofazimina uma vez por mês sob supervisão de um profissional de saúde. Elas tomam dapsona mais clofaziminas uma vez por dia, por conta própria. Este regime é mantido por doze meses.

Paucibacilar: Nos Estados Unidos, as pessoas com Lepra recebem rifampicina e dapsona uma vez ao dia por doze meses. Depois a dapsona é mantida por três a cinco anos. Em outras partes do mundo, as pessoas tomam rifampicina uma vez por mês com supervisão e dapsona uma vez por dia sem supervisão durante seis meses. As pessoas que têm somente uma única área afetada da pele recebem uma única dose de rifampicina, ofloxacino e minociclina.

A dapsona tem um custo relativamente baixo e a sua utilização costuma ser segura. Ela causa, em alguns casos, erupções cutâneas de natureza alérgica e anemia. A rifampicina, mais cara, é ainda mais eficaz que a dapsona. Seus efeitos colaterais mais sérios são os danos hepáticos e o aparecimento de sintomas semelhantes aos da gripe. A clofazimina é extremamente segura. O principal efeito colateral é a pigmentação temporária da pele, que pode levar meses para desaparecer.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.